RSS

Arquivo da tag: papa

Papa: “Prefiro o pecador ao corrupto”

Bergoglio afirma que é um “pecado gravíssimo” usar Deus para acobertar a injustiça

O Papa, em reunião ‘ad limina’, com bispos ucranianos. / EFE

O Papa Francisco disse que, quem vai à missa todos os domingos, comunga, dá esmolas e inclusive envia um cheque para ajudar a Igreja, mas depois paga mal seus empregados ou o faz informalmente, sem depositar a contribuição para que tenham acesso à saúde e à aposentadoria, está usando “Deus para acobertar a injustiça: e isso é um pecado gravíssimo”. Durante sua homilia matutina na residência de Santa Marta, Jorge Mario Bergoglio alertou os presentes que a Quaresma — o tempo litúrgico no qual os cristãos se preparam para a Páscoa — não consiste em “não comer carne às sextas-feiras, fazer qualquer coisinha, e depois fomentar o egoísmo, a exploração do próximo, ignorar os pobres; não é bom cristão aquele que não faz justiça com as pessoas que dependem dele”.

Não é a primeira vez que Bergoglio avisa que tem marcados os fariseus do século XXI. No começo de novembro de 2013, Francisco utilizou duas intervenções sucessivas — uma na missa de Santa Marta e outra na praça de São Pedro — para destacar os corruptos que pretendem lavar sua alma dando dinheiro à Igreja. “Talvez comecem com um pequeno envelope, mas isso são como as drogas: o hábito do suborno se transforma em um vício”, disse durante a homilia. “Dão de comer aos seus filhos pão sujo! E seus filhos, talvez educados em colégios caros e ambientes cultos, terão recebido do pai a sujeira como comida, porque seu pai, levando o pão sujo para casa, terá perdido a dignidade! E isso é um pecado grave! Porque talvez comece com uma pequena mordida, mas é como a droga!”.

LEIA MAIS AQUI

 
Comentários desativados em Papa: “Prefiro o pecador ao corrupto”

Publicado por em 26/02/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,

O papa Francisco revisa a teologia do inferno

infernoA Igreja oficial defende desde o século XV que o castigo do inferno destinado aos pecadores é “eterno”, ideia iniciada no século VI com Santo Agostinho. O papa Francisco acaba de revisar tal doutrina católica ao afirmar que a Igreja “não condena para sempre”.

Sem necessidade de grandes encíclicas, com suas falas habituais, Francisco está realizando uma revisão da Igreja para aproximá-la de suas raízes históricas.

Deu o último golpe de graça em um momento um pouco mais solene do que suas conversas habituais com os jornalistas. Dessa vez aproveitou, dias atrás, seu discurso aos novos cardeais para recordar-lhes que o castigo do inferno com o qual a Igreja atormenta os fiéis não é “eterno”.

Segundo Francisco, no DNA da Igreja de Cristo, não existe um castigo para sempre, sem retorno, inapelável.

O Papa jesuíta é formado em teologia, ainda que não tenha feito o doutorado. Dele, talvez hoje o papa renunciante e doutor em teologia, Bento XVI, possa dizer o que afirmava sobre seu antecessor, o papa polonês João Paulo II: que sabe pouca teologia.

Durante um jantar informal em Roma, na casa de um jornalista alemão seu amigo, Ratzinger confessou, efetivamente, aos poucos comensais presentes, que o papa Wojtyla “era mais poeta que teólogo” e que ele, como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, cargo que ocupava na época, precisava revisar seus discursos e documentos papais para que não escapasse “alguma imprecisão teológica”.

Francisco é, entretanto, um fiel seguidor da teologia inspirada no cristianismo original, que era, afirma ele, não o da “exclusão”, mas o da “acolhida” de todos, até mesmo dos maiores pecadores.

LEIA MAIS AQUI

 
Comentários desativados em O papa Francisco revisa a teologia do inferno

Publicado por em 25/02/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , , ,