RSS

Arquivo da tag: pastorear

The Most Frequent Burdens Pastors Face

By Chuck Lawless

In my years of church consulting, I have spent hours talking to local church pastors. Much of the conversation revolves around church structure, vision, etc., but seldom does the conversation stay at that level. Pastors, it seems, long for someone to listen to them. They want someone to share their burdens, even if only for a few minutes.

Listen to the topics of pain I often hear, and take a minute to pray for your church leaders.

  1. Declining church growth – No pastor I know wants his congregation to be plateaued or in decline; however, the majority of churches in North America are in that state. A pastor may put a hopeful veneer on that truth publicly, but I’ve wept with pastors who grieve privately over their church’s decline.
  2. Losing the support of friends – Losing the backing of a Christian brother or sister is a unique pain. God-centered relationships are a miraculous gift, the melding of hearts at a level the world cannot understand. When those bonds are severed, particularly over matters that are seldom eternally significant, the anguish is deep.
  3. Grieving a fall – Pastoral love is not a guarantee against failure. In fact, even Jesus had close followers who fell into sin and rebellion. When our pastoral calls for repentance go unheeded, it’s difficult not to take that rejection personally.
  4. Sensing that the sermon went nowhere – For many of us, our ministry is centered around the Sunday sermon. Ideally, hours of preparation end in focused exposition that leads to life transformation—but that result doesn’t always happen. Few pastors have a safe place to express candid concerns about their own preaching.
  5. Losing vision – A pastor who has lost his vision for the church is leading on fumes. To admit that condition, though, is risky. Not to admit that reality is even more dangerous. Little will change until that pastor can honestly share his lack of focus.
  6. Being lonely – Pastors bear others’ burdens, but they do so confidentially. They share both the struggles and the joys of life, from birth to death. Sometimes, previous pain has made it difficult for them to open up to others. Consequently, they carry the weight of many on the shoulders of one.
  7. Dealing with unsupportive staff – Facing contrary members weekly is hard enough, but facing unsupportive staff every day is an ongoing angst. Correction is difficult, and firing can be agonizing. Some pastors simply hope for change while not knowing the best next steps to take.
  8. Remembering failures – Not many of us easily forget that disorganized sermon, that rotten counseling advice, that disruptive team meeting, or that hasty staff hire. Perhaps we can laugh at some of yesterday’s failures, but others still haunt us because we never want to fail God or His people.
  9. Dealing with death recurrently – Few responsibilities are as serious as officiating at a funeral. Even when burying a believer, pastors, too, grieve the loss of friends. Burying someone who was apparently not a believer is even more gut wrenching. Ministry amid such pain without becoming calloused is difficult indeed.
  10. Facing personal jealousies – I wish no pastor dealt with personal or professional jealousies, but I know better – both because of my own sinfulness and my pastoral conversations. Coming to grips with the rawness of our depravity is never easy.
  11. Balancing family and ministry priorities – No pastor sets out to lose his family. Few leap into the inattentiveness that often precedes adultery; instead, they almost imperceptibly slide into sin. One reason for that failure is their lack of mentors and colleagues who help them prioritize family while fulfilling ministry responsibilities.
  12. Responding to criticism – Continual criticism is wearying. Learning how to hear any sliver of truth in criticism while not growing angry is challenging. We can indeed be better ministers through healthy criticism, but few of us learn that truth in the midst of controversy.

I love pastors. I have been a pastor. I would return to the pastorate with excitement if the Lord so called me. Accordingly, I challenge us to pray for pastors today.

SOURCE: THOM RAINER

SOURC

Seminary. You can connect with Dr. Lawless on both Twitter and Facebook.

 
Comentários desativados em The Most Frequent Burdens Pastors Face

Publicado por em 02/02/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,

10 Areas Where Pastors Need Training for the 21st Century

DELETAR - LIVRO

Any pastor or other church staff member should be prepared in biblical truths, as well as theology. Indeed, you shouldn’t forsake any of the classical disciplines. Nor any of the practical disciplines, such as missions, evangelism or church planting.

Still, American culture has shifted dramatically in a relatively short period of time. The United States is becoming more like an international mission field. As a result, ministry training—whether formal or informal—should reflect this reality.

Missionaries are typically required to receive intensive cultural and language training before they go overseas. Frankly, a similar need exists today for those in American congregations, or those planning to go to these churches.

The greatest needs

So where are the greatest needs? My list is certainly not exhaustive, but I see all of these areas as key to reaching our new and challenging culture.

1. A new language. If a pastor or church staff member does not “speak” social media, he or she is neglecting one of the fastest-growing trends in our nation. Indeed, in our world. It is no longer a fad; it is a primary means of communication.

2. A non-Christian culture. Our nation is fast becoming a non-Christian nation. While we may lament the relative decline in the numbers who follow Christ, we must also accept the reality that we cannot assume others in our community are like us, or hold the same values.

3. The decline of cultural Christians in churches. The well-known Pew Research project has confirmed the dramatic increase in the numbers of people with no religious affiliation. This means that most people do not feel any cultural pressure to attend church. More and more, those who are there are convicted Christians and not Christians in name only (which ought to encourage pastors).

4. A new work/life balance. Pastors and church staff members have always been on call 24/7. But now through computers, smart phones and other advances, they are connected 24/7 electronically. For better or worse, the world of work and personal life is becoming increasingly blurred.

5. Unregenerate church members. Cultural Christians are those who know they are not believers, but affiliate with churches because of family traditions or for cultural reasons. Another group includes those who may cognitively assert a belief in Christ, but have not had a conversion experience. For certain, this development is nothing new. But in today’s church, we are seeing the cumulative cost of weak discipleship and false conversions. How will we respond to the issue of members who are not truly believers?

6. The community as a mission field. Can we change our mindsets and be better prepared? Our communities are not just changing because there are fewer Christians. They are changing with an influx of new ethnic groups and people of other religious beliefs.

7. Less automatic cultural respect for church leaders. In past years, those who held the title of “pastor” or a similar nomenclature were revered in the community just by the position they held. Such is not the case today. Respect must be earned one day at a time.

8. A more critical world. Many pastors and church staff members do not deal well with the more transparent and critical world in which we live. Some retreat to a form of passivity, or take the path of least resistance. Some quit altogether.

9. A greater need for leadership skills. The world in which we live is complex. We may long for simpler times, but that won’t change our realities. Church leaders must be better leaders in more challenging times.

10. More churches in need of revitalization. This may be last on the list, but the need is huge. As many as nine in 10 churches need some level of major revitalization. There are tens of thousands of these churches, and the implications for equipping leaders for them are vast.

The new mission field

This list may be discouraging to you as you read the cumulative implications. I see it, however, from a different perspective. I see this new reality and this new mission field as a great opportunity.

No, it’s not your father or mother’s church. It’s a new and challenging reality requiring a missional mindset. It requires total dependence on the One who sends us to the mission field. And that is exactly where God wants us.

What do you think about this mission field called America? How are you dealing with these new realities? Is there anything you would add to this list?

SOURCE: THOM RAINER

 
Comentários desativados em 10 Areas Where Pastors Need Training for the 21st Century

Publicado por em 28/01/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , , ,

Eight Reasons Why Some Full-time Pastors and Staff Should Go Bivocational

fg - fazer tendas

Some of you reading this post may need to get a new job. At least you may need to get an additional job.

Without a doubt, many churches will always need full-time vocational pastors and church staff. I am not suggesting all of you, even the majority of you, should go bivocational. But I do believe more of you should consider this path. Allow me to offer eight reasons why:

  1. A secular or marketplace job will put you in the middle of culture on a regular basis. Opportunities to develop relationships with non-believers will be greater. Opportunities to minister to people who would not set foot in a church will be greater as well.
  2. Full-time pastors and church staff often get missionally stale in their “holy huddles.” Perhaps the best way to break out of that Christian-only huddle is to be employed in a secular position.
  3. Smaller churches are increasingly unable to afford full-time pastors or staff. I have written on this site a few times about the flow of people from smaller churches to larger churches. As resources depart from the smaller churches, so do their ability to pay a pastor or staff person full-time. But these churches still need pastors.
  4. The digital world is offering more opportunities for flexible secular jobs than ever. I recently spoke to an IT professional who is also a pastor of a church. He spends about 25 hours a week in his IT job. He has declined good full-time opportunities in secular jobs because he wants to stay a tentmaker. I spoke to another staff person of a church who is an entrepreneur in the digital world. Those kinds of opportunities are growing every day.
  5. More churches are moving toward multiple teaching/preaching pastors. What was once common in large churches is now becoming increasingly common in medium and small churches. Many of these teaching pastors are in churches that cannot afford a second full-time pastor.
  6. More churches would like to expand staff, but don’t have the resources to do so. This issue is similar to #5 above, but here it refers to bivocational positions other than a lead pastor or teaching pastor. By the way, this approach allows church leaders to “raise up” people within their own churches—people they know and trust.
  7. A bivocational pastor or church staff can have greater freedom than a person in a full-time role. One of the “secrets” of church life is that many pastors and church staff are hindered from leading because their jobs would be in jeopardy. That is an unpleasant but clear and present reality. If a pastor or staff person has a job with other income, he or she may feel the freedom to move forward without succumbing to such pressure.
  8. A bivocational pastor or staff person has transferrable skills. A number of full-time church leaders have never worked outside of vocational ministry. They don’t understand the business and secular world. Bivocational ministers have secular skills they can use in their churches. They also have skills to support themselves if they find themselves no longer employed with their churches.

Bivocational ministry is a clear and definitive trend in church life. Some of the reasons for its growth are not that healthy. But many are. It is a great opportunity to make a greater difference in this culture in which we live. It is really a great opportunity to be a missionary on the field.

What do you of think of this issue? What are you seeing in your church and others?

SOURCE: THOMRAINER

 
Comentários desativados em Eight Reasons Why Some Full-time Pastors and Staff Should Go Bivocational

Publicado por em 26/01/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,

Caçador ou pastor? Pr. Isaltino Gomes

 
Comentários desativados em Caçador ou pastor? Pr. Isaltino Gomes

Publicado por em 14/12/2014 em POIMENIA

 

Tags: , , , , ,

Bonanza, Hercule Poirot e Literatura: desigrejando

Image por Gerson Borges

O saudoso reverendo Antônio Elias, pastor fundador da Igreja Presbiteriana Betânia em Niterói, uma das mais influentes da IPB fluminense, segundo relato de familiares, costumava fechar seus exaustivos fins de semana pastorais assistindo a filmes e mais filmes de “bang-bang” no videocassete: a série Bonanza, James West, clássicos de western à italiana de Sergio Leone, estrelado por Clint Eastwood e bambas do gênero que marcou época. Lembram de títulos como “Por um punhado de dólares” (1964), “O dólar furado” (1965), “Era uma vez no oeste” (1968)?

Seu argumento para um gosto televisivo e cinéfilo, no mínimo inusitado para alguém conhecido pelo zelo e dedicação diária à vida de oração, evangelização, aconselhamento espiritual, plantação de inúmeras igrejas-filhas, mentoria de novos líderes e pregação poderosa das Escrituras Sagradas: um pastor precisa “desigrejar”. Dar (diária e semanalmente) um tempo, pensar outras coisas fora do esquema “gabinete-reuniões-planejamento-exegese-púlpito-visitação”. Sua sanidade, integridade e família agradecem.

Eugene Peterson, outro ministro presbiteriano que me influencia e desconcerta, inspira e perturba, conta em entrevistas, artigos e em sua autobiografia ministerial, “Memórias de um pastor” (Mundo Cristão) que costumava “recarregar as baterias gastas em longas horas de trabalho no gabinete pastoral” – dedicando-se ao estudo da Bíblia com seriedade, aprofundando-se na ascese da oração sem pressa, transformadora, dando (e recebendo) direcionamento espiritual aos seus paroquianos da igreja que fundou e pastoreou por 29 anos, implementando programas e gerenciando comissões – com a leitura constante de romances policiais . Isso mesmo, histórias de detetive, assassinatos e intrincados tramas em torno de insuspeitos criminosos! O inspetor Hercule Poirot, personagem de muitas obras de Agatha Christie, por exemplo, ajuda a … “desigrejar”!

Creio que nós, pastores de hoje, devíamos que acolher de bom grado esse conselho: “desigrejai-vos”, um pouco, ó amados! Eu faço isso com a música, culinária e, especialmente, a Grande Literatura.

Mas o que ouvir? O que ler?

Despretensiosamente, deixarei a primeira pergunta quanto a um repertório “desigrejante “para outro artigo, dado à vastidão apaixonante das possibilidades de exploração pelas vias da Graça Comum (eita doutrina desprezada, minha gente !) . O que ler?

O próprio Peterson desenvolveu o conceito da Leitura Espiritual a partir da idéia e prática Monástica da Lectio Divina, um tipo de leitura da Palavra de Deus que envolve mais o coração devoto e piedoso do que a cabeça racional e exegética. É ler para deixar-se tocar pelo Espírito. Basicamente. Ler com os afetos. Ler para amar – não apenas para preparar (necessários) Sermões e Estudos Bíblicos de domingo. Mas, propõe o erudito mais contemplativo que conheci na vida, Peterson: “Leitura Espiritual é muito mais uma questão do COMO, não tanto do QUE lemos.” Nos autores canônicos (se me permitem) da nossa Literatura, eu diria Guimarães Rosa ! Graciliano Ramos! Adélia Prado! Paulo Mendes Campos! (desses dois últimos, especialmente a poesia , grandiosa). Leiam os nossos clássicos, colegas de púlpito! Permitam que sua imaginação pastoral seja amparada pela força da ironia e conhecimento psicológico de Machado de Assis! Sejam contagiados pelo respeito pela palavra de Vieira, Euclides da Cunha e tantos outros. Sejam despertos do sono das frases ocas, (mal) feitas , vícios homiléticos, muletas retóricas – e quanto menor o argumento, por exemplo, tanto maior é o volume de voz usado – pelo transbordamento metafórico de Cecília Meireles, Manoel de Barros, Carlos Drummond de Andrade. Paulo Apóstolo, no seu sermão célebre no Areópago, demonstrou conhecer (e bem) os poetas gregos importantes. E você, caro pastor/pregador , cuja paróquia é a Atenas pós-moderna dos nossos dias midiáticos, obcecados com diversão e dispersão, tão profundos como um pires?

Mas não apenas os clássicos da literatura brasileira e de língua portuguesa. Aliás, diz Ítalo Calvino, “clássico é todo texto que tem algo a dizer a cada nova geração. Penso , obviamente, nos clássicos/básicos da teologia cristã: os escritos patrísticos fundamentais – base substancial do pensamento cristão, Agostinho e suas Confissões , Cidade de Deus, Sobre a Trindade, Aquino , na sua Summa Teologica,

Calvino e sua obra monumental, As Institutas e toda um mundo de pensamento reformado: Kuyper, por exemplo, é notória coluna; tesouros devocionais como as obras de Teresa de Ávila, a jóia preciosa de Thomas à Kempis, A imitação de Cristo , assim como A prática de presença de Deus, do Irmão Lourenço, os Exercícios Espirituais de Loyola e o diário de Fox (e os mais recentes Henri Nouwen, Thomas Merton, Richard Foster, James Houston , Dallas Willard) … e o que direi de Pascal (Pensamentos), Bunyan (O peregrino), Barth (Epistola aos Romanos) , os comentários de Lutero, os sermões de Bernardo de Claraval, os poemas de João da Cruz e as reflexões de Kierkegaard? Ou ainda O pastor aprovado, de Richard Baxter e outras preciosidades puritanas? Ah, quanta coisa para ler, ler e reler! Penso também na (minha insaciável) necessidade de ler sem pressa, aprendendo com ingleses que tanto amo : G. K. Chesterton, C. S. Lewis, John Stott , J. I. Parker, N. T. Wright e Alister McGrath.

E há romancistas e poetas cristãos (em geral , católicos – cadê os grandes protestantes e evangélicos?) como Dostoievsky , John Donne, Gerard Manley Hopkins, Lucy Shaw, T. S. Eliot e W. H.o Auden. Minha imaginação (e não apenas a minha dogmática cristã) agradecem a ajuda que me concedem para que eu não me atole na areia movediça do jargão religioso barato e do mero ofício religioso. Concordo com a lúcida bservação de Eugene Peterson: “ um romance religioso é menos sobre uma experiência religiosa – é muito mais uma obra cuja leitura é uma experiência religiosa”.

Enfim, amigos, pastorear é um trabalho difícil embora criativo. É por isso que afastar-se um pouco, respirar, prestar atenção na Criação, rir, brincar com um a criança, fazer algo com as mãos (nem que seja arrumar o sótão, mexer um pouco num jardim, sei lá) ajuda. “Desigrejar” nos ajuda a servir mais e melhor a Deus e à sua igreja, com amor e alegria renovados. Elias e Peterson que o digam.

 Fonte: Ultimato

Via: CRISTIANISMO CRIATIVO

 
Comentários desativados em Bonanza, Hercule Poirot e Literatura: desigrejando

Publicado por em 16/09/2014 em POIMENIA

 

Tags: , , , , ,

Pesquisa mostra o porquê “ninguém quer mais ir à igreja”

Os autores Thom e Joani Schultz dedicam-se a fazer estudos constantes sobre como ajudar as igrejas a se fortalecerem. Afirmam serem consultores e já escreveram um livro polêmico anos atrás chamado “Why Nobody Learns Much of Anything in Church Anymore” (Por que ninguém mais aprende muita coisa na igreja). Eles afirmam terem ficado muito preocupados após uma pesquisa conduzida por eles indicar que:

– 12% dos presentes afirmam lembrar o conteúdo do sermão no dia seguinte.
– 90% afirmam que pensam em outras coisas durante o sermão.
– 33% acham os sermões “longos demais”.
– 11% dos homens e 5% das mulheres afirmam que o sermão dominical é a principal maneira como eles aprendem sobre Deus.

Seu novo livro, “Why Nobody Wants to Go to Church Anymore” (Por que Ninguém mais quer ir à Igreja) promete ser igualmente polêmico. Assim como no primeiro, lideranças cristãs afirmam que a Igreja não é um esforço puramente humano e, por isso, as conclusões não podem ser aceitas sem questionamentos.

O fato é que em muitos países historicamente cristãos, principalmente na Europa e nos EUA, a frequência aos cultos diminui a cada ano. Cada vez mais, os bancos vazios aos domingos refletem-se no número recorde de igrejas fechadas ou vendidas para a abertura de templos para muçulmanos ou lojas.

No livro lançado este mês, os autores procuram fornecer algumas respostas, com destaque para as “quatro soluções possíveis” para o problema. Thom Schultz e sua esposa dizem que algumas das causas estão relacionadas com tendências sociais e culturais, mas para ele o problema pode ser identificado no mundo todo, especialmente entre os mais jovens.

Schultz disse que é uma questão complexa, pois a cultura atual questiona como nunca as crenças e o estilo de vida dos cristãos. Afirma ainda que as pessoas não querem simplesmente ser ministradas em um sistema de comunicação unidirecional, pois estão acostumadas a fazer parte de um debate constante nas redes sociais.

Os quatro aspectos principais de seu estudo, considerado por ele os “motivos” são:

1) As pessoas sentem-se julgadas na igreja. Como solução, ele propõe a “hospitalidade radical”. Isso significa aceitar a pessoa como ela é, mas sem concordar com o que ela faz. “Essa nada mais é que uma abordagem semelhante à que Cristo usava”, garante.

2) Falta de diálogo no que se refere ao ensino. Para Schultz é necessário existir uma “conversa sem medo”, que significa considerar os vários pontos de vista, ao invés de simplesmente oferecer palestras com o assunto já decidido. “As pessoas querem ser envolvidas na conversa sobre a fé”, por isso incentiva que as igrejas estejam mais abertas para ouvir opiniões.

3) Para a maioria dos não-crentes, “os cristãos são hipócritas” e essa percepção só aumenta com os casos de escândalo financeiros e sexuais em alguns meios. Por isso, o autor está pedindo “humildade genuína”. Defende que as igrejas não devem querer estar acima desses problemas sem oferecer soluções e mostrar na prática que isso é uma generalização.

4) É enorme o número de críticos argumentando que Deus está distante ou morto e por isso o mundo está nesse estado atual. Schultz acredita que as igrejas precisam voltar a sintonizar suas mensagens na pessoa de Deus. “Muitas igrejas já se esqueceram de falar sobre Deus, falam apenas sobre o que ele fazia nos tempos bíblicos”, afirma. A ênfase exagerada nos benefícios materiais que a fé pode trazer também contribui para que as pessoas percam a noção de elementos como graça e pecado, vendo sua relação com Deus como apenas uma troca de ofertas por bênçãos.

O Centro Pew de Pesquisa sobre Religião e Vida Pública, realizou um estudo demográfico abrangente em grande parte dos países do mundo. A pesquisa incluía estatísticas e análise de tendências para as próximas décadas. Uma de suas principais conclusões é o rápido crescimentos dos “sem religião”, especialmente em países tradicionalmente cristãos. Eles já são o terceiro maior grupo “religioso” do mundo, atrás de cristãos e muçulmanos. Cerca de uma em cada seis pessoas do mundo (16,3%) afirma ser “sem religião”. A maioria deles afirma que, embora tenha suas crenças particulares, não se identifica com nenhuma religião “oficial”.

Schultz acredita que essa tendência pode ser revertida caso as igrejas sejam mais relevantes em suas mensagens, especialmente se posicionando biblicamente sobre questões como desigualdade social, cuidado com o meio-ambiente, e tantas outras “perguntas que todos estão se fazendo”.

O autor mencionou a homossexualidade como um exemplo de assunto que rapidamente é abordado pelos pastores, que se esquecem que existem muitos outros tipos de imoralidades que eles parecem não ver.
“Eu acredito que a igreja pode prosperar de novo”, disse ele, observando que para isso é necessário mudar a metodologia, não a mensagem.

Com informações The Blaze

Fonte: ADIBERJ

 
Comentários desativados em Pesquisa mostra o porquê “ninguém quer mais ir à igreja”

Publicado por em 27/10/2013 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,

Pastores Rancorosos

Nós temos uma natureza muito difícil. Desde Adão somos implicantes, raivosos, rancorosos, amargurados, maldosos, lamurientos, mal humorados… Como somos complicados a partir do Éden! É impressionante a nossa capacidade de reagir negativamente às ações negativas e até positivas das pessoas. Nunca estamos satisfeitos. Agimos com desdém. Desvalorizamos o trabalho dos companheiros de ministério. Temos uma tendência muito forte para construir nossos ministérios sobre os escombros dos outros que chegaram antes de nós. Perseguimos àqueles que não compartilham do nosso estilo ou da nossa filosofia de trabalho. Gostamos de dominar, de ter a primazia e alijar os que não gostam de nós, os que não desejam nos ajudar no ministério. Tratamos os inimigos na contramão de tudo o que Jesus ensinou (Mt 5.38-48). Temos mágoas não tratadas. Estamos adoecidos e adoecemos as pessoas que estão ao nosso redor. Somos sisudos pela influência danosa da velha natureza que herdamos dos nossos primeiros pais. Amargurados e ressentidos, produzimos o veneno que vai nos destruir.

Fico observando o número de pastores que gostam do pódio, dos confetes, elogios e bajulações. Homens que não conhecem a simplicidade de Cristo. Que não se aprofundam nos evangelhos. Causa-me tristeza ao ver tanto ciúme, disputas, maledicências e politicagens em nossas reuniões associacionais, convencionais e ministeriais. Somos um grupo dividido pela vaidade. Não nos unimos para projetos comuns e ajudar os que precisam. Aspiramos e lutamos pelos lugares altos. Temos dificuldade em servir. Gostamos e fincamos os pés em nossas ‘opiniões’ e não no que diz a Palavra de Deus. Estamos longe da mansidão e da humildade tão vividas e ensinadas por Jesus (Mt 11.29). Causa-me asco ao ver tanta carnalidade entre os chamados ‘ministros evangélicos’. Tantas disputas por cargos em vez de levarem as cargas uns dos outros. Podemos ser inescrupulosos nas indicações para a liderança das igrejas. Usamos a nossa ‘influência’ e não a do Espírito Santo. Queremos fazer as coisas acontecerem em vez de deixar Deus fazê-las.

Esquecemo-nos de que ser pastor é imitar o Senhor Jesus Cristo, nosso Pastor Supremo. É dedicar-se à oração e ao ministério da Palavra. Liderar um hospital para pecadores. Ter seriedade no trato das coisas de Deus. Considerar a Igreja uma comunidade da aceitação, do perdão e da festa. Precisamos ser obreiros simples, bondosos, graciosos, perdoadores, catalisadores, piedosos, amorosos e servidores. Fomos chamados como homens comuns, muito comuns, para um trabalho extraordinário, tão sublime. Precisamos entender que ministério não é mérito, mas graça. Você e eu não somos dignos e nem temos competência para o trato das coisas de Deus se Ele não for conosco (2 Co 3.5). O ministério não é para se exaltar, mas para exaltar o nosso Senhor que nos chamou com uma santa vocação. Se estamos exercendo o ministério é apenas por graça da parte de Deus Pai. O mérito não é de quem recebe o ministério, mas de quem o possui e o concede apenas por graça plena.

O ministério pastoral não é para tietagem. Não é para o pódio, o lugar mais alto, mas para o chão, para o húmus. Ministério não se exerce pelo método organizacional, mas pelo estilo de vida de Jesus, o estilo do organismo, pelos Seus princípios, quando somos membros uns dos outros em profundo amor. O pastor não é um executivo da fé ou eclesiástico, mas aquele que foi executado na cruz juntamente com Cristo Jesus (Gl 2.10; 2 Co 4.10). O ministério não é nosso, mas de Cristo Jesus. A Igreja é de Jesus, que a comprou com o Seu precioso sangue. Não é ‘ministério fulano de tal’, mas ministério do Senhor Jesus Cristo. Nós, pastores, somos servos de Jesus servindo o Seu povo. Quem deve aparecer sempre é o Senhor Jesus. Aprecio João Batista que preparou o caminho do Senhor. Ele era apenas coadjuvante. Ele disse em relação a Jesus: “Importa que Ele cresça e eu diminua”. Este é o nosso caso. Nada além. Ser João Batista é um caso de morte com Cristo na obra da cruz. Como disse Paulo: “Não mais eu, mas Cristo” (Gl 2.20) e “para mim o viver é Cristo” (Fil 1.21).

Pastores que vivem destilando rancor não são pastores. Elementos que vivem detonando os companheiros do exército de Cristo não são dignos de estar nele. Aqueles que vivem criticando, agindo com maledicência, sendo maliciosos, dissimulados, prejudicando o irmão, exigindo reconhecimento, buscando proeminência, se arrogando do que fazem, não são dignos do ministério tão sublime para o qual o Senhor nos chamou. Os elementos que vivem destilando críticas ferinas aos companheiros de jornada não são dignos do ministério de Jesus. Que nos arrependamos das nossas mazelas, incoerências, críticas, legalismo, magoas, rejeições, ressentimentos e tantos outros erros. Perdemos tempo em falar mal daqueles que lutam conosco a luta da fé, do evangelho. Há muitos que fazem parte da quinta coluna, daqueles que lutam contra o Reino de Deus, contra o seu próprio exército. Estes irão de mal a pior se não mudarem de vida. É uma incoerência pregar o evangelho de Cristo e vivê-lo muito mal. Os escribas e fariseus ensinavam muito bem, mas viviam muito mal. Que o Senhor nos livre de ser rancorosos. Sejamos amorosos. Vivamos a mensagem preciosa, incomparável e insubstituível do evangelho de Cristo, que é o poder de Deus para a salvação de todo o que crê (Rm 1.16), e que perdoa a ofensa. Que Deus, nosso Pai, tenha misericórdia de nós.

Pr. Oswaldo Luiz Gomes Jacob
Pastor da Segunda Igreja Batista em Barra Mansa – RJ
Colunista deste Portal
pitzerjacob@gmail.com

FONTE: ADIBERJ

 
Comentários desativados em Pastores Rancorosos

Publicado por em 23/10/2013 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,