RSS

Arquivo da tag: sociedade

Estudioso aponta falhas graves em reportagens da BBC sobre igrejas evangélicas gays no Brasil

As chamadas “igrejas inclusivas”, denominações evangélicas voltadas para homossexuais, foram tema recente de uma série de reportagens da BBC. Porém, um apologista critica a reportagem afirmando que o número de fiéis dessas igrejas foi superestimado na matéria e que é incorreto chamar tais igrejas de “inclusivas”.

De acordo com o fundador do Instituto de Pesquisas Religiosas (INPR), Johnny Bernardo, os números mostrados pela BBC são um exagero. Em entrevista ao The Christian Post ele explicou que o número de membros das maiores denominações do gênero no país é muito menor que os 10 mil apontados na reportagem.

Bernardo informou que a Igreja da Comunidade Metropolitana (ICM) – com seis filiais concentradas nas principais metrópoles e cidades do Brasil, possui em torno de 1400 membros; enquanto que a Igreja Cristã Contemporânea (ICC), concentrada no Estado do Rio de Janeiro, deve chegar a ter 1000 membros. Ele apontou também números de igrejas de menor expressão, como a Comunidade Cristã Refúgio (CCR), que possui em torno de 400 membros.

Tais números foram criticados também pelo site holofote.net, que afirmou que a BBC não fez jornalismo sério e sim uma apologia às igrejas inclusivas, ao afirmar, “sem citar uma fonte de pesquisa confiável, que atualmente no Brasil as igrejas de gays têm cerca de 10 mil membros”.

O estudioso criticou também o uso do termo “igrejas inclusivas”, afirmando que tal título passa a ideia de que as igrejas tradicionais seriam “exclusivas”, excluindo uns e acolhendo outros, enquanto que as “igrejas inclusivas” seriam então as que abraçariam a todos. Segundo ele, líderes como Troy Perry, fundador da ICM, Marcos Gladstone, fundador da ICC, e Lanna Holder, fundadora da CCR, usam argumentos como a discriminação e o desprezo da sociedade para arregimentar adeptos descontentes com o modelo tradicional de confissão de fé. E afirma que nas “igrejas inclusivas” não há “conversão”, mas sim, “recrutamento” baseado em interesses econômicos.

“A igreja atual acha politicamente incorreto falar contra o pecado, mas não temos opção, somente pela potência da palavra de Deus teremos pessoas livres do pecado e redimidas pela Graça do senhor”, explica Bernardo, que afirmou também que a questão do homossexualismo “é uma questão de conduta, de padrão moral e religioso nas quais as igrejas evangélicas estão inseridas”. “O homossexualismo é algo avesso à sociedade, que rompe com os laços familiares tradicionais. Caso o homossexualismo fosse algo natural, seriam três e não dois os gêneros sexuais criados por Deus”, argumentou.

Fonte: Gospel+

 
Comentários desativados em Estudioso aponta falhas graves em reportagens da BBC sobre igrejas evangélicas gays no Brasil

Publicado por em 02/05/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

“Deus quis se tornar mundano”, afirma teólogo em artigo sobre a relação da igreja com a sociedade. Leia na íntegra

“Deus quis se tornar mundano”, afirma teólogo em artigo sobre a relação da igreja com a sociedade. Leia na íntegra

O teólogo e professor universitário Sostenes Lima publicou artigo em seu blog sobre a divisão de bom e mau que diversas igrejas evangélicas fazem com relação à cultura cristã e o restante da sociedade.

Em seu artigo, Sostenes afirma que para muitos evangélicos “existem dois universos sociais dentro dos quais nossa vida transcorre: a igreja e o mundo. Me ensinaram que ser crente significava viver dentro de uma subcultura, a igreja, tendo o mínimo de contato possível com o espaço lá de fora, o mundo”.

Sostenes porém, aponta essa separação como algo negativo, que segundo suas palavras, “demoniza o mundo” em que estamos inseridos: “Há aí muita ignorância, moralismo, hipocrisia, alienação e dominação. É óbvio que, por trás de um discurso tão sectário como esse, há muita arrogância moral e farisaísmo. Também não tenho dúvidas de que há aí uma gama de interesses espúrios, bem escondidos nos porões institucionais, que favorecem certas pessoas e certas instituições”.

O argumento usado pelo teólogo Lima é baseado na biografia de Jesus e seu ministério: “Por que o cristão deve renegar o mundo se Deus fez exatamente o contrário? Por que o cristão deve se enclausurar na igreja se Jesus desenvolveu toda sua prática ministerial fora da organização religiosa de sua época? Na verdade, Jesus não apenas se desligou da instituição religiosa de sua época; ele se opôs a ela radicalmente. Jesus colocou em ruína todas as bases que davam sustentação ao discurso exclusivista e moralista da elite religiosa de seu tempo”.

Ele enfatiza que a quebra de paradigmas promovida pelo ministério de Cristo foi totalmente fora da cultura religiosa: “Jesus não renegou o mundo. Ele teve uma vida intensamente mundana”, e emenda: “Deus, em Jesus, se propôs a uma jornada de mundanização. Jesus entra no mundo e se mistura com ele. A encarnação não é uma negação do mundo, mas uma entrada radical e definitiva de Deus em nossa história, em esfera de existência”.

Confira abaixo a íntegra do artigo “Deus quis se tornar mundano”, de Sostenes Lima:

Vivi uma parte da minha infância numa casa que dividia espaço com a igreja. O terreiro (uma espécie de calçada de terra batida) se estendia varanda a fora dando para a porta do fundo do templo. Eu experimentava a vida de dentro e para dentro da igreja. Mas a vida naquele claustro não era plena; faltava ali uma série de coisas fundamentais. Lá não havia escola, não havia parquinho, não havia mercado, não havia casa e nem trabalho para todos etc. A igreja não conseguia oferecer tudo de que as pessoas precisavam. Logo percebi que não era possível permanecer o tempo todo dentro da redoma da igreja. O que fazer então? Foi aí que me ensinaram que existem dois universos sociais dentro dos quais nossa vida transcorre: a igreja e o mundo. Me ensinaram que ser crente significava viver dentro de uma subcultura, a igreja, tendo o mínimo de contato possível com o espaço lá de fora, o mundo.

Diziam-me que a igreja era um lugar social puro, formado por pessoas boas e íntegras. Ouvi algumas vezes alguém dizer, em pregação, coisas como: “Se alguém está precisando de um funcionário, deve contratar um irmão; é mais seguro. As pessoas da igreja são honestas, competentes e responsáveis. Por que se arriscar contratando alguém do mundo?” Ou algo assim: “Se você está vendendo para um crente pode confiar. As pessoas da igreja não dão calote; elas honram sua palavra e seus negócios”.

Diziam-me que a igreja tinha os padrões morais mais elevados da sociedade. A igreja não apenas congregava pessoas limpas; ela tinha a mais alta fórmula de assepsia moral. A igreja tinha um código de retidão que, quando cumprido à risca, tornava o crente livre de todas as mazelas morais que degradam a vida humana. O crente, uma vez lavado e remido, era uma pessoa santa.

Diziam-me também que a igreja tinha o melhor padrão de arte do mundo. Embora cultivasse apenas uma arte, a música, a igreja detinha um padrão estético capaz de suprir todas as demandas por arte. Ouvia em pregações: “Não ouça música do mundo. Elas não prestam, não edificam em nada. Ouça apenas as músicas da igreja. Essas, sim, são belas e edificantes”. Estranhamente, não me lembro de ouvir qualquer repreensão à leitura de obras literárias. Tenho minhas hipóteses sobre o motivo por que não havia censura à literatura, mas isso não importa neste momento.

As pessoas da igreja concebiam o mundo como o lado de fora da vida; um espaço social sujo, corrompido, cheio de pessoas más e pecadoras. Ouvi por diversas vezes frases como: “O mundo só tem coisas que não prestam. Ele é sedutor, cheio de atrativos, mas nada nele tem valor”. Também ouvia as pessoas da igreja advertindo sobre os perigos de se associar com as pessoas do mundo. Os pregadores diziam: “Cuidado com as pessoas do mundo. Elas são pecadoras e vão influenciar você, conduzindo-o para o fundo do poço. Não seja amigo de pessoas do mundo. Livrem-se das más companhias. Lembrem-se do ditado que diz: ‘me diga com quem você anda que direi que você é’. Andar com uma pessoa mundana pode levar você a se tornar mundano também”.

Vivi minha infância e adolescência exposto a esse discurso. Havia claramente uma divisão entre o que era de boa fama (coisas inerentes à igreja) e o que era degenerado (coisas inerentes ao mundo). Esse tipo de discurso, embora tenha perdido força, ainda continua ativo em muitos recantos religiosos. Ainda há muitas pregações que conclamam as pessoas a renegarem o mundo.

Não vou discutir o que está na base dessa cosmovisão que enaltece a igreja e demoniza o mundo. Sei que há aí muita ignorância, moralismo, hipocrisia, alienação e dominação. É óbvio que, por trás de um discurso tão sectário como esse, há muita arrogância moral e farisaísmo. Também não tenho dúvidas de que há aí uma gama de interesses espúrios, bem escondidos nos porões institucionais, que favorecem certas pessoas e certas instituições. Mas isso não me interessa no momento.

A questão a que me proponho é outra; está relacionada às seguintes indagações: Por que o cristão deve renegar o mundo se Deus fez exatamente o contrário? Por que o cristão deve se enclausurar na igreja se Jesus desenvolveu toda sua prática ministerial fora da organização religiosa de sua época? Na verdade, Jesus não apenas se desligou da instituição religiosa de sua época; ele se opôs a ela radicalmente. Jesus colocou em ruína todas as bases que davam sustentação ao discurso exclusivista e moralista da elite religiosa de seu tempo.

Jesus não renegou o mundo. Ele teve uma vida intensamente mundana. Viveu a infância e juventude numa pequena cidade da Galileia. Lá, possivelmente, adquiriu uma profissão e trabalhou com o pai. Foi a festas. Comeu e bebeu muito. Chorou e riu. Tornou-se um profeta itinerante imerso no mundo, dialogando com as crises mundanas que assolavam as pessoas. Circulou por espaços públicos e privados sem querer torná-los sagrados.

Não encontramos, na atividade e pregação de Jesus, qualquer base para uma cisão entre igreja e mundo. Não há nada mais contraditório do que exigir que alguém seja um cristão fora do mundo, como se isso fosse realmente possível.

Deus, em Jesus, se propôs a uma jornada de mundanização. Jesus entra no mundo e se mistura com ele. A encarnação não é uma negação do mundo, mas uma entrada radical e definitiva de Deus em nossa história, em esfera de existência. A encarnação é uma evidência de que Deus se interessou pelo mundo, de que Deus quis se tornar mundano. Logo, qualquer pregação que demonize o mundo, que o renegue, parece contradizer o propósito da atividade de Jesus. Deus quis interagir com o mundo. Sejamos imitadores de Deus. Tornemo-nos cristãos mais afeitos ao mundo. Sejamos mundanos.

Fonte: Gospel+

 
Comentários desativados em “Deus quis se tornar mundano”, afirma teólogo em artigo sobre a relação da igreja com a sociedade. Leia na íntegra

Publicado por em 26/04/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,

Colégio paulista abole Dia das Mães e Pais e institui Dia da Família

 
1 comentário

Publicado por em 22/03/2012 em POIMENIA

 

Tags: , ,

Manual de Integridade Pública e Fortalecimento da Gestão

Manual de Integridade Pública e Fortalecimento da Gestão
Manual de Integridade Pública e Fortalecimento da Gestão – Segunda edição 
Apresenta, de forma didática e em linguagem simples, informações que vão auxiliar os novos prefeitos na implantação ou aprimoramento de mecanismos de controle interno; na implementação de medidas de promoção da ética pública; no incremento da transparência pública; e no estímulo ao controle social.

Fonte: CGU.GOV.BR

 
Comentários desativados em Manual de Integridade Pública e Fortalecimento da Gestão

Publicado por em 22/03/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,

Cartilha O Vereador e a Fiscalização dos Recursos Públicos Municipais

Cartilha Olho Vivo - Controle Social Cartilha “O Vereador e a Fiscalização dos Recursos Públicos Municipais”
A publicação fornece orientações básicas sobre o papel dos vereadores na fiscalização da aplicação dos recursos públicos nos municípios. O objetivo é compartilhar o conhecimento técnico da CGU sobre o controle da gestão pública e, assim, contribuir para o aprimoramento da atuação do Poder Legislativo municipal. O vereador tem papel fundamental para o controle da gestão dos recursos públicos.

Fonte: CGU.GOV.BR

 
Comentários desativados em Cartilha O Vereador e a Fiscalização dos Recursos Públicos Municipais

Publicado por em 21/03/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , , , , ,

Ex-presidente americano lança Bíblia de Estudo

Jimmy Carter ensina na Escola Dominical de sua igreja há mais de 70 anos

 Ex-presidente americano lança Bíblia de Estudo

Jimmy Carter é um plantador de amendoim que virou presidente na década de 1970, mas nunca abandonou a Igreja Batista Maranata, em Plains, Geórgia.

Na Casa Branca, Carter ainda encontrou tempo para calmamente ensinar na escola dominical em 14 ocasiões. Ele participou de cultos em várias igrejas, incluindo reuniões em Camp David, uma espécie de “casa de campo” presidencial.

Desde que voltou para casa, depois de perder a reeleição para Ronald Reagan em 1980, Carter tem ensinado na escola dominical, como faz desde que foi para a Marinha, com 18 anos. O presidente hoje tem 88, são, portanto, sete décadas de experiência.

A editora Zondervan acreditou que ele estava capacitado a ser um comentarista da Bíblia, por isso publicou, na semana passada, a Bíblia de Estudo Lições de Vida, com as reflexões pessoais de Jimmy Carter.

“Como os discípulos, não devemos ser orgulhosos e procurar uma posição ascendente ou discutir sobre quem é o maior entre nós”, observa ele, ao refletir sobre uma passagem do Evangelho de Marcos em que os seguidores de Jesus debatem sobre quem dentre eles é o maior.

Carter se lançou como candidato à Casa Branca em 1976, quando  os EUA ainda debatiam a renúncia do presidente Nixon após o escândalo Watergate. Carter era um governador relativamente desconhecido e tinha uma vida aparentemente limpa. O fiel batista logo se tornou o queridinho dos eleitores cristãos evangélicos. Durante a campanha, Carter anunciou  orgulhosamente que havia  ”nascido de novo.” Em pouco tempo recebeu o apelido de “Presidente Redentor “.

Mas qualquer noção que Carter iria governar como ensinava na escola dominical foi dissipada quando ele assumiu o cargo. ”Eu fui ensinado a acreditar na completa separação entre Igreja e Estado”, disse ele.

Logo o presidente evangélico descobriu que era impossível separar a fé cristã de sua vida diária na Casa Branca. “Eu era muito cuidadoso para não confundir a prática religiosa com minhas decisões como presidente, exceto quanto aos valores morais”, disse ele.

Desde antes do tempo na Casa Branca, ele e sua esposa Rosalynn desenvolveu o hábito de ler as Escritura em voz alta todas as noites. Eles mantêm esse hábito até hoje e assim que terminam de ler a Bíblia, começam de novo, desde o início.

“Eu tentei colocar em prática os ensinamentos de Cristo no tempo que fui presidente”, disse ele. Para Carter, isso significa políticas que buscavam a paz em todo o mundo e cuidar dos mais necessitados. Mesmo assim, ele não foi reeleito.

Hoje, o ex-presidente atua como líder humanitário, criou o Carter Center para promover os direitos humanos, o avanço das democracias e a busca de soluções pacíficas para conflitos internacionais. Ele e a esposa são grandes incentivadores e mantenedores da Habitat for Humanity, uma ONG que constrói casas  em países pobres.

Carter também atuou como observador internacional de muitas eleições em países que voltavam ao regime democrático ou que tentavam implantar tal regime em substituição a ditaduras. Por suas ações no intuito de promover a paz mundial, direitos humanos, democracia e tendo sido mediador em diversas questões conflitivas ao redor do globo, recebeu, em 2002, o Prêmio Nobel da Paz.

A curiosidade sobre o que esse cristão tem a ensinar ainda é grande. Sua igreja tem  apenas 30 membros, mas quando é anunciado que Carter ensinará na escola dominical lá hoje, o número de pessoas pode chegar a 800. É maior que a população da pequena cidade de Plains, onde ele vive, que possui 650 moradores.

“Uma das principais coisas que eu tento fazer é conectar as Escrituras tão antigas com a vida moderna”, disse ele. “Com todas as experiências que tive, acredito que são coisas que ainda interessam para as pessoas que vêm me ouvir ensinar “.

A Zondervan acredita que a Bíblia Carter deverá vender cerca de 250.000 cópias nos próximos anos. Verne Kenney, vice-presidente executivo da editora explica: “Acreditamos que podemos atrair alguns leitores que não se interessariam pelo produto, mas tem curiosidade para saber o que pensa quem escreveu as notas”.

 Traduzido e adaptado de CNN

Fonte: GOSPEL PRIME

 
2 Comentários

Publicado por em 20/03/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Cartilha Acesso à Informação Pública

Cartilha Olho Vivo - Controle Social Cartilha “Acesso à Informação Pública”
A publicação, além de ser uma introdução à Lei que trata do assunto (nº 12.527, sancionada pela presidente da República em 18/11/2011), também destaca aspectos e vantagens de uma cultura de acesso, em detrimento à cultura do segredo.

O objetivo é ser uma ferramenta útil de trabalho aos servidores envolvidos no processo de atendimento à demanda da sociedade pelas informações produzidas e gerenciadas pelo Governo Federal.

Fonte: CGU.GOV.BR

 
Comentários desativados em Cartilha Acesso à Informação Pública

Publicado por em 20/03/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,