RSS

Arquivo da tag: teologia pastoral

Statistics on Pastors — What is Going on with the Pastors in America?

By Dr. Richard J. Krejcir

What is Going on with the Pastors in America?

Here are some startling statistics on pastors; FASICLD (Francis A. Schaeffer Institute of Church Leadership Development). This quest started in 1989 as a Fuller Institute project that was picked up by FASICLD in 1998.

After over 18 years of researching pastoral trends and many of us being a pastor, we have found (this data is backed up by other studies) that pastors are in a dangerous occupation! We are perhaps the single most stressful and frustrating working profession, more than medical doctors, lawyers, politicians or cat groomers (hey they have claws). We found that over 70% of pastors are so stressed out and burned out that they regularly consider leaving the ministry (I only feel that way on Mondays). Thirty-five to forty percent of pastors actually do leave the ministry, most after only five years. On a personal note, out of the 12 senior pastors that I have served under directly, two have passed away, and four have left the ministry totally—that is, not only are they no longer in the pulpit, but they no longer even attend a church. And, I run into ex-pastors on a regular basis at conferences and speaking engagements; makes me wonder “what’s up with that,” as my kids would say.

From our recent research we did to retest our data, 1050 pastors were surveyed from two pastor’s conferences held in Orange County and Pasadena, Ca—416 in 2005, and 634 in 2006 (I conducted a similar study for the Fuller Institute in the late 80s with a much greater sampling).

  • Of the one thousand fifty (1,050 or 100%) pastors we surveyed, every one of them had a close associate or seminary buddy who had left the ministry because of burnout, conflict in their church, or from a moral failure.
  • Nine hundred forty-eight (948 or 90%) of pastors stated they are frequently fatigued, and worn out on a weekly and even daily basis (did not say burned out).
  • Nine hundred thirty-five, (935 or 89%) of the pastors we surveyed also considered leaving the ministry at one time. Five hundred ninety, (590 or 57%) said they would leave if they had a better place to go—including secular work.
  • Eighty- one percent (81%) of the pastors said there was no regular discipleship program or effective effort of mentoring their people or teaching them to deepen their Christian formation at their church (remember these are the Reformed and Evangelical—not the mainline pastors!). (This is Key)
  • Eight hundred eight (808 or 77%) of the pastors we surveyed felt they did not have a good marriage!
  • Seven hundred ninety (790 or 75%) of the pastors we surveyed felt they were unqualified and/or poorly trained by their seminaries to lead and manage the church or to counsel others. This left them disheartened in their ability to pastor.
  • Seven hundred fifty-six (756 or 72%) of the pastors we surveyed stated that they only studied the Bible when they were preparing for sermons or lessons. This left only 38% who read the Bible for devotions and personal study.
  • Eight hundred two (802 or 71%) of pastors stated they were burned out, and they battle depression beyond fatigue on a weekly and even a daily basis.
  • Three hundred ninety-nine (399 or 38%) of pastors said they were divorced or currently in a divorce process.
  • Three hundred fifteen (315 or 30%) said they had either been in an ongoing affair or a one-time sexual encounter with a parishioner.
  • Two hundred seventy (270 or 26%) of pastors said they regularly had personal devotions and felt they were adequately fed spirituality. (This is Key).
  • Two hundred forty-one (241 or 23%) of the pastors we surveyed said they felt happy and content on a regular basis with who they are in Christ, in their church, and in their home!
  • Of the pastors surveyed, they stated that a mean (average) of only 25% of their church’s membership attended a Bible Study or small group at least twice a month. The range was 11% to a max of 40%, a median (the center figure of the table) of 18% and a mode (most frequent number) of 20%. This means over 75% of the people who are at a “good” evangelical church do not go to a Bible Study or small group (that is not just a book or curriculum study, but where the Bible is opened and read, as well as studied), (This is Key). (I suspect these numbers are actually lower in most evangelical and Reformed churches because the pastors that come to conferences tend to be more interested in the teaching and care of their flock than those who usually do not attend.)

Here is research that we distilled from Barna, Focus on the Family, and Fuller Seminary, all of which backed up our findings, and additional information from reviewing others’ research:

  • Fifteen hundred pastors leave the ministry each month due to moral failure, spiritual burnout, or contention in their churches.
  • Fifty percent of pastors’ marriages will end in divorce.
  • Eighty percent of pastors feel unqualified and discouraged in their role as pastor.
  • Fifty percent of pastors are so discouraged that they would leave the ministry if they could, but have no other way of making a living.
  • Eighty percent of seminary and Bible school graduates who enter the ministry will leave the ministry within the first five years.
  • Seventy percent of pastors constantly fight depression.
  • Almost forty percent polled said they have had an extra-marital affair since beginning their ministry.
  • Seventy percent said the only time they spend studying the Word is when they are preparing their sermons (This is Key).

Most statistics say that 60% to 80% of those who enter the ministry will not still be in it 10 years later, and only a fraction will stay in it as a lifetime career. Many pastors—I believe over 90 percent—start off right with a true call and the enthusiasm and the endurance of faith to make it, but something happens to derail their train of passion and love for the call.

Focus on the Family has reported (www.parsonage.org) that we in the United States lose a pastor a day because he seeks an immoral path instead of God’s, seeking intimacy where it must not be found. F.O.F. statistics state that 70% of pastors do not have close personal friends, and no one in whom to confide. They also said about 35% of pastors personally deal with sexual sin. In addition, that 25% of pastors are divorced. The statistics I had with church growth resources is even higher. Pastors who tend to be very educated seem to have the ability to embark in sin on Saturday and preach the Word on Sunday without thinking anything is wrong.

Remember, Pride and Arrogance will be the diving board that will spring the pastor into the pool of sin and cause a church to fight amongst themselves!

Out of the 1050 pastors we surveyed during two pastors conferences held in Pasadena, California, 825, or 78% (326 in 2005 and 499 in 2006) said they were forced to resign from a church at least once. Sixty-three percent (63%) said they had been fired from their pastoral position at least twice. In the survey, we asked why they were fired—from the reasons given by the church board versus what they felt the reason was. We laid out 15 categories with a blank space to fill out what we may have missed: poor leadership, conflict with key staff or lay leadership, gossip, lack of funding, doctrinal divide, hardship on family, not connecting with membership, power plays, church council refusing to resolve conflict, resistance to their teaching, resistance to their leadership style or vision, failure to teach biblically, poor people skills, failure to follow job description, inappropriate relationship, or other sin. They gave us a top five main explanations on a scale of one to five, with few (8%) reporting on any of the other categories. These stats are based on number one response; at the same time, over 70% of pastors stated three of these five reasons. Here is the order (these findings have been retested and back up in internet polls done since 1998, and church survey studies done since 1980:

  1. Four hundred twelve (412 or 52%) stated that the number one reason was organizational and control issues. A conflict arose that forced them out based on who was going to lead and manage the church—pastor, elder, key lay person, faction, …
  2. One hundred ninety (190 or 24%) stated that the number one reason was their church was already in such a significant degree of conflict, the pastor’s approach could not resolve it (over 80% of pastors stated this as number 2 if not already stated as number one, and for the rest, it was number 3!).
  3. One hundred nineteen (119 or 14%) stated the number one reason to be that the church was resistance to their leadership, vision, teaching, or to change, or that their leadership was too strong or too fast.
  4. Sixty four (64 or 8%) stated the number one reason to be that the church was not connecting with them on a personal level or they could not connect with them, or the church over-admired the previous pastor and would not accept them.
  5. Forty (40 or 5%) stated that the number one reason was not having the appropriate relational or connecting skills as a pastor. (It is interesting that no one mentioned lack of teaching ability—only that their teaching was not accepted. Could this be pride?)

The other significant study of pastors that held similar results as ours was conducted by psychologist Richard Blackmon (with ties to Fuller Seminary and Dr. Archibald Heart), also reported by the Los Angeles Times newspaper. In 1985 as well as more recently too, Blackmon surveyed one thousand pastors from four major denominations in California, USA. His research, which was ongoing up to 2004, revealed that over 75% of ministers are extremely or highly stressed. He even found that 31.75% of the clergy surveyed had sexual intercourse with a church member—who was not their spouse! In addition, he found that 30% to 40% of ministers ultimately drop out of the ministry. His research goes on to say the average insurance costs to churches for dealing with mental breakdowns with clergy is four percent higher than any secular industry. Blackmon states that the significance of the stress is mainly based in the areas of personal finances, church finances, building issues, recruitment of volunteers, counseling issues, and visitation. Sermon preparation and teaching seem to be last on his list!

The stress, according to Blackmon, is a primary result of the continual, intense, care responsibility of pastors compared to a medical doctor who will see a terminally ill patient for an hour or so, then see them again in a few weeks. He suggests that the pastor must set personal limits for himself to maintain balance, develop relationships outside of the church, and to be in a support group with other pastors. Very good advice!

The problem, as we have found (and I agree with Blackmon, but as a symptom and not the prime issue), is that people lose focus on what the mission and central theme of the Church is. Both pastor and churchgoer miss the main theme of what a church is about, which is to know and worship Christ as Lord. So, when there is no growth from the pastor’s personal life, no discipleship, few people in Bible Study, then there is no mission or appropriate purpose for that church, and there are no goals; therefore, there’s nothing really to do effectively. The result is the “shearing of the sheep.” Instead of being fed, they will feed upon one another, as well as the pastor, in a feast of conflict and strife. Since the church has nothing to do, then all the energies are turned inward to attack one another. I guess it beats being bored.

When I was with another church growth consulting firm, we did a major study of pastors and came up with some astounding statistics. We found that 90% of pastors work more than 50 hours a week. One out of three pastors state that being in the ministry is clearly hazardous for their families. One out of three pastors felt totally burned out within the first five years of ministry. Over 70% of pastors do not have anyone they would consider to be a friend, and hardly any pastors had any close friends. Ninety percent (90%) of pastors feel they were not adequately trained to cope with ministry coordination and the demands of the congregation. Seventy-five percent (75%) of pastors experience a significant crisis that they faced due to stress in the ministry (Fuller Institute, 1989-1992). We at the FASICLD retested that data by various means starting in 1998 and also retested the results in an internet survey form several times over the last eight years. We found it has slightly worsened. Most pastors now work up to and more than 60 hours a week. Hence, why the divorce rate among pastors is rising and pastor’s children rarely stay in the church or keep their faith. In both studies, over 40% of the pastors reported serious conflicts with their parishioners every month. This leaves pastors physically tired, spiritually weary, and even distant from God! Thus, they cannot properly minister or connect with their flock.

There was a poll taken by a sociologist named Jeffrey Haddan (“Prayer Net” Newsletter, Nov. 13, 1998) in which he polled over 7,400 Protestant ministers. He found that 13% to 51% of ministers, depending on their denomination, accepted Jesus’ physical resurrection as a fact. His poll states between 19% and 60% of ministers believe in the virgin birth of Jesus. The poll goes on to say between 67% and 95% of ministers believe that the Scriptures are true in faith, history, and practice. These statistics are extremely despairing. What do these ministers think they are doing? What is their purpose? And, what are they trying to accomplish in God’s Holy Church? If you are the church leadership and you do not believe in the tenets of Scripture, you have no business being in leadership and certainly no business being the Shepherd and teacher of the flock. What you are is a wolf in sheep’s clothing, which will be harshly judged by God.

We at FASICLD conducted a simpler internet poll in 2005 of 2,245 pastors and another 1050 in person by our surveys in pastor’s conferences as seen above. Because we are reaching Reformed and conservative Evangelicals, the stats are very different. We found that over 90% of pastors polled believe in the resurrection, virgin birth, and the validity of Scriptures (we did not get into the various aspects of inerrancy). The significant problem we found is the “buzz” or willingness to go beyond belief into trust, and then model that to their congregations. Being beat up in the ministry wears them down and derails their focus.

The result of both studies is this: the pastor must be theologically sound. A pastor who does not have a good theology is like an engineer who does not know math; he or she would totally be unable to do the job of designing. A pastor that is not theologically sound is like a surgeon who does not know anatomy and physiology; would you want him or her to operate on you? Would you want a lawyer representing you who does not know the law or the court system? When we are in the pulpit proclaiming the truth of Christ, it better be just that—the truth of Christ, not our inclinations, new ideas, or the latest trend in theological thinking. All these new waves of theology just confuse and alienate the body of Christ, who are the parishioners we serve and are called to protect from false doctrine, rather leading to God’s truth. Most of these new ideas keep changing and conflicting, and only last a few years until the next latest theological fad comes into play. Why play with the fire of that game when God’s truth remains the same and only our creative thinking keeps changing? It’s good to be creative as long as it does not go against the teachings of Scripture!

The results of the survey are that pastors face more conflict, more anger, and more expectations than ever before. At the same time, they work long hours and have little pay, little reward, and produce their own dysfunctional families because of their absence. And, to top it off, they are not being adequately trained nor fed spiritually. I need to state clearly that this is not true of all pastors; there are many who are excellent in obeying their call, pastoring great churches, and being there for their families who are growing in the Lord. And, as a pastor, I must be aware of this so I do not fall in these traps myself. The statistics tell us that many more pastors have not learned to balance family and ministry or adequately deal with the immense struggles of the job. Thus, many are not able to lead their church where it needs to go because they have not been where they are seeking to lead others in growth or in spiritual formation. I totally sympathize with them, yet I call pastors to wake up to what they are doing, and why they are doing it. At the same time, hey church, take care of and respect your pastor!

The bottom line is this: if you are a pastor your job is to serve Christ first and foremost! Thus, it is imperative that we do not become thoughtless or uncaring concerning the buildup and practice of our personal faith. In so doing, we are also to be aware of and embrace the opportunities Christ has and will still bring for us. Our focus must be on the main thing and Christ is the main thing and at the same intention we are not to negate or neglect our personal faith development or our family. If we do, we personally fail and thus our churches will fail too and our family fails and we create the massive destruction, conflict, chaos and strife that has become so rampant in so many churches. We are called to do the opposite to discord and conflict, we are called to bring cohesion and community and show the character and love of Christ first to ourselves, then our family and then our church. In so doing we bring growth, maturity and love, being in and practicing “true spirituality!”

If we do not have a desire to pursue the call of God, we have to ask ourselves why and what is in the way. Why are we in ministry? We have to ask, what is the role of pride and the desire of sin and how is it blocking us from proclaiming Christ as a pastor? Sometimes, we may not recognize sin and will perhaps rationalize it away. This happens especially when solid biblical theology or teaching is not being rooted in us and not thus being taught from us, then our churches become just social clubs of gossip and contention or entertainment and not the real effectual Chuirch of Christ where He is model and shown as Lord. Remember, our election is proven by our obedience, fruit, and growth in Christ!

As pastors, it is our call and duty to be on guard against the erosion of biblical values and damage to our and our churches beliefs and biblical mindset (Psalm 123:3; Mark 4:19)!

Remember, churches fail because we as pastors fail; we tend to place our needs and desires over the Lord’s. It is His Church and we are His servant. Let our focus be on the right target—that is, His Way and not ours! We are called to a higher purpose. We are not called to ourselves. We are to lead others to Him, not to our self. Ministry is a wondrous call, it can be joyful and fulfilling; it is also a dangerous thing because we are before a Holy God. Yes we have grace, but we have responsibility too!

© 2007 (research from 1989 to 2006) R. J. Krejcir Ph.D. Francis A. Schaeffer Institute of Church Leadership Development www.churchleadership.org

 
Comentários desativados em Statistics on Pastors — What is Going on with the Pastors in America?

Publicado por em 24/10/2009 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,

O pensar reflete no agir

Robinson Cavalcanti

Não é novidade a afirmativa que nós agimos como pensamos; que o pensar se reflete no agir. No campo religioso as ações individuais e sociais dos fiéis são, em muito, um reflexo da teologia por eles adotada, seja consciente ou não, sistematizada ou não. É a velha história que a melhor práxis é uma boa teologia.

Os pioneiros do protestantismo histórico no Brasil (a partir de 1855) possuíam uma missiologia de presença e influência, com uma ideologia de que eram portadores de uma fé superior, da democracia e do progresso. Esse pensar era vinculado a sua opção no campo da escatologia: o pós-milenismo, que tende a um otimismo histórico, e o amilenismo, que tende ao realismo.

Apenas com a chegada do pentecostalismo, da vertente “branca” do primeiro “racha” dos filhos da experiência da Rua Azuza (a partir de 1909) é que passamos a conhecer uma vertente protestante isolacionista. E aí entra a velha teoria: eles eram seguidores de uma escatologia pré-milenista e pré-tribulacionista, marcada pelo pessimismo histórico.

Mesmo com os pentecostais os ultrapassando numericamente, os históricos mantiveram a sua hegemonia no conjunto do protestantismo brasileiro até o Golpe Militar de 1964, quando além de uma compulsória “amnésia” histórica, fruto da repressão, o pré-milenismo pré-tribulacionista e o dispensacionalismo – via fundamentalismo – chegaram, também, às igrejas históricas de missão.

Sem história, sem uma teologia articulada para a ação e sem uma ética social, não adianta crescer numericamente, que não vamos ver nenhum impacto do cristianismo reformado, mas isolacionismo, dicotomia, ou o que é pior, cooptação. E o Secularismo agradece…

Tenho em minhas mãos uma das mais recentes publicações da Editora Ultimato, o livro Fé Cristã e Cultura Contemporânea – Cosmovisão Cristã, Igreja Local e Transformação Integral, organizada por Leonardo Ramos, Marcel Camargo e Rodolfo Amorim, reformacionistas, ou seja, neo-calvinistas sociais na linhagem deixada pelo pensador e político holandês Abraham Kuyper. Há uma preocupação com a cosmovisão predominante no Ocidente pós-moderno: individualismo, subjetivismo, consumismo, narcisismo, e com a necessidade de reafirmarmos a soberania de Cristo sobre toda a criação, inclusive as manifestações da cultura, tendo a Igreja e os seus membros como instrumentos históricos dessa soberania, o que passa por uma reapropriação profunda da doutrina do pecado original, bem como da encarnação e da redenção.

A obra nos chama a atenção para a íntima relação em como nós compreendemos a noção de natureza e graça, e como vemos a nossa missão e o nosso relacionamento com a ordem dita secular. Essas diferentes percepções se refletem, inclusive, no interior da corrente da missão integral da Igreja, cujo momento mais importante na história recente do Cristianismo foi o Congresso de Lausanne, de 1974.

Guilherme Vilela Ribeiro de Carvalho, em seu capítulo A Missão Integral na Encruzilhada – Reconsiderando a Tensão no Pensamento Teológico de Lausanne – destaca as diferenças de abordagem entre três correntes de pensamento decorrentes da Reforma Protestante: a anabatista, a luterana e a calvinista.

Mesmo reconhecendo experiências como o milenarismo de Muntzer e a crítica profética de figuras recentes como Yoder, Carvalho resume o dilema anabatista (cuja visão se tornou hegemônica na América Latina na segunda metade do século 20, segundo Samuel Escobar):

“A postura anabatista vê o reino como contrário ao domínio político e procura desenvolver a vida eclesial como uma espécie de sociedade separada. Portanto, a ruptura entre natureza e graça aqui deve ser entendida do ponto de vista sociopolítico. Para alguns anabatistas, o Estado político seria uma estrutura absolutamente antinatural… Como resultado dessa ruptura, há uma dificuldade recorrente em se recomendar aos cristãos devotados que se envolvam também em atividades culturais, já que isso provocaria um conflito de lealdades. Assim, experiência cristã seria sinônimo de separação cultural. A experiência histórica do anabatismo revela um impulso praticamente irresistível para o isolamento cultural ou para uma postura contracultural ao evitar o cruzamento com a sociedade não apenas no aspecto político, mas também nas artes e nas ciências.”

A abordagem luterana, por sua vez, assim é analisada por Carvalho:

“A postura dominante no luteranismo, conhecida como doutrina dos dois reinos, apresenta uma conexão interna com a compreensão de lei e graça como duas ordens separadas. Assim, a doutrina luterana sustenta que o domínio político, embora paralelo à igreja, é separado desta. Não há ruptura, mas uma justaposição entre natureza e graça, que passam a ter uma relação apenas exterior. O cristão é descrito como um cidadão de dois reinos, com a responsabilidade de viver duas lógicas completamente diferentes, na igreja e na sociedade, procurando, sempre que possível, acomodar o princípio do amor às limitações do reino da ‘espada’ – o mundo sociopolítico. A doutrina luterana, com sua maior abertura para a natureza, proporcionou um grande enriquecimento cultural, como se pode notar pelo desenvolvimento musical nos territórios luteranos, e promoveu o desenvolvimento econômico e educacional. Porém, infelizmente, a ausência de uma conexão firme entre natureza e graça permitiu que o luteranismo fosse atingindo rapidamente pelo liberalismo teológico e pela autonomia da razão, e ao mesmo tempo forneceu base teológica ao acordo entre os cristãos alemães e o nacional-socialismo – fato que levou muitos luteranos a reconsiderarem a teoria dos dois reinos.”

Por fim, Carvalho contrasta ao anabatismo e ao luteranismo, a perspectiva calvinista:

“A tradição calvinista acredita que há apenas um reino. Lei e graça se interpenetram, enquanto que o reino de Cristo se estende extra-ecclesiam. O domínio político deve ser redimido e submetido ao governo divino por meio da ação histórica da igreja. A vida social, em sua totalidade, é vista como divinamente ordenada, constituindo o próprio lugar para se viver uma vida cristã. Não há, portanto, nem ruptura, nem justaposição, mas penetração e transformação da natureza pela graça. Assim, o calvinismo demonstra um radical impulso intramundano, que reúne dialeticamente a rejeição crítica do mundo (devido a sua pecaminosidade) e a invasão redentiva do mundo (único lugar em que a graça ganha efetividade).”

O autor aponta para o desdobramento concreto da abordagem calvinista, particularmente, no século 20, do neocalvinismo social holandês.

Estamos convencidos de que tanto o conhecimento da história geral e nacional da Igreja (e do protestantismo em particular), notadamente do seu pensamento social, notadamente ético, é urgente para a recuperação de uma cidadania responsável por parte de milhões de homens e mulheres que encontraram a vida, garantiram a vida eterna, esperam a glória após a morte, mas que são carentes de projetos existenciais consequentes e relevantes.

Para os cidadãos protestantes brasileiros, em especial para os evangélicos que se candidatam a cargos eletivos – pressionados por um secularismo travestido de laicismo, desconfortável com o retorno do Sagrado – optar e aprofundar uma teologia de missão é preliminar para romper as camisas de força que nos querem vestir os isolacionistas dentro da Igreja e os isoladores dentro do mundo. Isso já demonstrou ser historicamente possível, e a única forma de sermos obedientes ao mandato cultural e à vocação recebida do nosso Senhor, e Senhor da história das nações.

• Dom Robinson Cavalcanti é bispo anglicano da Diocese do Recife e autor de, entre outros, Cristianismo e Política — teoria bíblica e prática histórica e A Igreja, o País e o Mundo — desafios a uma fé engajada.
www.dar.org.br

Fonte: ULTIMATO

 
1 comentário

Publicado por em 16/10/2009 em POIMENIA

 

Tags: , , ,

Os notáveis

“Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai e eu também O amarei e me manifestarei a ele.” João 14:21

A amizade acompanha a história de qualquer ser humano. Todos nós, experimentamos, em diferentes intensidades, a amizade e o companheirismo de outras pessoas. Olhando para minha experiência vejo que não existe uma tática para conseguirmos uma nova amizade, geralmente elas surgem inesperadamente. Pessoas que eu não tinha qualquer apreço tornaram-se minhas amigas e, por outro lado, tiveram pessoas que eu desejava ter amizade contudo não consegui cultivá-las. Também percebo que a amizade não surge pronta. Ela começa misturada com vários interesses pessoais. Geralmente iniciamos um relacionamento baseando-o em trocas: troca de atenção, benefícios, tempo, conselhos, etc. Se esse relacionamento amadurece a pessoa em si torna-se mais importante do que ela pode nos oferecer. Passa-se a ter sentimentos e compromisso que ultrapassam os interesses pessoais. A verdadeira amizade não se baseia mais em nós mesmos mas no valor que damos ao outro. Os laços que nos unem já não dependem de dinheiro, respeito, lugar ou freqüência. Tornam-se laços inquebráveis que perduram ao longo do tempo.

Quando penso em amizades concluo que a pessoa em que devo mais investir em relacionar-me é com o próprio Deus. Sei que soa estranho qualificar Deus como um amigo. Afinal de contas como posso ter a presunção de pensar que posso cultivar uma amizade com o ser mais espetacular e inacreditável do Universo? Um ser que justamente por ser Deus não precisa e não depende de absolutamente nada para auto-existir? A experiência de Abraão me ajuda a entender um pouco melhor essa questão. Está escrito: “Abraão creu em Deus, e isso lhe foi imputado para justiça; e: Foi chamado amigo de Deus.” (Tg 2:23) . Como que Deus pode chamar um homem de amigo? A resposta de Tiago é incrivelmente simples: Abraão acreditou em Deus. Ele creu nas promessas e no propósito do Todo Poderoso. Ao confiar em Deus, Abraão deu um passo decisivo para uma vida intima com o Senhor.

Também penso nas diferentes profundidades que podemos experimentar do amor de Deus. O Senhor Jesus menciona sobre o amor incondicional de Deus pelo mundo perdido no famoso versículo de João 3:16 “Deus amou o mundo e por isso deu o Seu único filho”. Porém, em João 14:21 o Senhor Jesus fala de um amor condicionado; um amor e uma revelação que é exclusiva para aqueles que obedecem aos seus mandamentos. Quando penso nesse tipo de amor especial, lembro-me de Daniel. Pelo menos três vezes nos é dito o quanto Daniel era amado por Deus (Dn 9:23, 10:11,19) : “No principio das tuas súplicas, saiu a ordem, e eu vim, para to declarar, porque és mui amado.” Aqui temos uma declaração de amor muito pessoal de Deus a um amigo. Também penso em Paulo e Pedro ambos conseguiram tamanha intimidade com Deus que eles foram avisados da sua morte (II Tm 4:6 e II Pe 1:14). Como todo bom amigo, Deus declara suas intenções e comunga com os seus mais próximos.

Faço então a pergunta. Porque não é fácil sermos amigos de Deus? Tiago também tem a resposta: “a amizade do mundo é inimiga de Deus. Quem quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.” (Tg 4:4). Para sermos amigos de Deus temos que abrir mão de muita coisa. Quero muito ser chamado “amigo de Deus” mas será que estou disposto a abandonar parentela, cultura, hábitos e viver em tendas como Abraão fez? Também desejo experimentar as realidades espirituais que Daniel experimentou, mas será que desejo abrir mão das finas iguarias que a Babilônia me oferece? Que tristeza perceber que o conhecimento teórico não é o suficiente para me tornar amigo de Deus! Fico envergonhado por reconhecer que ainda insisto em encontrar um caminho neutro aonde posso ser amigo do mundo e de Deus.

Ao longo de toda historia da humanidade existiram muitos homens que, como Abraão e Daniel, romperam as barreiras da racionalidade e conseguiram experimentar na terra uma vida celestial. Tiveram em Deus seu maior companheiro e isso mudou suas perspectivas de vida. Enquanto para os demais as ordenanças de Deus soam como restritivas para eles são como uma fonte de comunhão. Enquanto todos temem a disciplina de Deus para eles a vara e o cajado servem de consolo. Não obedecem pelo medo mas pelo amor.

Os amigos de Deus são odiados pelo mundo e muitas vezes sofrem profunda rejeição por isso: “Foram apedrejados, provados, serrados pelo meio, mortos ao fio da espada, andaram peregrinos, vestidos de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, afligidos, maltratados – homens dos quais o mundo não era digno –. Hebreus 11: 37-3a . Aos olhos do mundo são desprezíveis porém isso não os afeta porque sabem que são aprovados por Deus. Vivem com seus pés nesta terra mas com seus corações postos no céu. Por experimentarem um real convívio com Deus, suspiram diariamente pelo momento em que O verão face a face. Suas ambições terrenas cada dia diminuem mais e, por isso mesmo, passam a servir aos outros mais desimpedidamente. E por viverem para servir, não são notados pela maioria. Mas para eles isso também não importa porque sabem que são notados por Deus, seu maior amigo.

“Quanto aos santos que estão na terra, são eles os notáveis nos quais tenho todo o meu prazer.” Salmos 16:3

Fonte: PENSAMENTOS DE UM PEREGRINO

 
Comentários desativados em Os notáveis

Publicado por em 11/10/2009 em POIMENIA

 

Tags: , , ,

Flordelis – O filme

Atores famosos se reúnem no filme-homenagem “Flordelis”

SÃO PAULO (Reuters) – Criado para ser uma homenagem, “Flordelis – Basta Uma Palavra para Mudar” estreia esta sexta-feira em circuito nacional, trazendo no elenco alguns dos rostos mais conhecidos da TV brasileira.

Reynaldo Gianecchini, Aline Morais, Leticia Spiller, Cauã Reimond, Letícia Sabatella, Marcello Antony e Fernanda Lima são apenas alguns dos nomes que participam da produção, dedicada ao trabalho social de Flordelis dos Santos.

Professora pública criada no Jacarezinho (RJ), Flordelis passou sua juventude a ajudar crianças e adolescentes em situação de risco nas periferias cariocas. Muito religiosa (daí a trilha sonora gospel de toda a produção), ela realizava vigílias noturnas para combater a cooptação de jovens pelo tráfico de drogas em comunidades pobres.

No entanto, ela só ficou realmente conhecida em meados da década de 1990, quando albergou como filhos, em uma casa de dois quartos, 37 crianças sobreviventes de uma chacina na estação Central do Brasil. Foi o início de uma perseguição pela polícia e pela assistência social, que procuravam levá-las para abrigos públicos.

Fonte: UOL

 
Comentários desativados em Flordelis – O filme

Publicado por em 11/10/2009 em POIMENIA

 

Tags: , , , , ,

Os conhecedores da época

“Proferirá palavras contra o Altíssimo, magoará os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei…” Daniel 9: 25a

Lendo sobre a II Segunda Guerra Mundial uma atitude do Hitler chamou-me a atenção; no início da guerra ele ordenou adiantar em uma hora os relógios em toda a Alemanha. Dizem que ele alterou o tempo porque queria que o exército alemão estivesse sempre à frente em relação aos seus inimigos. O mesmo principio também acontece no horário de verão. O Estado adianta em uma hora o horário oficial com o objetivo de aumentar a economia de energia elétrica. Então toda a sociedade se vê obrigada em respeitar os novos tempos. Mesmo que alguém não aceite tal determinação ele será afetado diretamente. O banco fechará às 16:00 horas do novo horário e não do horário antigo, e assim também acontece com o comércio, emprego ou cinema. Ou você se adapta ou está fora do sistema.

A Bíblia também nos adverte que os tempos e a lei serão alterados para e pela presença do anti-cristo. Se não consigo compreender completamente como ele mudará o tempo, consigo entender as conseqüências: ele magoará (ou em outras versões: esgotará) os santos do Altíssimo. O mundo está passando por uma altíssima transformação e que ninguém tenha dúvida, essa mudança é para pior “nos últimos dias sobrevirão tempos difíceis” (II Tm3:1). Os tempos estão sendo alterados e nosso ritmo de vida também. As exigências do mercado de trabalho impõem cada vez mais especialização e dedicação. Não é de se estranhar que o esforço para um pai de família sustentar sua casa hoje é muito mais árduo se compararmos um pai de 30 anos atrás. O sistema tem mudado. Ou você se adapta ou está fora.

Quando em Crônicas menciona-se a coroação de Davi como rei em Israel, existe uma expressão que sempre fala muito ao meu coração. Ali, quando o escritor lista as tribos que compareceram em Hebrom para “transferirem o reino de Saul segundo a palavra do Senhor” nos é dito: “Dos filhos de Issacar, conhecedores da época, para saberem o que Israel devia fazer, duzentos chefes, e todos os seus irmãos sob suas ordens” (I Cr 12:32). Aqui existe um registro diferenciado para os da tribo de Issacar. Eles não estavam ali de qualquer maneira ou simplesmente porque todas as outras tribos também estavam o fazendo. Mas eles estavam ali porque conheciam a época e sabiam o que Israel deveria fazer. Eles estavam fazendo exatamente aquilo que aquela época exigia na perspectiva de Deus e não da dos homens.

Assim como aconteceu em Israel na época de Davi hoje, entre o povo de Deus, também existem aqueles que são capazes de discernir os tempos. Não são seduzidos pelos apelos e insinuações deste mundo. Apesar de toda mudança nos tempos, não andam segundo o relógio do mundo mas andam segundo o tempo de Deus, o verdadeiro Senhor do tempo. Enxergam o que o mundo natural não pode ver. Investem no que é eterno e não no que é passageiro. Possuem uma viva esperança que, a cada profecia que se cumpre, se fortalece mais e mais.

Fico pensando em meu cotidiano. Tenho percebido as mudanças nos tempos ou simplesmente tenho sido atropelado pelo dia a dia? Como me relaciono com meu tempo: eu o governo ou sou governado por ele? Como tenho reagido com as pressões e imposições da nossa época? Será que tenho aceitado o ritmo e o padrão de vida sugerido pelos filhos da perdição? Mesmo conhecendo o tempo, será que tenho preferido viver sob a negridão das trevas?

“E digo a vós outros que conheceis o tempo, que já é hora de vos despertardes do sono; porque a nossa salvação está agora mais perto do que quando no princípio cremos. Vai a alta noite e vem chegando o dia. Deixemos, pois, as obras das trevas e revistamo-nos com as armas da luz.” Romanos 13: 11-12

Fonte: PENSAMENTOS DE UM PEREGRINO

 
Comentários desativados em Os conhecedores da época

Publicado por em 07/10/2009 em POIMENIA

 

Tags: , ,

Metade das crianças que nascem hoje chegará aos 100 anos de idade

BBC


Metade das crianças que nascem hoje chegará aos 100 anos de idade
Mais da metade das crianças nascidas em países ricos desde o ano 2000 chegará aos cem anos, caso a tendência de aumento da expectativa de vida atual continue. [Imagem: Benjamin Gimmel/Wikimedia]

Crianças de países ricos

Mais de metade das crianças nascidas em países ricos desde o ano 2000 chegará aos cem anos, caso a tendência de aumento da expectativa de vida atual continue, segundo um estudo publicado na revista científica Lancet.

A pesquisa, feita no Centro de Pesquisa sobre o Envelhecimento da Universidade do Sul da Dinamarca, analisou dados de 30 países que mostram que a expectativa de vida vem crescendo desde 1840 e que não há sinais de interrupção na tendência.

De acordo com o estudo, em 1950, a probabilidade de se viver até os 80 ou 90 anos era de 15% para mulheres e de 12% para homens. Em 2002, esses valores aumentaram para 37% e 25%, respectivamente.

“Se a expectativa de vida estivesse chegando a um limite, alguma desaceleração do progresso provavelmente ocorreria”, disse Kaare Christensen, que liderou o estudo.

Vivendo mais e melhor

Os dados levantados pelos pesquisadores sugerem ainda que, além de viver mais, também se viverá melhor, com menos problemas físicos e menos limitações.

De acordo com o estudo, entre 30% e 40% das pessoas que vivem dos 92 aos cem anos são independentes.

Os dados corroboram os resultados de um estudo realizado nos Estados Unidos com idosos acima dos cem anos.

Uma pesquisa com pessoas com idades entre 110 e 119 anos indicou que, mesmo na idade avançada, 40% eram independentes ou precisavam de pouca ajuda para realizar atividades como comer, tomar banho, trocar de roupas, entre outras.

Limitações e deficiências físicas

Segundo Christensen, há uma tendência de adiamento nas limitações e deficiências físicas causadas por saúde precária, apesar do aumento no número de doenças crônicas.

O pesquisador afirma que isso se deve, principalmente, aos diagnósticos precoces e tratamentos aprimorados, que reduzem o impacto de algumas doenças.

O presidente da Faculdade de Saúde Pública da Grã-Bretanha, Alan Maryon-Davis, afirmou que os resultados ressaltam a importância da prevenção.

“Você pode questionar as previsões, mas o que importa é que a prevenção realmente é melhor do que a cura”, disse.

“Não estamos adicionando anos às nossas vidas, mas, sim, vidas aos nossos anos”, afirmou Maryon-Davis.

Fonte: DIÁRIO DA SAÚDE

 
Comentários desativados em Metade das crianças que nascem hoje chegará aos 100 anos de idade

Publicado por em 07/10/2009 em POIMENIA

 

Tags: , ,

Rede FALE promove debate sobre saneamento ambiental e a responsabilidade do cristão diante das injustiças sociais.

1ª REUNIÃO DA REDE FALE CAMPO LARGO – Pr

A ação de Deus no último domingo, dia 20 de setembro, não poderia ter sido mais visível. Apesar da previsão do tempo, da chuva incessante; o sol brilhou magnificamente nesse dia.

A 1ª reunião da Rede FALE Campo Largo, aconteceu sob as árvores do Parque Municipal Cambuí, em Campo Largo, região metropolitana de Curitiba, PR. Em meio à natureza e aos que passeavam no parque, reuniram-se várias pessoas de várias denominações cristãs, e até mesmo  quem não confessasse nenhum credo religioso, para debater sobre saneamento ambiental e a responsabilidade do cristão diante das injustiças sociais.

Houveram três falas, intercaladas por músicas e poesias. A primeira fala foi do articulador estadual da rede, Douglas Rezende, sobre a responsabilidade do cristão diante das injustiças sociais. Douglas fez a introdução com a canção “Que Estou Fazendo Se Sou Cristão”, hino nº 552 do HCC, que denuncia a opressão e a desigualdade social no Brasil, fazendo uma comparação com a parábola do Rico e Lázaro; a segunda fala foi do Pr. Bebeto, da igreja Monte Horebe de Itaperuçú, região metropolitana de Curitiba, sobre saneamento ambiental, descrevendo suas ações de angajamento social no município e a luta contra a instalação de um lixão em área de manancial.

Por incrível que pareça, alguns dos maiores adversários do movimento em Itaperuçú são irmãos evangélicos que governam o município: “quando a gente chega na prefeitura de manhã, ninguém mais diz ‘bom dia!’ E sim a ‘paz do Senhor!’ E os escândalos de corrupção são muitos”, comentou Bebeto.

A última fala foi da pedagoga Patrícia Giovana, sobre o “nascer de novo: a importância da libertação do indivíduo para a construção de uma sociedade humana”. Baseando-se na pedagogia de Paulo Freire, Patrícia fez uma reflexão em cima do texto de João 3:1-8, dando ênfase ao versículo oito: “O vento sopra aonde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito.” Ou seja: o nascido de novo não pode ser domado ou colocado em uma fôrma, mas está livre para ser levado pelo Espírito Santo onde quer que Ele queira.

Encerrando a reunião foram distribuídos os cartões da campanha de saneamento em Marabá e também foi lida a carta em repúdio ao golpe de estado em Honduras; e então aberto às discussões.

Graças à Deus por este dia!
Washington cruz, articulador do FALE Campo Largo – Pr.

Fonte: REDE FALE PR

 
2 Comentários

Publicado por em 06/10/2009 em POIMENIA

 

Tags: , , ,