RSS

Arquivo da tag: pastorear

People Don’t Want to Sit and Listen Anymore: 4 Ways to Connect With a New Generation

Most people who leave the church aren’t leaving God. Many of them are leaving the way we do church to try and find God.

Doing church together is an essential aspect of what it means to be a Christian. But church attendance rates keep dropping in most of the developed world. Why?

I often hear it’s because people aren’t as spiritually minded as they used to be. After all, if it’s not their fault, then some of it might be our fault. And that can’t be.

But the evidence doesn’t support that. In fact, it suggests that people’s spiritual hunger may be growing, not shrinking. Spiritually-themed books, movies, TV shows and blogs are having a major resurgence. Alternative spirituality is booming.

Spiritual hunger isn’t a cultural thing. That God-shaped hole is hard-wired into every one of us.

Church attendance isn’t down because people have stopped caring about spiritual things. It’s because we haven’t done such a great job at showing them how church attendance will help them answer that longing.

As the character, Amy Farrah Fowler, said on The Big Bang Theory, “I don’t object to the concept of a deity, but I am baffled by the notion of one who takes attendance.” No, we don’t take our lead from fictional characters on TV sitcoms. But is the person who wrote that line trying to tell us something?

Disconnect and Distrust

There’s not just a growing disconnect between spiritual hunger and church attendance; there’s a growing distrust in church leaders who pay too much attention to it.

To the average pastor, counting and promoting attendance numbers seems like good stewardship. To the average non-clergy, it feels more like ego. This is especially true among younger people—both Christian and not.

And they’re right.

No one cares about helping us reach our attendance goals. In fact, the more they hear about them, the less they trust that we have their best interests in mind.

As I wrote in The Grasshopper Myth and I tell my congregation regularly, God doesn’t take attendance. What we do after we leave church matters more to God than how we behave when we’re there—or how many people we jammed into the room at one time.

But we’re so ego-driven when it comes to church attendance, it’s become a running gag among ministers about how we count people. Thom Rainer even wrote a recent post about this, entitled “Five Ways to Avoid Lying About Church Attendance.” Yes, we need a list to help us stop doing that.

As Rainer wrote, “Sometimes church leaders lie about the weekly church attendance. Sometimes the lies are the result of an inflated ego where a leader gets his self-worth by leading a bigger church. Sometimes it’s the result of the sin of comparison with other leaders and other churches. Sometimes we rationalize it because our denominations or publications make such a big deal about it. In all cases, it’s wrong. Inflating attendance numbers is committing the sin of lying.”

The Shift

We used to be a society of clubs and groups. Fraternities, sororities, community service clubs, political parties, you name it. We loved meetings and the structure those meetings provided.

Not any more.

A recent article in FaithandLeadership.com titled RIP Average Attendance tells us about this change: “Average worship attendance was once such an important number. … Today that number means much less … The growing lack of dependability on attendance is a sign that the virtuous cycles that have sustained congregations since the end of World War II are collapsing.”

We no longer identify ourselves by clubs, groups or denominations. And we don’t like going to meetings, either.

More and more, people don’t think they count when the crowd is being counted. Every number may be a person, but people don’t want to be numbers. It makes them feel devalued and manipulated. More like a commodity than a person.

Coffee shops and restaurants are going back to calling people by name instead of saying “take a number.” Sure, the Starbucks barista may write your name wrong half the time, but even a wrong name is better than a number.

But the church keeps taking attendance. And telling pastors that increasing the number of those nameless, faceless people is the best proof that we’re doing our job well.

No one else is buying it.

Most people who leave the church aren’t leaving God. Many of them are leaving the way we do church to try and find God.

Doing Matters More Than Attending

So what can we do to inspire people to a greater spiritual commitment? Here are some starter ideas:

1. Give people the chance to make a difference.

If you think people today won’t commit to anything, check out a Breast Cancer Awareness March. The Susan G. Komen Foundation has helped people see a direct link between wearing pink while walking up to 60 miles together and funding breast cancer research. People want to make a difference, and the Komen Foundation has shown them how they can.

The church has a lot to learn from that. We haven’t done a good job at showing attenders why their presence matters. How it fills their spiritual hunger. And how they can leverage their time in church for the blessing and benefit of others.

2. Make the communication two-way as often as possible.

People want to be active participants, not just passive consumers. They want to talk with, not just be talked to. Even if it’s just the chance to tweet about the sermon. They want to know that their voice matters.

3. Tell stories more than statistics.

Let’s change from “we count people because people count” to “we tell stories because people matter.” For more on what that means and how to do it, check out Donald Miller’s blog. No one addresses this issue better than he does.

4. Make the connection for them.

People no longer see the connection between paying for a pastor’s salary or a church mortgage, and how that feeds the hungry or answers their spiritual longing. So we need to make that connection for them. If we can’t, maybe we should stop doing it.

The desire to make the shift from passive consumer to active participant is a good thing. Maybe not for a lot of our church mortgages or retirement plans. But for the church as a whole.

People don’t just want to sit and listen anymore. They want to learn, grow and take part. Let’s help them find what they’re looking for.

SOURCE: SERMON CENTRAL

 
Comentários desativados em People Don’t Want to Sit and Listen Anymore: 4 Ways to Connect With a New Generation

Publicado por em 06/05/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , , ,

15 Concerns in Children’s Ministries

Are the children in your church vulnerable in any of these ways?

Are the children in your church vulnerable in any of these ways?

Recently, I spent time with a church that is upgrading their children’s wing. In the midst of those discussions, we talked about some of the common problems our Lawless Group consulting team sees in a children’s ministry. Here are 15 of those problems:

1. Too little space—Because children are active learners, rooms should be large enough to allow children to move around. In fact, some experts recommend a minimum of 25-35 square feet per child in the room.

2. Poor security—In many cases, our “secret shopper” parents choose not to leave their children in childcare because workers are unprepared for guests, do not seek contact information, do not have secure rooms and/or have no clear drop off/pick up procedure.

3. Old furniture—Children deserve clean, modern furniture that fits their stature. Adult tables and chairs don’t work well in a children’s department.

4. “Big people” decorations—I’m still surprised when I see bulletin boards at adult eye levels, high school age-graded maps and pictures with only adults in a children’s classroom. Somebody is not thinking enough about the learners in the room.

5. Incomplete sanitization—Infection spreads quickly through church nurseries and preschools, often because workers do not take adequate precautions to prevent it. We encourage workers to wear gloves when changing diapers, sanitize toys after their use and wash their hands continually.

6. Uncovered outlets—The younger the child, the less he/she recognizes the danger of an electrical outlet. This danger is easily reduced with an inexpensive outlet cover.

7. Windowless doors—Replacing doors is not inexpensive, but classroom doors should have windows. This change will not eliminate the possibility of abuse, but we must take every precaution we can.

8. No background checks or interviews for leaders—Despite potential controversy for the church that has never taken this step, no one who has not passed a background check should be permitted to work with minors. We also encourage interviews and reference checks with potential workers.

9. Securing incomplete information—Securing the name of a child attending a class or program is only a start. Leaders and teachers also need to be aware of a child’s allergies (e.g., nuts), the parents’ contact information and location, etc.

10. Poor teaching—Teachers who only lecture should probably not be teaching in the children’s department. Good children’s teachers focus on active learning while deeply loving the children they teach.

11. Too few adults—This issue is a difficult one, especially as congregations struggle to secure volunteers. Nevertheless, the standard should be clear: The church will avoid any situation where one adult is left alone with minors.

12. Leaders untrained for emergencies—It’s great for churches to have members who are nurses or EMT’s on call, but children’s leaders should know how to respond to a choking child, do CPR, operate a fire extinguisher, respond to a tornado warning and lead a class to evacuate the building if necessary.

13. Only minors providing childcare—I affirm the commitment to get teens involved in the work of the church, but minors alone should not be providing care for other minors. Even the wisest, most mature teens are still minors themselves.

14. No hall monitoring—Our consultants watch to see if children wander alone in church hallways during small group or worship time. Sadly, many do. If our shoppers could gain unimpeded contact with children, so can others with less pure motives.

15. Children released on their own—No child (even the staff’s children) should be released after a class or service unless an adult—a properly identified adult—comes to get him/her. Uncontrolled drop off and release times can be chaotic … and dangerous.

God really does love the little children—and so should we. What other suggestions would you add to strengthen children’s ministries?

 
Comentários desativados em 15 Concerns in Children’s Ministries

Publicado por em 02/05/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,

12 Reasons Churches Don’t Practice Church Discipline

Reasons church leaders give for not practicing church discipline.

Reasons church leaders give for not practicing church discipline.

Some years ago, I conducted a study and wrote a book on membership classes in local churches. Many of those churches included teaching church covenants in their membership class, but they talked very little about church discipline. That is, they established expectations but did not always talk about accountability. Since then, I’ve conducted an ongoing informal survey to see why churches don’t do discipline. Here are the primary findings, in no particular order.

1. They don’t know the Bible’s teaching on discipline. I can only guess what percentage of regular attenders in evangelical churches even know that the Bible teaches the necessity of church discipline. This topic is one that some pastors choose to avoid.

2. They have never seen it done before. Some of the reticence to do church discipline is the result of ignorance. Frankly, I admit my own ignorance when I began serving as a pastor 30+ years ago. If you’ve never been part of a church that carried out discipline, it’s easy to let any of these following reasons halt the process.

3. They don’t want to appear judgmental. “Judge not, lest you be judged” takes precedence over any scripture that calls for discipline, especially in a culture where political correctness rules the day. Judging, it seems, is deemed an unchristian act.

4. The church has a wide-open front door. Church discipline is challenging to do if membership expectations are few; that is, it’s difficult to hold someone accountable to standards never stated in the first place. The easier it is to join the church, the harder it is to discipline people when necessary.

5. They have had a bad experience with discipline in the past. For those churches that have done discipline, the memories of poorly done discipline seem to last long. They remember confrontation, judgment, heartache and division—with apparently no attempt to produce repentance and reconciliation.

6. The church is afraid to open “Pandora’s box.” If they discipline one church member, they fear establishing a pattern that can’t be halted as long as human beings comprise their congregation. To put it another way, they wonder how many members will remain if they discipline every member with unrepentant sin.

7. They have no guidelines for discipline. For what sins is discipline necessary? At what point does church leadership choose to make public a private sin? Rather than wrestle with tough questions, many churches just ignore the topic.

8. They fear losing members (or dollars). We hope no congregation makes decisions based solely on attendance and income, but we know otherwise. Sometimes churches tolerate sin rather than risk decline.

9. Their Christianity is individualistic and privatized. Particularly in North America, believers often fail to understand the corporate nature of the church. We gather together on Sunday, but we do so while sharing life with no other believers. Discipline seldom happens if accountability doesn’t matter.

10. They fear being “legalistic.” Legalism can quickly become rules-centered bondage marked by joylessness. Church discipline assumes some standard to which believers are held accountable—and that standard can become legalistic if unchecked.

11. They hope transfer growth will fix the problem. Most churches are accustomed to members coming and going as congregations “swap sheep.” At times, a church is willing to confront a member in his sin—but only enough to encourage him to move his membership to the church down the road.

12. Leaders are sometimes dealing with their own sin. When church leaders are hiding their own sin, they’re less likely to engage others about their failures. To discipline others would be to bring conviction on oneself.

What have you seen? Why do churches not practice church discipline?

Chuck Lawless currently serves as Professor of Evangelism and Missions and Dean of Graduate Studies at Southeastern Seminary. You can connect with Dr. Lawless on Twitter @Clawlessjr and on at facebook.com/CLawless.
 
Comentários desativados em 12 Reasons Churches Don’t Practice Church Discipline

Publicado por em 30/04/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,

Estou cansado de religião!

del - homem cansado

Sim, estou cansado deste sistema religioso voltado para a centralidade do homem e a posição periférica de Deus Pai. Esgotado de cultos barulhentos, com músicas em ritmos acelerados, letras vazias de significado bíblico-teológico. Não se canta mais hinos com letras profundas, feitas por homens e mulheres que sofreram e que descansavam na fidelidade de Deus. Cultos à imagem do homem, especialmente dos líderes megalomaníacos, que apreciam o pódio e as bajulações. Enojado com a hipocrisia, a falsidade de homens e mulheres que usam da Palavra para falar ao povo. Temos tido encontros irracionais, pois a vida não corresponde, não é coerente com a presença e o caráter de Deus. Observamos ajuntamentos de pessoas com ressentimentos, invejas, discórdias, amarguras, vivendo na imoralidade, e outros sentimentos perniciosos e facciosos sem arrependimento. O Senhor não tolera a maldade com ajuntamento solene (Is 1.13). Estou cansado das conversas, da falta de reverência e da desatenção durante os cultos, especialmente na hora da pregação. Encontros movidos por interesses escusos e regado a teologia da prosperidade e manifestações esquisitas. O Senhor está farto de promessas, de copos com água a ser “ungida”, do vale de sal, dos saquinhos com terra de Israel e recipientes com água do rio Jordão. Por meio do profeta Isaias, o Senhor indaga: De que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios, diz o Senhor? Já estou farto dos holocaustos e carneiros e da gordura de animais nédios; e não folgo com o sangue de bezerros, nem de cordeiros, nem de bodes. (Is 1.11).

Estou farto de religião voltada para as práticas judaicas dentro de igrejas chamadas evangélicas. Fico exausto ao ver pastores trazendo festas judaicas para dentro dos templos, aliciando o povo, levando a congregação às práticas religiosas já superadas pela suficiência de Cristo Jesus revelada nas Escrituras. Estou cansado do uso indevido da Palavra na prática da teologia da prosperidade. Enojado de líderes que sacrificam o povo, usando-o como massa de manobra. Esses líderes utilizam seu “carisma” para ludibriar as gentes que entram e saem dos santuários. São artificiais, interesseiros e exploradores do povo. Conseguem tirar dinheiro dos incautos para satisfazerem seus mimos, luxos e manter seu alto padrão de vida. Líderes inescrupulosos utilizando seus impérios de comunicação, tecnologia e uma rede viciada para enganar as pessoas sofridas, que vão às suas igrejas buscando esperança para o seu desespero.

Cansado estou dos que usam a Bíblia como instrumento profissional e não como livro devocional. Que utilizam os textos fora do contexto como pretexto para amedrontar, produzir medo no povo, causar subserviência. É triste ver a utilização da Palavra de Deus como troca pela oferta e não como doação em amor. Encontro-me estafado vendo pregadores utilizando as Santas Escrituras de forma desrespeitosa, ensinando erradamente o povo. Usam a Bíblia como amuleto. As Escrituras foram transformadas em literatura comum, ordinária num contexto de gente religiosa, despida de temor e tremor diante do Espírito Santo que revelou a Palavra de Deus. A Bíblia se tornou um livro usado para apoiar práticas religiosas, sem vida. Pregadores que não têm formação adequada, não têm temor diante da Revelação. Há uma tradição religiosa – oral e escrita – que interpreta a Palavra de Deus. São as cartilhas dos líderes que são usadas para “interpretar” as Escrituras. Usam uma hermenêutica viciada, distorcida e enganosa, voltada para o apoio de suas práticas danosas. Não alimentam o povo e não o apascentam com ciência e inteligência (Jr 3.15).

Confesso de coração que estou cansado do sistema religioso que usa a oração como amuleto, como instrumento de petição e não de adoração e deleite em sua prática. O sistema religioso transformou a oração num instrumento que exige de Deus respostas imediatas. Que O coloca na parede. Não é uma oração de adoração, confissão, quebrantamento e intercessão misericordiosa, mas que se arroga em reivindicar de Deus bênçãos, prosperidade e curas. É a oração da troca e da determinação, que se paga para receber “bênçãos” do alto. Intercessão forte. Oração meritória e não de misericórdia. Sim, estou muito cansado de ver uma adulteração na vida de oração. Sabemos que na oração devemos pedir ao Senhor espírito de sabedoria e de discernimento (Ef 1.17). Orar não é barganhar, mas fazê-lo no espírito da vontade de Deus, que é boa, agradável e perfeita (Rm 12.1,2). Foi assim que o Senhor Jesus orou no Getsêmani (Mt 26.41). Estou cansado deste movimento religioso porque já fizeram uma separação de oração forte no monte e fraca fora do monte. Podemos notar claramente que há uma estratificação da oração. A religião tem transformado o monte em plataforma da “verdadeira” oração que “move” o coração de Deus.

Confesso mais uma vez que estou triste e muito cansado de religião, mas, por outro lado, desejando viver a cada dia no descanso do Evangelho genuíno, que é o poder de Deus para a salvação de todo o que crê (Rm 1.16). É este Evangelho que almejo viver e pregar. Este evangelho enseja a mensagem do Senhor ao Seu povo por meio do profeta Isaias: Lavai-vos e purificai-vos; tirai de diante de meus olhos as vossas obras más; parai de praticar o mal; aprendei a praticar o bem; buscai a justiça, acabai com a opressão, fazei justiça ao órfão, defendei a causa da viúva. Vinde e raciocinemos, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve, ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã.” (Is 1.16-18).

Aqui está a mensagem do Evangelho na contramão da religião.

Continuo cansado de religião que vive um relacionamento superficial e interesseiro. Formam-se grupos com objetivos comuns sem pensar na unidade da Igreja de Jesus. Sinto-me estafado com tanta hipocrisia, com a falta de sinceridade, maledicências, fofocas nos relacionamentos dentro da comunidade da graça. O Senhor abomina os que promovem discórdia entre os irmãos (Pv 6.19). Infelizmente temos na comunidade de Cristo pessoas voltadas para a satisfação dos seus caprichos carnais. A religião enfatiza coisas e não pessoas. Cargos e não cargas. Sentimento como padrão aferidor e não a Palavra de Deus revelada na História e em nossa experiência de conversão, de novo nascimento.

Estou cansado da religião de aparência e não do coração, do interior. Nos interesses pessoais e não do Corpo de Cristo. Vivemos um tempo de superficialidade sem precedentes. Há mais interação com as máquinas do que com as pessoas. Os relacionamentos têm sido descartáveis, pois obedecem ao principio do utilitarismo, de atender nossas razões e nossos interesses mais diversos, especialmente carnais. Sinto-me pesado com tanta maldade no coração das pessoas que se dizem crentes, mas que agem como incrédulos. Tanto julgamento temerário (Mt 7.1-5). É impressionante como a religião valoriza o exterior em detrimento do coração, das entranhas. Vivemos num tempo de ajuntamento solene sem vida e sem relacionamentos qualitativos.

Não tem havido profundidade nas relações fraternais. Temos nos tornado um bando de gente perdida nos próprios interesses. Estamos acorrentados aos padrões do mundo. Vivemos um tempo de individualismo. Raramente nos encontramos para olharmos nos olhos e falarmos a verdade em amor. Experimentamos um tempo de frieza espiritual e frieza emocional. Não temos tempo para nos importar com o nosso irmão e com o nosso próximo. Fazemos um reducionismo de nossos encontros ao templo, às reuniões formais. Perdemos o referencial de comunhão, fraternidade, desprendimento e liberalidade dos irmãos primitivos (At 2.42-47; 4.32-37).
Estou cansado de religião, pois não há desejo intenso de obedecer às orientações do Senhor Jesus. Temos respondido de forma negativa ao agravo; não amamos os nossos inimigos; não caminhamos a segunda milha; tornamo-nos insensíveis às necessidades do próximo; não abençoamos os que nos amaldiçoam; não oramos pelos que nos perseguem (Mt 5.38-48). Reagimos negativamente os que nos ofendem. Não temos paciência uns com os outros. Tornamo-nos monstros em nossas relações, pois as vivemos instintivamente.

Somos implacáveis com os que erram como se não errássemos também. Agimos sem graça e misericórdia. À semelhança dos escribas e fariseus, acusamos as pessoas com muita facilidade. Vemos os defeitos nas pessoas e nos esquecemos dos nossos. Há pouquíssima disposição em servir ao próximo. Não somos imitadores de Deus como filhos amados e não temos andado em amor como Cristo nos amou e a Si mesmo se entregou por nós como oferta e sacrifício a Deus com aroma suave (Ef 5.1,2).
Sim, estou cansado de religião sem vida, sem renuncia, sem misericórdia, sem paixão, sem dedicação, sem compromisso, sem coração aquecido e sem amor. Uma religião que não prioriza os valores do Reino de Deus. Que não age como o samaritano e não olha para Jesus, mas para o homem.

Descanso no Evangelho de Cristo que serve, socorre em amor, encoraja, levanta o abatido, alivia os cansados e oprimidos, renova as forças dos desvalidos, acolhe em amor o maltrapilho, vive com sinceridade, serve com o amor de Cristo Jesus, prega a verdade com intrepidez e ousadia, ora intensamente pelos perdidos, investe no Reino de Deus, não faz acepção de pessoas, vive a simplicidade do evangelho; busca a santificação sem a qual ninguém verá o Senhor; busca e nutre relacionamentos saudáveis; visita os órfãos, as viúvas, os doentes, os encarcerados e os pobres.

Descanso na diaconia do evangelho de Cristo. Recreia as minhas entranhas ver os crentes vivendo em profundo amor que tudo sofre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta, o amor que jamais acaba (1 Co 13.4-8). O evangelho de Cristo é o da Sua igreja. É o evangelho da comunhão, da fraternidade e da unidade em Cristo Jesus. É o evangelho de Cristo, que veio buscar e salvar o perdido para sair de uma vida solitária para uma vida solidária. É o evangelho da aceitação, do perdão e da festa para a Glória de Deus Pai (que é amor, 1 João 4.8), que nos ama com um amor furioso.

Pr. Oswaldo Luiz Gomes Jacob – um pastor paralímpico.
Pastor da Segunda Igreja Batista em Barra Mansa – RJ
Colunista deste Portal
pitzerjacob@gmail.com

FONTE: ADIBERJ

 
1 comentário

Publicado por em 24/04/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , , , , ,

Pastores que não tocam as pessoas

toqueHá elementos no ministério que não tocam as pessoas. São frios, insensíveis e burocratas. Afeitos mais à organização do que ao organismo, aos membros  do Corpo Vivo de Cristo. O apóstolo Pedro ensina que devemos pastorear, alimentar, apascentar o rebanho de Deus, cuidando dele não por obrigação, mas espontaneamente, segundo a vontade de Deus, nem por interesse em ganho ilícito, mas de boa vontade; nem como  dominadores dos que nos foram confiados, mas servindo de exemplo ao rebanho (1 Pe 5.1-3). Não é possível exercer o ministério pastoral sem os verbos orar, cuidar e pregar.

O ministério pastoral é vocação e não vacação. É o amor exercido com zelo e responsabilidade. Não é fonte de lucro, mas fonte de graça concedida pelo Senhor para servir em profunda compaixão. Pastorear não é mérito humano, mas um chamado de Deus pelo merecimento de Cristo Jesus. Paulo testemunha: Pela graça de Deus sou o que sou (1 Co 15.10). Eu não me chamo, mas é o Senhor que me convoca. Todo o mérito é de Cristo na Sua morte e na Sua ressurreição. O chamado para o ministério é atribuição do Senhor. O ministério não é meu, mas dEle. Sou apenas um servo inútil. Ele ordenou a Pedro: “apascenta as minhas ovelhas” (João 21.15-17).

Deus quer que toquemos as pessoas. Que as abracemos com respeito e pureza. Que sejamos sinceros com elas. O pastor é aquele que imita o Supremo Pastor, que deu a Sua vida por nós, Suas ovelhas. Que Ele nos livre de fazermos acepção de pessoas. A palavra do velho apóstolo Paulo aos pastores de Éfeso denota um compromisso inalienável com o chamado de Deus. Ele testemunha: “Mas em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que eu complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus (At  20.24).

Pastores amados, toquemos as ovelhas de Cristo Jesus. Oremos diariamente por elas. Que nós as sirvamos com amor, alegria, mansidão e humildade. Que o Senhor nos livre do orgulho que nos leva ao isolamento e a inacessibilidade, e nos dê a bênção de viver entre o Seu povo, tocando, orando, acompanhando, encorajando, consolando e alimentando na total dependência do Senhor. A suficiência para o pastoreio amoroso e empático vem do Senhor (2 Co 3.5). Sejamos ministros segundo o coração de Deus para apascentarmos o povo que Ele nos confiou por graça e misericórdia. Não nos esqueçamos: Toquemos as ovelhas de Cristo com o Seu amor derramado em nós  pelo Espírito Santo.

Pr. Oswaldo Luiz Gomes Jacob
Pastor da Segunda Igreja Batista em Barra Mansa – RJ
Colunista deste Portal
pitzerjacob@gmail.com

FONTE: ADIBERJ

 
Comentários desativados em Pastores que não tocam as pessoas

Publicado por em 08/04/2015 em POIMENIA

 

Tags: , ,

Você quer ser mãe ou apenas ter um bebê?

Reflita antes de engravidar e conheça a diferença entre ter um bebê e criar um filho.

mães modernas selfie.jpg

Há aproximadamente cinco anos escrevi um texto para a Revista do jornal O Globo chamado “Filho é para quem pode”. No texto, eu não fazia nenhum tipo de apologia contra a maternidade, apenas falava sobre a minha opção de não ter filhos, apesar de ser biologicamente saudável e do imenso amor que sinto pelas crianças.

Não imaginava que o assunto fosse um tremendo tabu e pudesse gerar tanta polêmica.

Em dois dias, mais de duzentos e-mails entupiram minha caixa de entrada. A grande maioria deles era de mulheres me agradecendo por ter tomado a iniciativa de falar abertamente sobre o tema – muitas delas relatavam que estavam levando o texto dentro de suas bolsas para ler para amigos e familiares quando se sentiam pressionadas. Já outras preferiram me agredir, dizendo que eu devia ser mal comida, mal amada, que devia ter o útero seco, que devia ter uma péssima mãe, que devia ser proibida de escrever essas bobagens num grande veículo, etc, etc, etc.

Eu poderia ter me dado ao trabalho de dizer que nenhuma das afirmações era correta, que minha mãe é maravilhosa, que tenho um homem incrível ao meu lado há mais de dez anos que me devota amor e me come deliciosamente, que sou plenamente saudável e questioná-las sobre a liberdade de escolha, mas para quê?

LEIA MAIS AQUI

FONTE: OBVIOUS

 
Comentários desativados em Você quer ser mãe ou apenas ter um bebê?

Publicado por em 27/02/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , , , , ,

O papa Francisco revisa a teologia do inferno

infernoA Igreja oficial defende desde o século XV que o castigo do inferno destinado aos pecadores é “eterno”, ideia iniciada no século VI com Santo Agostinho. O papa Francisco acaba de revisar tal doutrina católica ao afirmar que a Igreja “não condena para sempre”.

Sem necessidade de grandes encíclicas, com suas falas habituais, Francisco está realizando uma revisão da Igreja para aproximá-la de suas raízes históricas.

Deu o último golpe de graça em um momento um pouco mais solene do que suas conversas habituais com os jornalistas. Dessa vez aproveitou, dias atrás, seu discurso aos novos cardeais para recordar-lhes que o castigo do inferno com o qual a Igreja atormenta os fiéis não é “eterno”.

Segundo Francisco, no DNA da Igreja de Cristo, não existe um castigo para sempre, sem retorno, inapelável.

O Papa jesuíta é formado em teologia, ainda que não tenha feito o doutorado. Dele, talvez hoje o papa renunciante e doutor em teologia, Bento XVI, possa dizer o que afirmava sobre seu antecessor, o papa polonês João Paulo II: que sabe pouca teologia.

Durante um jantar informal em Roma, na casa de um jornalista alemão seu amigo, Ratzinger confessou, efetivamente, aos poucos comensais presentes, que o papa Wojtyla “era mais poeta que teólogo” e que ele, como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, cargo que ocupava na época, precisava revisar seus discursos e documentos papais para que não escapasse “alguma imprecisão teológica”.

Francisco é, entretanto, um fiel seguidor da teologia inspirada no cristianismo original, que era, afirma ele, não o da “exclusão”, mas o da “acolhida” de todos, até mesmo dos maiores pecadores.

LEIA MAIS AQUI

 
Comentários desativados em O papa Francisco revisa a teologia do inferno

Publicado por em 25/02/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , , ,