RSS

Arquivo da tag: tecnologia

Billy Graham fala sobre tecnologia, fé e sofrimento

Anúncios
 
Comentários desativados em Billy Graham fala sobre tecnologia, fé e sofrimento

Publicado por em 25/05/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , ,

People Don’t Want to Sit and Listen Anymore: 4 Ways to Connect With a New Generation

Most people who leave the church aren’t leaving God. Many of them are leaving the way we do church to try and find God.

Doing church together is an essential aspect of what it means to be a Christian. But church attendance rates keep dropping in most of the developed world. Why?

I often hear it’s because people aren’t as spiritually minded as they used to be. After all, if it’s not their fault, then some of it might be our fault. And that can’t be.

But the evidence doesn’t support that. In fact, it suggests that people’s spiritual hunger may be growing, not shrinking. Spiritually-themed books, movies, TV shows and blogs are having a major resurgence. Alternative spirituality is booming.

Spiritual hunger isn’t a cultural thing. That God-shaped hole is hard-wired into every one of us.

Church attendance isn’t down because people have stopped caring about spiritual things. It’s because we haven’t done such a great job at showing them how church attendance will help them answer that longing.

As the character, Amy Farrah Fowler, said on The Big Bang Theory, “I don’t object to the concept of a deity, but I am baffled by the notion of one who takes attendance.” No, we don’t take our lead from fictional characters on TV sitcoms. But is the person who wrote that line trying to tell us something?

Disconnect and Distrust

There’s not just a growing disconnect between spiritual hunger and church attendance; there’s a growing distrust in church leaders who pay too much attention to it.

To the average pastor, counting and promoting attendance numbers seems like good stewardship. To the average non-clergy, it feels more like ego. This is especially true among younger people—both Christian and not.

And they’re right.

No one cares about helping us reach our attendance goals. In fact, the more they hear about them, the less they trust that we have their best interests in mind.

As I wrote in The Grasshopper Myth and I tell my congregation regularly, God doesn’t take attendance. What we do after we leave church matters more to God than how we behave when we’re there—or how many people we jammed into the room at one time.

But we’re so ego-driven when it comes to church attendance, it’s become a running gag among ministers about how we count people. Thom Rainer even wrote a recent post about this, entitled “Five Ways to Avoid Lying About Church Attendance.” Yes, we need a list to help us stop doing that.

As Rainer wrote, “Sometimes church leaders lie about the weekly church attendance. Sometimes the lies are the result of an inflated ego where a leader gets his self-worth by leading a bigger church. Sometimes it’s the result of the sin of comparison with other leaders and other churches. Sometimes we rationalize it because our denominations or publications make such a big deal about it. In all cases, it’s wrong. Inflating attendance numbers is committing the sin of lying.”

The Shift

We used to be a society of clubs and groups. Fraternities, sororities, community service clubs, political parties, you name it. We loved meetings and the structure those meetings provided.

Not any more.

A recent article in FaithandLeadership.com titled RIP Average Attendance tells us about this change: “Average worship attendance was once such an important number. … Today that number means much less … The growing lack of dependability on attendance is a sign that the virtuous cycles that have sustained congregations since the end of World War II are collapsing.”

We no longer identify ourselves by clubs, groups or denominations. And we don’t like going to meetings, either.

More and more, people don’t think they count when the crowd is being counted. Every number may be a person, but people don’t want to be numbers. It makes them feel devalued and manipulated. More like a commodity than a person.

Coffee shops and restaurants are going back to calling people by name instead of saying “take a number.” Sure, the Starbucks barista may write your name wrong half the time, but even a wrong name is better than a number.

But the church keeps taking attendance. And telling pastors that increasing the number of those nameless, faceless people is the best proof that we’re doing our job well.

No one else is buying it.

Most people who leave the church aren’t leaving God. Many of them are leaving the way we do church to try and find God.

Doing Matters More Than Attending

So what can we do to inspire people to a greater spiritual commitment? Here are some starter ideas:

1. Give people the chance to make a difference.

If you think people today won’t commit to anything, check out a Breast Cancer Awareness March. The Susan G. Komen Foundation has helped people see a direct link between wearing pink while walking up to 60 miles together and funding breast cancer research. People want to make a difference, and the Komen Foundation has shown them how they can.

The church has a lot to learn from that. We haven’t done a good job at showing attenders why their presence matters. How it fills their spiritual hunger. And how they can leverage their time in church for the blessing and benefit of others.

2. Make the communication two-way as often as possible.

People want to be active participants, not just passive consumers. They want to talk with, not just be talked to. Even if it’s just the chance to tweet about the sermon. They want to know that their voice matters.

3. Tell stories more than statistics.

Let’s change from “we count people because people count” to “we tell stories because people matter.” For more on what that means and how to do it, check out Donald Miller’s blog. No one addresses this issue better than he does.

4. Make the connection for them.

People no longer see the connection between paying for a pastor’s salary or a church mortgage, and how that feeds the hungry or answers their spiritual longing. So we need to make that connection for them. If we can’t, maybe we should stop doing it.

The desire to make the shift from passive consumer to active participant is a good thing. Maybe not for a lot of our church mortgages or retirement plans. But for the church as a whole.

People don’t just want to sit and listen anymore. They want to learn, grow and take part. Let’s help them find what they’re looking for.

SOURCE: SERMON CENTRAL

 
Comentários desativados em People Don’t Want to Sit and Listen Anymore: 4 Ways to Connect With a New Generation

Publicado por em 06/05/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , , ,

Criada carne vegetal com textura e suculência de carne animal

Redação do Diário da Saúde


Carne vegetal já tem textura e suculência de carne animal
Estes são os primeiros cortes da carne 100% vegetal: “A consistência e a textura estão perfeitas,” garantem os cientistas.[Imagem: Fraunhofer IVV]

Carne vegetal

Pode ser mais fácil fabricar “carne vegetal” do que “carne artificial”.

O Dr. Mark Post ganhou renome internacional graças à tenacidade com que se dedica à sintetização de carne em laboratório, o que permitiria produzir bifes de carne verdadeira sem sacrificar animais.

Mas um outro grupo, formado por cientistas da Alemanha, Áustria e da Holanda, acredita que os mesmos nutrientes podem ser fornecidos aos humanos usando unicamente plantas, criando verdadeiros bifes vegetais.

E eles não estão falando de nada parecido com um “hambúrguer vegetal” que se pode comprar hoje nos supermercados, mas um alimento com textura e sabor de carne, mas feito unicamente de vegetais.

Parece fazer muito sentido: cada boi consome cerca de oito quilogramas de vegetais para gerar um único quilograma de carne.

A ideia do projeto LikeMeat (parecido com carne, em tradução livre) é eliminar esse longo caminho pelo organismo dos animais e criar pedaços de carne diretamente dos vegetais.

Réplica vegetal da carne

Os carnívoros não precisam se preocupar, porque a ideia não é transformar toda a população em vegetarianos.

Os cientistas já sabem que há várias plantas adequadas para a produção de produtos substitutos da carne em termos nutricionais.

Eles estão trabalhando agora em fazer com que esses produtos se pareçam e tenham textura e sabor de carne.

“Nosso objetivo é desenvolver uma réplica vegetal para a carne que seja fibrosa e suculenta, mas que também tenha um sabor agradável. O produto deverá ter uma durabilidade de prateleira longa, não poderá ser mais caro do que a carne e deverá ser adequado para vegetarianos e para pessoas alérgicas,” resume o Dr. Florian Wild, coordenador da pesquisa.

Além dos cientistas acadêmicos, pesquisadores de 11 empresas fabricantes de produtos alimentícios já se juntaram ao projeto, com interesse em comercializar as carnes vegetais desenvolvidas.

Transformando vegetais em carne

Mas como você transforma plantas em carne?

“A tecnologia de processamento foi o maior desafio,” lembra Wild.

As técnicas tradicionais de misturar proteínas vegetais com um pouco de água e aquecer sob pressão não se mostrou útil, porque o material estufa, como as proteínas de soja vendidas hoje no comércio.

Eles tiveram então que desenvolver uma nova técnica: os principais ingredientes – que continuam sendo a água e as proteínas das plantas – são fervidos e esfriados lentamente.

Esse resfriamento lento faz com que as proteínas formem cadeias, gerando uma estrutura fibrosa que é muito parecida com a da carne.

O equipamento protótipo já está em funcionamento, produzindo entre 60 e 70 quilogramas de carne vegetal por hora – 300 a 500 quilos por dia.

“A consistência e a textura estão perfeitas,” comemora o cientista, ressaltando que ainda é preciso otimizar o sabor, para que ele fique mais parecido com o da carne.

Ingredientes da carne vegetal

Os principais ingredientes usados na carne vegetal são trigo, ervilha, tremoço e soja.

“Não estamos nos atendo intencionalmente a um tipo específico de planta porque muitas pessoas têm alergias a uma ou outra delas,” diz o pesquisador.

“No processo, nós já desenvolvemos uma grande variedade de receitas. Elas são a base de uma linha de produtos que oferecerá uma grande possibilidade de seleção para as pessoas que possam ter intolerância alimentar ou alergias,” completa.

A expectativa é ter um produto totalmente pronto dentro de um ano.

Fonte: Diário da Saúde

 
Comentários desativados em Criada carne vegetal com textura e suculência de carne animal

Publicado por em 19/03/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , ,

Igrejas dependem cada vez mais do uso de tecnologia

Videoconferência, mensagens de texto durante o sermão e pagamentos eletrônicos para o dízimo já são uma realidade em muitos templos

Hoje em dia, a tecnologia parece ter cada vez mais de um papel de destaque na vida da Igreja. Um estudo divulgado pelo Hartford Seminary revela que o uso de tecnologia como TVs de LCD  e iPads, por exemplo já são parte de muitas comunidades religiosas de hoje.

No estudo, feito ao longo da última década, a corrida pela utilização da tecnologia foi uma das mudanças mais significativas nas igrejas norte-americanas.

O estudo analisou mais de 30 segmentos religiosos, incluindo protestantes, mórmons, muçulmanos, católicos e judeus, e constatou que as congregações onde a maioria dos membros são jovens adultos têm duas vezes mais chances de precisar usar muita tecnologia.

Afinal, ela já é parte da vida das pessoas durante a semana.

O relatório descobriu que os cristãos evangélicos são o grupo mais aberto para isso. A  tecnologia é mais comumente usada durante os cultos de igrejas  como a Igreja Fellowship em Dallas, Texas. Os membros desta igreja podem acompanhar as pregações do pastor Ed Young, através de um telão com vídeo de alta definição transmitida pela igreja mãe, na cidade em Grapevine.

Assim como nas aulas à distância, oferecidas por algumas universidades, agora parece ter chegado a hora das igrejas à distância. O louvor é feito por um grupo local, mas o sermão é via teleconferência.

Líderes dessa nova geração estão usando a tecnologia para apresentar seus sermões de domingo na igreja “mãe” e serem acompanhados pelas igrejas “satélite” em outras cidades ou mesmo estados. O recurso tem ajudado pastores como Mark Driscoll a atrair pessoas na plantação de novas igrejas Mars Hill pelos Estados Unidos.

Recentemente, uma universidade decidiu fazer a transmissão de um de seus cultos pelo Facebook e teve cerca de 40 mil pessoas conectadas e interagindo umas com as outras.

Além da tecnologia utilizada durante os cultos, mais igrejas tem optado por alternativas eletrônicas para entregarem seus dízimos e ofertas. “Isso lhes dá muitos benefícios”, diz Deborah Matthews, da ACH,  “os membros da igreja podem permanecer fiéis aos seus compromissos mesmo quando não puderam estar fisicamente na igreja “, seja por motivos de doença, viagens ou nas férias de verão. Tudo pode ser feito pela internet, através de transições de e-banking.

Na Igreja Morning Star, em Dardenne Prairie, Missouri, o pastor Mike Schreiner incentiva os membros de sua congregação a enviar mensagem de texto com suas perguntas durante o sermão. Seu assistente, John Carrington, joga as perguntas escolhidos no telão e Schreiner pode respondê-las na mesma hora. O líder sente que essas mensagens de SMS dos membros revela que pontos não ficaram claros durante a pregação.

O pastor Alex Lang, 31, da Igreja Presbiteriana de Pine Street, em Harrisburg, Pensilvânia, decidiu “modernizar” os cultos da igreja de 153 anos, optou por métodos não tradicionais. Visando melhorar sua rede de comunicação e espalhar sua mensagem espiritual, optou por ferramentas como Facebook, YouTube, Twitter e outras redes sociais.

“Como muitas igrejas protestantes, estamos vendo um declínio no interesse de nossa sociedade. Queremos reverter isso e atrair novos membros, especialmente na faixa etária entre 20 e 45. Um monte de gente dessa idade acha que somos muito tradicionais e trancados em nosso mundinho. Mas essa não é a realidade”.

Assim, sua igreja hoje twitta orações, links para meditações, faz anúncios sobre cultos ou atividades extras, uma comunidade religiosa que se estende durante a semana nas redes sociais.

“Estamos tentando chegar a uma geração mais jovem, e esse é o seu principal meio de comunicação”, disse Gilbert Thurston, líder da ExponentialChurch.tv, de Susquehanna Township. “Como eu vejo os jovens com seus polegares em movimento constante e olhos no celular, seja mandando mensagens de texto ou usando o Facebook, eu percebo como é incrível a autenticidade dos relacionamentos que as pessoas têm através da tecnologia ”

Thurston explica que a mídia social permite-lhe acompanhar melhor a vida pessoal dos membros de sua igreja. “Se alguém está doente, eu sei porque eles escreveram sobre isso no  Facebook”,

Mesmo a Igreja Católica Romana parece ter adotado as redes sociais. Durante sua mensagem para o Dia da Igreja Mundial das Comunicações Sociais, em 5 de junho, o Papa Bento XVI chamou as mídias sociais de “uma grande oportunidade” que podem promover o diálogo, respeito e relações honestas .

Quase metade de todas as igrejas protestantes usam o Facebook, de acordo com LifeWay Research, uma organização de pesquisa filiada à Convenção Batista do Sul.

Seu levantamento mais recente mostra que grandes igrejas usam o Facebook muito mais que as pequenas: 81% das congregações com frequência média de 500 ou mais pessoas usam o Facebook, em comparação com 27% das igrejas até 50 pessoas.

A pesquisa da LifeWay apontou ainda que 40% das igrejas não usam todas as ferramentas de redes sociais. Em geral, a maioria dos líderes teme que as redes sociais reduzam a espiritualidade das mensagens rápidas na internet, sacrificando a vivência em comunidade e a experiência de assistir a um culto na igreja.

John Voelz e David McDonald, pastores da Igreja da Comunidade Westwinds em Jackson, Michigan, pensam diferente. Eles chegaram a pregar sobre o uso do Twitter, estimularam que os fiéis trouxessem laptops, iPhones e BlackBerrys para o culto. Decidiram facilitar a vida dos membros e colocaram wi-fi de alta velocidade no auditório onde acontecem as reuniões.

Três grandes telas de vídeo mostram as mensagens dos membros em tempo real. O pastor Voelz diz que no início muitos reclamaram, mas hoje em dia recebe em média cinco e-mails por semana de pastores perguntando como iniciar um “ministério de Twitter” em suas igrejas.

Na Igreja Next Level, em Charlotte, Carolina do Norte, as redes sociais também são vistas como uma forma especial de comunhão.  Num culto recente, o pastor Todd Hahn prefaciou seu sermão dizendo: “Espero que muitos de vocês estejam twittando sobre a sua experiência com Deus”.

“É uma enorme responsabilidade da igreja perceber o que está acontecendo na cultura e usar isso para conectar as pessoas com Deus e umas com as outras”, diz Hahn.

Traduzido e Adaptado por Gospel Prime de Christian Post, Penn Live e Time

Fonte: GOSPEL PRIME

 
1 comentário

Publicado por em 11/02/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,

Padre abençoa pela internet fiéis que não podem comparecer à missa

A revolução tecnológica está sendo bem aproveitada pelas igrejas, prova disso é o novo projeto do padre Carlos de Figueiredo de Cianorte, Paraná, ele agora dá a “benção online” aos fiéis que não puderem comparecer à missa através de seu perfil no Facebook.

“Meu objetivo principal é levar a palavra de Deus, eu dou essa benção exatamente para isso”, diz o religioso. No site da igreja é possível pedir conselhos e até mesmo acender uma vela virtual que ficará acesa por sete dias.

A ideia de Figueiredo tem agradado os membros da igreja, entre eles Maurício Velasco que deu entrevista ao site G1 falando sobre o que achou dessa proposta. “Tem dias que a gente não pode ir à missa. A gente procura sempre que pode estar presente, mas essa benção dele diária para a gente que sai para trabalhar, para a gente que sai para viajar, é uma coisa assim que deixa a gente mais tranquilo, mais confortado durante o dia”.

Mas é claro que a internet não substitui o templo físico e os fiéis sabem disso, mas de alguma maneira esse contato virtual faz com que as pessoas se sintam mais próximas do sacerdote e ainda recebem uma mensagem de Deus. “Você receber uma benção vinda do seu padre, do padre da sua paróquia, do seu santuário aqui, parece que é mais próximo de você”, diz a fiel Patrícia Nabhan, membro da igreja.

Em seu perfil na rede social o padre Carlos recebe pedidos de amizade de fiéis de diversas partes do Brasil, todos os dias ele precisa aprovar novos amigos onde pode dar conselhos, fazer orações e etc. “Todos os dias tem alguém pedindo alguma coisa, uma intercessão, um conselho, alguma coisa específica, alguma coisa relacionada à saúde”, explica.

Com informações G1

Fonte: GOSPEL PRIME

 
Comentários desativados em Padre abençoa pela internet fiéis que não podem comparecer à missa

Publicado por em 06/02/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,

Padre abençoa pela internet fiéis que não podem comparecer à missa

A revolução tecnológica está sendo bem aproveitada pelas igrejas, prova disso é o novo projeto do padre Carlos de Figueiredo de Cianorte, Paraná, ele agora dá a “benção online” aos fiéis que não puderem comparecer à missa através de seu perfil no Facebook.

“Meu objetivo principal é levar a palavra de Deus, eu dou essa benção exatamente para isso”, diz o religioso. No site da igreja é possível pedir conselhos e até mesmo acender uma vela virtual que ficará acesa por sete dias.

A ideia de Figueiredo tem agradado os membros da igreja, entre eles Maurício Velasco que deu entrevista ao site G1 falando sobre o que achou dessa proposta. “Tem dias que a gente não pode ir à missa. A gente procura sempre que pode estar presente, mas essa benção dele diária para a gente que sai para trabalhar, para a gente que sai para viajar, é uma coisa assim que deixa a gente mais tranquilo, mais confortado durante o dia”.

Mas é claro que a internet não substitui o templo físico e os fiéis sabem disso, mas de alguma maneira esse contato virtual faz com que as pessoas se sintam mais próximas do sacerdote e ainda recebem uma mensagem de Deus. “Você receber uma benção vinda do seu padre, do padre da sua paróquia, do seu santuário aqui, parece que é mais próximo de você”, diz a fiel Patrícia Nabhan, membro da igreja.

Em seu perfil na rede social o padre Carlos recebe pedidos de amizade de fiéis de diversas partes do Brasil, todos os dias ele precisa aprovar novos amigos onde pode dar conselhos, fazer orações e etc. “Todos os dias tem alguém pedindo alguma coisa, uma intercessão, um conselho, alguma coisa específica, alguma coisa relacionada à saúde”, explica.

Com informações G1

Fonte: GOSPEL PRIME

 
Comentários desativados em Padre abençoa pela internet fiéis que não podem comparecer à missa

Publicado por em 06/02/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,

Google está ajudando a mudar a memória humana, diz estudo

Usuários de mecanismo de buscam não lembram informações, mas gravam onde pesquisá-las. Foto: Reprodução

Usuários de mecanismo de buscam não lembram informações, mas gravam onde pesquisá-las
Foto: Reprodução

Um estudo divulgado nesta semana por pesquisadores das universidades de Columbia, Harvard e Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos, mostrou que o Google e as outras ferramentas de busca da web estão afetando a forma como os humanos pensam e lembram-se das informações. Segundo o estudo, as pessoas hoje tendem a não registrar um dado em si, mas gravam onde podem encontrá-lo quando precisarem dele na próxima vez, de acordo com o Daily Mail.

Os pesquisadores explicam que a web funciona para os usuários como uma espécie de memória externa, mais ou menos como os HDs externos para os computadores. Em outra metáfora, ilustram que a possibilidade de conexão via smartphones e notebooks deixa as pessoas confiáveis de que “podem sacar (como num caixa eletrônico) qualquer informação que não encontrarem imediatamente”.

O estudo foi desenvolvido em quatro partes, começando por um quiz trivial que avaliava se os participantes reconheciam palavras relacionadas a computadores com mais rapidez do que outros vocábulos. A segunda prova envolvia lembrar 40 informações que as pessoas normalmente iriam buscar mais tarde. O terceiro e o quarto exames checavam o quanto as pessoas lembravam de onde buscar uma informação na web, ou se lembravam mais do local onde encontrar um dado do que do dado em si.

Segundo o relatório publicado pela professora assistente da Columbia Betsy Sparrow, líder da pesquisa, em alguns casos “as pessoas faziam questão de não se esforçar para lembrar (um dado) quando acreditavam que podiam buscar (a informação) mais tarde”.

A possibilidade de acesso quase 24 por horas dia à internet, de acordo com os pesquisadores, significa que “raramente se está offline, a não ser por escolha”, o que torna “difícil lembrar como se encontrava informações antes da ubiquidade da internet”. “A internet se tornou uma fonte externa e transitiva de memória, onde a informação é armazenada coletivamente fora de nós mesmos”, resume o relatório.

O estudo das três universidades americanas não é o primeiro a tratar da questão, lembra o Daily Mail. Em 2011, o especialista em tecnologia Nicholas Carr lançou A geração superficial: o que a internet está fazendo com os nossos cérebros, em que trata sobre como as pessoas se concentram menos na atualidade, um resultado da forma como se navega na web.

Fonte: TERRA

 
Comentários desativados em Google está ajudando a mudar a memória humana, diz estudo

Publicado por em 25/01/2012 em POIMENIA

 

Tags: , ,