RSS

Arquivo da tag: ministério

A batalha de Spurgeon contra a depressão

A DEPRESSÃO DE SPURGEONVocê vê a glória de Deus no sol? A batalha de Spurgeon contra a depressão

Tudo começou quando ele tinha 24 anos de idade. Era o ano de 1858, e Charles Spurgeon mais tarde recordou, “meu ânimo estava tão abatido, que eu poderia chorar durante toda uma hora, como uma criança, e ainda assim não saberia por que chorava”.

Spurgeon batalhou contra uma “depressão sem causa” toda sua vida. Essa “falta de esperança sem forma, indefinida, que a tudo obscurece”, ele escreve, “não pode ser entendida”. Lutar contra esse tipo de depressão, ele disse, é tão difícil quanto lutar contra a névoa.

Mas Spurgeon batalhou contra ela — com a fé. LEIA +

FONTE: VOLTEMOS AO EVANGELHO

Anúncios
 
Comentários desativados em A batalha de Spurgeon contra a depressão

Publicado por em 13/11/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,

4 Realities to Help Discern a Vocational Call to Ministry

“In fact, I’ve several times in my call sensed God was even giving me freedom to choose where I served.”

“In fact, I’ve several times in my call sensed God was even giving me freedom to choose where I served.”

Discerning a call to vocational ministry can be a tiring and trying experience.

I’ve had the privilege of speaking with numerous young people and couples who are possibly experiencing a call to full-time, vocational missions or ministry. They don’t always know what they are supposed to do — usually not — but they know their vocation is to be a part of the mission of Christ.

Talking with people at this stage of life is one of my favorite things to do. It fuels me in ministry to help others process their call.

Having also wrestled through this issue years ago with two teenage sons makes this something very personal to me. Obviously I have my own experience in this area of wrestling through a call to vocational ministry. My wrestling was a 10 year process.

The counsel I gave my boys came to me suddenly one day. I’m not pretending it was inspired, but it certainly is a product of my personal experience and time spent with God struggling through this issue. I’ve used this teaching many times since then.

Basically I like to help people understand that the “call”, in my understanding, is not a call to a group of people or a geographic location as much as it is to a person; the person of Jesus Christ.

That’s important, because a lot of times someone begins to sense a calling after a mission trip to a certain area and feel as if that is the place they must go to serve God. That may be the place God wants to use them, but it could be that God just wants their availability, right where they are or elsewhere and God used the specific place to stir their heart towards serving vocationally.

I’m not saying He doesn’t send people to specific places or groups of people, but I do believe He reserves the right to change that at any time, because ultimately a person is called into a relationship with God first and a location second. In fact, I’ve several times in my call sensed God was even giving me freedom to choose where I served

After establishing that the ultimate call is to the person of Christ, I share a few principles. These are actually realities — based on my experience — of the vocational call. These won’t make the decision for the person. I can’t do that. They are intended to help someone think through their calling. The person who is sensing a call can often begin to discern that this IS the call based on the way they respond to these four words.

Four realities of call of God on a person’s life is:

Irresistible

You can’t refuse this kind of call and still live at peace with God. He will still love you. You may even be successful in what you are doing, but something will always eat at you until you surrender to this type of call. (Think of Jonah on the boat, attempting to run from God — even before the storm came.) That was the case in my situation. As much as I wanted success in business — and I had some — none of that brought me peace until I surrendered to God’s will for my life.

Irreplaceable

Nothing else will satisfy a person like this call. Nothing will fill that void — that emptiness. If God’s greatest desire for a person’s life on whom He places the “call”. I found no real joy in my work, until I was serving in the career choice God wanted me to serve.

Irrevocable

God doesn’t take this call away from a person once He has placed it on their life. At times, especially when things are stressful in ministry, I have glanced at other opportunities, but I know I cannot go backwards from this call God has placed on my life. I may serve Him in a number of capacities and places over the years — I believe that could even be in business if He chose that. It doesn’t necessarily have to be as a pastor or in a local church — but I know one decision in my vocational career is solved — I work for Him. My end “product” of my life is advancing His mission — not mine.

Immediate

The call of God on a person’s life begins at the moment of the call. Often people want to get the right degree or start drawing a paycheck before they live out the call God has placed on their life. I don’t believe that’s the call. The call is to “Go” and the time is NOW. (Jesus taught this reality in Matthew 8.) That doesn’t mean the person shouldn’t gain education, experience, or even a paycheck, but if a person has received a call from God on their life the time to get started doing something towards that call is now! When I realized a vocational call to ministry was being placed on my life, I started immediately; with no promise of income or position. I simply started serving people. Opportunities and specific assignments quickly followed.

Are you feeling those four words heavy on your heart? Perhaps God is trying to get your attention.

For a Biblical example of this type calling which includes each of these four points, read Jonah’s story again.

Have you wrestled or are you wrestling through a vocational call to ministry? What was your experience?

Ron Edmondson is a pastor and church leader passionate about planting churches, helping established churches thrive, and assisting pastors and those in ministry think through leadership, strategy and life. Ron has over 20 years business experience, mostly as a self-employed business owner, and he’s been helping church grow vocationally for over 10 years.More from Ron Edmondson or visit Ron at http://www.ronedmondson.com/

 
Comentários desativados em 4 Realities to Help Discern a Vocational Call to Ministry

Publicado por em 04/05/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , ,

Desculpe-me, mas sou um péssimo pastor…

CHICCO - FOTINHO NO LONATTO - RECORTE2

…porque eu não vou mudar a minha voz para que você sinta segurança, achando que tenho alguma autoridade, quando eu falar;

…porque eu não vou pensar por você para facilitar sua jornada espiritual;

…porque eu não vou falar mais alto do que você precisa para ouvir;

…porque eu não vou lhe ensinar a determinar ou dar ordens ao Pai, como um filho mimado o faz;

…porque eu não lhe dizer que você é um vencedor quando o a sua espiritualidade está falida;

…porque eu não vou lhe ensinar a temer a Deus mais do que a amá-lo;

…porque eu não lhe direi que você é especial simplesmente por estar frequentando uma Igreja;

…porque eu não alimentarei o seu ego pregando somente as coisas que você gosta de ouvir;

…porque eu não lhe ensinarei a ser próspero a qualquer custo enquanto o mundo morre de fome;

…porque eu não lhe ensinarei a mover as mãos de Deus através de uma oferta sacrificial;

…porque eu não lhe direi que Deus me revelou algo que não está no texto, somente para fazer a mensagem melhor para você;

…porque eu não lhe direi que você não pode beber, se tatuar, ouvir músicas que não tocam na Igreja somente para facilitar o meu pastoreio;

…porque eu não vou lhe ensinar que a igreja de quatro paredes é a casa de Deus;

…porque eu não vou lhe ensinar que se você entregar o dízimo sua responsabilidade com os necessitados estará cumprida;

…porque eu não vou transformar a reunião do culto numa rave para que você fique atraído pelo ambiente;

…porque eu não vou lhe ensinar a marchar por Jesus, enquanto Ele quer que marchemos pelo próximo;

…porque eu não lhe darei uma lista do que pode ou do que não pode para você farisaicamente siga um mandamento no lugar de um Deus;

…porque eu não lhe ensinarei que há um Diabo maior do que a Bíblia conta somente para você poder colocar em alguém a sua culpa;

…porque eu não lhe ocultarei os meus erros para você pensar que é liderado por alguém melhor que você;

…porque eu não vou falar em nenhuma outra língua além da que você consegue compreender;

…porque eu não lhe tratarei melhor por causa do carro que você anda, da roupa que você veste ou do dinheiro que você põe no gazofilácio.

Dentre muitas outras coisas que poderia dizer: fique certo: sou um péssimo pastor.

 
Comentários desativados em Desculpe-me, mas sou um péssimo pastor…

Publicado por em 09/12/2013 em POIMENIA

 

Tags: , , , , , ,

6 Reasons Not to Abandon Expository Preaching – Don Carson

Puritan theologian William Perkins wrote that preaching “has four great principles: to read the text distinctly, from canonical Scripture; to give it sense and understanding according to the Scripture itself; to collect a few profitable points of doctrine out of its natural sense; and to apply, if you have the gift, the doctrines to the life and manner of men in a simple and plain speech.”

There is something refreshingly simple about that description. Our aim as preachers is not to be the most erudite scholar of the age. Our aim is not to titillate and amuse. Our aim is not to build a big church.

preach-word

Our aim is to take the sacred text, explain what it means, tie it to other scriptures so people can see the whole a little better, and apply it to life so it bites and heals, instructs, and edifies. What better way to accomplish this end than through expository preaching?

Benefits of Exposition

Some use the category “expository preaching” for all preaching that is faithful to Scripture. I distinguish expository preaching from topical preaching, textual preaching, and others, for the expository sermon must be controlled by a Scripture text or texts. Expository preaching emerges directly and demonstrably from a passage or passages of Scripture.

There are a number of reasons why expository preaching deserves to be our primary method of proclamation.

1. It is the method least likely to stray from Scripture.

If you are preaching on what the Bible says about self-esteem, for example, undoubtedly you can find some useful insights. But even when you say entirely true things, you will likely abstract them from the Bible’s central story line. Expository preaching keeps you to the main thing.

2. It teaches people how to read their Bibles.

Especially if you’re preaching a long passage, expository preaching teaches people how to think through a passage, how to understand and apply God’s Word to their lives.

3. It gives confidence to the preacher and authorizes the sermon.

If you are faithful to the text, you are certain your message is God’s message. Regardless of what is going on in the church—whether it is growing or whether people like you—you know you are proclaiming God’s truth. That is wonderfully freeing.

4. It meets the need for relevance without letting the clamor for relevance dictate the message.

All true preaching is properly applied. That is of extraordinary importance in our generation. But expository preaching keeps the eternal central to the discussion.

5. It forces the preacher to handle the tough questions.

You start working through text after text, and soon you hit passages on divorce, on homosexuality, on women in ministry, and you have to deal with the text.

6. It enables the preacher to expound systematically the whole counsel of God. 

In the last 15 years of his life, John Calvin expounded Genesis, Deuteronomy, Judges, Job, some psalms, 1 and 2 Samuel, 1 Kings, the major and minor prophets, the Gospels in a harmony, Acts, 1 and 2 Corinthians, Galatians, Ephesians, 1 and 2 Thessalonians, and the pastoral epistles.

I’m not suggesting we organize ourselves exactly the same way. But if we are to preach the whole counsel of God, we must teach the whole Bible. Other sermonic structures have their merits, but none offers our congregations more, week after week, than careful, faithful exposition of the Word of God.

Editors’ Note: This article originally appeared in the summer 1996 issue of Leadership Journal. You can access hundreds of Carson articles, lectures, and sermons in the TGC Resource Database.

Don Carson is research professor of New Testament at Trinity Evangelical Divinity School in Deerfield,

 

Fonte: THE GOSPEL COALITION

 
Comentários desativados em 6 Reasons Not to Abandon Expository Preaching – Don Carson

Publicado por em 11/11/2013 em POIMENIA

 

Tags: , , , , , , , , ,

10 Ways Pastors Fail Their People

Laura Lezza/14.01.2012/Getty Images

The God who called us into His service and sent us into the pastoral ministry has a vested interest in seeing that we do it right and well. The fact that we are all over the map–as opposed to the strait and narrow–and disorganized in our approach–as opposed to a sharp focus–lies at our doorstep and not His.

That God would want to use flawed and faltering creatures like us says volumes about His grace and mercy.

We are burdened for the younger generation of pastors coming along who are still trying to find their proper role, still trying to nail down their identity as pastors, and still trying to fine-tune the focus of their life-work.

This list of “10 ways pastors fail their people” is all about how my generation got it wrong. Not entirely, of course. But way too much.

In no particular order, they are:

1. We have led our people to believe that when they are happy with our ministry, all is well in the church.

The problem is our myopia. We see so little of the grand work of God, often only our tiny little speck of it. And if it is troubled with dissension and division, we know all is not well. So, when people are satisfied and compliments are flowing in, it’s natural to assume we must be doing well.

Consequently, we have churches filled with worshipers who believe that when they issue the pastor a passing grade on his Sunday sermon or feel good about the state of the church, they have done their job. We have raised a generation of pastor critics.

2. We have taught our people that giving to missions is more important than praying for missions.

The problem is our results-orientation. We can measure money, but who can measure prayer? We can announce we have met our goal for this offering, but we have no discernable way of detecting whether sufficient prayer has been offered for the work in Borneo or Malawi. So, we emphasize one and neglect the other.

We have raised a generation that does everything about missions except to pray.

3. We have allowed the congregation to delegate their mission to us the professionals.

The problem is laziness–theirs and ours.

The great commission–Matthew 28:18-20’s word to “go therefore and make disciples”–was given, not to the preachers, but to every disciple of the Lord Jesus. And yet, as far as the congregation is concerned, that’s the job of the ministry team, the evangelists, and the missionaries. They’ll even kick in money to pay salaries for these specially-called soldiers of the cross to do the work. Anything to keep from their having to obey the Lord.

And because we the ministers are lazy, we prefer not to resist the congregation in this and simply take the path of least resistance: we hire another staffer and tell him to reach the lost and unchurched.

We have raised a generation of pew potatoes–groan, sorry!–who do little and would be surprised to learn this is not the original plan.

4. The congregation has adopted the football coach pattern of leadership–if things aren’t going well, fire the old guy and bring in a new one–while we have stood by and cooperated with it.

The problem is our worldly template for greatness.

It happens just often enough to encourage the stereotype. A church gets rid of the old pastor and brings in a new one, and within a year, it’s bursting at the seams and making plans for new facilities. Other churches see this happening and grow antsy at their lack of growth, and so begin to pressure the preacher. Soon, they are firing him and looking for the next “star” on the ministerial horizon.

We have raised a generation of church members to sit as boards of directors in the Kingdom, not as laborers in the vineyard.

5. We have told our people to pray and then not shown them how or kept it before them.

The problem is we cannot say “this one thing I do” (Philippians 3:13). We try to do it all. So, we bring a sermon one Sunday on prayer, the next Sunday on stewardship, then on world missions, Bible study, racial justice, and so forth. No one area gets sufficient treatment. Our coverage is a mile wide and an inch deep.

The problem, I expect, is also prayerless preachers. If I’m not doing it, I’m sure not going to be able to encourage you in it.

We have raised a generation of prayerless, powerless warriors.

6. We have catered to their prejudices and ignored their idolatries.

The problem is our provincialism. In one area, high school football is ‘god,’ and everyone (including the churches) must organize their schedules around it. In another area, it’s community festivals or civic pageants or pro sports or the social calendar. One dares not speak out from the pulpit against the excesses and abuses of these idolatries, not if he wants to remain popular in the community or even keep his job.

Some areas of the country are still diseased with racism. Others have compromised their integrity by a marriage of the church with politics.

I pastored in the Mississippi Delta in the late 1960s–at the very place where the White Citizens Councils were formed and at the very time Martin Luther King was assassinated–and found out all too quickly that church leaders grow most uncomfortable when the pastor takes a stand on racial issues. I did it anyway, you might be interested to know. My only regret is not doing it even more forcefully than I did.

We have raised a generation who expect and even demand that the pastor respect the sensibilities of the locals and tailor the gospel to fit the situation.

7. We have smiled at their ignorance of the Word and done little to remedy it.

The problem is sin. Even though the Holy Spirit within us reaches out for the Word and our spirit feeds upon it, our “old man” resists picking up the Bible during the week and making a serious study of it. So, the typical church member ignores his Bible all week, then searches it out on Sunday morning in time to take it along to church.

We have placed Bibles in the pews since fewer and fewer of our people bring them to church.

Preaching from the Bible is easy enough. But preaching and teaching so as to make faithful Bible students of our people is another matter altogether.

We have raised a generation of flabby believers who “befriend” Jesus but hardly know Him.

8. We have given lip service to the presence of the Lord in our midst and ignored Him.

The problem is our traditions, our ruts. Used to the same order of worship all the time, we find it easier to insert a few hymns here and a solo there, a prayer here and the offering there, and the sermon here, and go forward. Too bad if the Spirit has other plans for the day.

We say all the right things about the Lord being in the midst of even two or three disciples (Matthew 18:20), but for the most part, we act as though that is some kind of spiritual principle but not an actual reality.

We have raised a generation of practicing atheists.

9. We have put our continued employment above faithfulness to the living God.

The problem is our selfishness. We have to pay our bills and send our children to school. And we do. And so, we allow ourselves to curb our enthusiasm for the cutting edge of the gospel lest people of affluence and influence be disturbed and take their support elsewhere.

You can understand why the Apostle Paul said it’s better for such a servant of the Lord to remain unmarried (I Corinthians 7:8ff). If they get crossways with worldly leadership in the church and find themselves jobless, it’s a lot simpler to load up the car and move on to the next town.

We have raised a generation to “keep” the preacher, almost as a lap dog. (I say to our shame.)

What is the answer? A rich relative, maybe. (another smiley face goes here) The answer is for pastors and spouses to accept when they enter the ministry that courageous leadership may well mean they will be asked to leave a church, and so to be prepared for all eventualities.

10. We have exchanged pleasing the Savior for compliments from the people.

The problem is our egos. We do like to be popular.

How did the Apostle Paul put it to young Pastor Timothy? For the time will come when they will not endure sound doctrine, but according to their own desires, because they have itching ears, they will heap up for themselves teachers, and they will turn their ears away from the truth and be turned aside to fables. (II Tim. 4:3-4)

It’s not clear from the Greek text, however, whether it’s the congregation with the itching ears or the preachers. I suspect one is as bad as the other.

We have raised a generation of self-absorbed members who are preached to and ministered to by self-absorbed preachers.

Sorry to be so negative. It’s no fun, I’ll tell you. Perhaps that’s one more way we fail: we want to be positive because it’s easier, more fun to do, and more pleasant to receive.

Medical doctors would love to deliver nothing but good news. But in a real world, that’s not possible.

When you entered the ministry, young pastor, you did not win a final battle with the world and its ways. You merely armored up for that fight. The struggle goes on all your days. Only at last when the Father calls your name and you step across that final line, only then will the warfare with the world and its standards, its seduction, and its promises, finally end.

Until then, with your eyes on the Savior, your face in the Book, your heart pure from all that would pollute it, and your love for the people of God constant, keep telling yourself, “One more day. I will be faithful this day.”

And on some of those days, God will do amazing things. But He will not tell you in advance which days they are.

 

After five years as Director of Missions for the 100 Southern Baptist churches of metro New Orleans, Joe retired on June 1, 2009. These days, he has an office at the First Baptist Church of Kenner where he’s working on three books, and he’s trying to accept every speaking/preaching invitation that comes his way. He loves to do revivals, prayer conferences, deacon training, leadership banquets, and such. Usually, he’s working on some cartooning project for the denomination or some agency.

Source: CHURCH LEADERS

 
Comentários desativados em 10 Ways Pastors Fail Their People

Publicado por em 11/03/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , , , , , ,

Competência no Ministério

Competência no Ministério

 Tal é a confiança que temos diante de Deus, por meio de Cristo. Não que possamos reivindicar qualquer coisa com base em nossos próprios méritos, mas a nossa capacidade vem de Deus. Ele nos capacitou para sermos ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do Espírito; pois a letra mata, mas o Espírito vivifica. (2Co 3.4-6)

O ministério do evangelho é como o desfile vitorioso de Cristo diante do mundo (2.4). Através dele Deus espalha o conhecimento de seu Filho como uma fragrância. É um aroma muito atrativo para aqueles que creem, mas um cheiro da morte para aqueles que rejeitam a mensagem. A pregação do evangelho, portanto, é um acontecimento momentoso. Contudo, o ministério não é exaurido pela pregação, mas é um estilo de vida que se esforça por levar avante o evangelho em todos os lugares e estabelecer o reino dos céus em todos os corações.

Ainda que todos os cristãos devam participar disso, ele é claramente uma ocupação diferente de qualquer outra. Como Paulo disse: “Mas quem está capacitado para tanto?” A resposta é que ninguém está capacitado para tal tarefa em si mesmo, mas um crente pode tornar-se competente no ministério do evangelho quando Deus o ensina e capacita. Nossa passagem oferece os seguintes pontos como guia para o nosso pensamento.

A competência é relevante. Algumas pessoas se convencem de que ações espirituais são somente éticas, de tal modo que as qualidades essenciais do servo de Deus consistem de santidade, sinceridade, zelo e coisas semelhantes. Ainda que essas sejam cruciais, sem as quais alguém seria barrado para o ministério, a competência também é uma qualidade necessária, e não deixar de ser espiritual considerar isso. Um ministro competente executa a sua obra com excelência, e ao longo de uma vida de santidade e uma atitude de caridade, e traz honra ao Senhor Jesus Cristo.

A competência é demonstrada pelo poder divino, e não pela aprovação humana. Deus endossa uma pessoa e a sua obra com o selo do Espírito Santo. Uma das coisas mais difíceis de se fazer no ministério é convencer os crentes a pararem de pensar como o mundo. Uma das razões é que eles continuam de amores com o mundo e se agarram a tudo que se refere a ele com uma obstinação sobre-humana. A outra razão é o mesmo é verdade com a maioria dos ministros, de modo que existem muito poucos que saibam falar sobre isso.

Paulo escreve: “Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente” (Rm 12.2). Isso se aplica à competência no ministério. Para o mundo, a competência não vem do dom divino, mas de formação institucional. Ela é vista não na vida e obra de alguém, mas num diploma. O mundo acha que o importante não é o que você sabe, mas quem você conhece. Não o quanto você estudou, mas onde você estudou. Admitidamente, até alguns descrentes não têm adotado inteiramente essa maneira de pensar. Mas ela é muito comum entre os crentes. A Bíblia não ensina isso; eles aprenderam do mundo.

Quando esse tipo de pensamento é trazido da sociedade não cristã para a cultura cristã, o produto é como a hipocrisia assassina dos fariseus incompetentes. Eles tinham todas as credenciais e autorizações humanas, mas isso nada tinha a ver com Deus e a sua verdade – eles estavam alicerçados em um acordo de mútuo louvor. Então, quando um homem apareceu para expô-los, os fariseus o mataram. Vou chamar você de o Rei Netuno – e emitir um certificado para ser exibido – desde que você me chame de o Mestre de Júpiter. É assim que o mundo funciona, e a igreja segue o seu exemplo. Mas Netuno não é seu, a menos que Deus lhe conceda. O meu certificado nada significa, mesmo que você produzisse algum tipo de teste para eu realizar a fim de obtê-lo. Você não passou no teste de Deus.

Os coríntios eram atormentados por falsos mestres e falsos apóstolos, que aparentemente tentavam solapar Paulo criticando-o de um ponto de vista humano. Provavelmente diziam que Paulo não era suficientemente brando. Que lhe faltava carisma, presença e força. E que ele não tinha as cartas de recomendação apropriadas. Um aceno de cabeça do irritado Elias é mais valioso que qualquer graduação em seminário ou certificado de ordenação, ou uma carta de recomendação da parte de algum pastor célebre. Elias enfrentou centenas de falsos profetas e manejou o próprio poder do céu, enquanto doutor fulano de tal se curva diante da sogra em nome do amor cristão. Quando iremos parar de cobiçar louvores sem valor? E até Elias tinha as suas faltas.

De qualquer modo, Paulo ensina os coríntios a parar de julgar segundo os parâmetros do mundo. Ele sem dúvida tem uma carta de recomendação – os coríntios convertidos era a sua carta da parte de Cristo. Não foi escrita com tinta, mas com o Espírito de Deus, e não em tábuas de pedra, mas em tábuas de corações humanos (3.3). Ainda que os coríntios tivessem muito o que melhorar, o ministério do apóstolo efetuou neles genuína e permanente mudança, algo que não poderia ser operado pelo poder humano. Essa carta não vem de instituição ou autoridade humanas, e nem está sujeita a autoridade do homem. O homem não tem o poder de produzir e nem de a tornar nula. O próprio Espírito Santo a autorizou. Isso ele fez de acordo com a sua própria vontade, porque ninguém poderia ter lhe forçado a mão. E ninguém a poderia ter escrito ou imprimido – ela foi escrita nos corações humanos pelo poder divino.

Competência é um dom de Deus. Paulo demonstra verdadeira competência no ministério, mas a fonte de sua competência não está nele mesmo. Ele explica: “Não que sejamos competentes em nós mesmos para afirmar qualquer coisa por nós mesmos, mas a nossa competência vem de Deus”. E novamente: “a nossa competência vem de Deus”. O fator decisivo está sempre além da contribuição do homem. Mesmo se Deus usar homens para conferir essa competência, nenhum treinamento ou endosso humanos podem conferir o poder e efeito do céu que o ministério do evangelho requer. Deus usa homens para pregar o evangelho, mas ninguém crê a menos que o Espírito Santo aja diretamente nos corações daqueles que ouvem a mensagem. Da mesma forma, no treinamento e aperfeiçoamento de ministros do evangelho, existe com frequência – nem sempre – algum envolvimento humano, mas nenhum homem pode capacitar outro homem nas coisas espirituais. A competência vem de Deus.

Esse é um tema recorrente nas cartas de Paulo. Ele quer ensinar aos seus leitores uma nova maneira de pensar, uma maneira que esteja de acordo com os poderes celestiais, e não com os padrões do mundo. Dessa forma, ele escreve antes: “De fato, já tínhamos sobre nós a sentença de morte, para que não confiássemos em nós mesmos, mas em Deus que ressuscita dos mortos (1.9). Então em 4.7: “Mas temos esse tesouro em vasos de barro, para mostrar que este poder que a tudo excede provem de Deus, e não de nós”. E há a passagem familiar: “Portanto eu me gloriarei ainda mais nas minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim. Por isso, por amor de Cristo, regozijo-me nas fraquezas, nos insultos nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco é que sou forte” (12.9 e 10).

Ele está ciente de como o mundo pensa: “Não temos a pretensão de nos igualar ou nos comparar com alguns que se recomendam a si mesmos. Quando eles se medem e se comparam consigo mesmos, agem sem entendimento” (10.12). Essa crítica é importante pois ainda é a forma como os cristãos pensam e julgam a competência em si mesmos e nos outros. Paulo diria a eles: “Vocês observam apenas a aparência das coisas” (10.7). Isso é o que ele quer dizer quando escreve, “pois, embora vivamos como homens, não lutamos segundo os padrões humanos. As armas com as quais lutamos não são humanas; ao contrário são poderosas em Deus para destruir fortalezas” (10.3 e 4). Ele não está se referindo às armas espirituais em algum sentido místico, mas está fazendo um contraste com “os padrões deste mundo” (v. 2). Ironicamente, os crentes muitas vezes usam os padrões deste mundo para avaliar a competência no uso das armas espirituais! O apóstolo força uma grande mudança em nosso pensamento.

A competência é uma base para a confiança. É possível um cristão saber se ele é competente e reconhecer isso. Não há nada de errado com ele se for preciso e realista quanto às suas habilidades. A humildade não consiste em negar a competência, mas no admitir que ela vem de Deus e que outras pessoas também a podem possuir pela graça dele.

Existem aquele que pensam que qualquer reconhecimento de competência tem as suas raízes no orgulho, e que a magnitude da arrogância está em proporção direta com a magnitude da reivindicação. Contudo, isso sugere que eles associam a competência apenas consigo mesmos, que eles pensam que nós somos sempre a fonte da nossa competência, de modo que a competência seja sempre para o nosso louvor. Assim, em realidade, é a atitude deles que brota da arrogância e do egocentrismo. Isso é o que os falsos mestres e falsos apóstolos fazem, como mencionado nas cartas de Paulo. Eles se medem por si mesmos, e então se gloriam quanto a si mesmos.

Aqueles que se gloriam sobre si mesmos geralmente se revestem de uma aparência de humildade. Visto que a confiança deles está baseada na opinião que eles têm de si mesmos, e visto que o mais iludido egomaníaco se dá conta que ele tem limites, essas pessoas reconhecem os seus limites. Mas o que eles pensam que têm, eles pensam que o têm por si mesmos. O que acontece quando alguém mais confiante aparece? Eles pensam que deve ser porque tal pessoa acha que tem mais em si mesmo e por si mesmo. Assim, nesse modo de pensar, uma falta de confiança se torna um sinal de humildade e a coragem se torna um sinal de arrogância. Não é possível alguém ser confiante porque confia nos ilimitados recursos de Deus e em sua graça para o socorrer em tempo de necessidade? Mas eles não pensam assim, pois agem pelos padrões do mundo, e Deus tem pouquíssimo espaço no pensamento deles.

Existe uma glorificação apropriada que equivale a um ato de adoração e ministério, e é a seguinte: ostentar-se sobre o poder e a graça de Jesus Cristo, não à parte de nós, mas em nós e por nós. Essa maneira de pensar se aplica à teologia como um todo, desde a justificação pela fé até à competência no ministério. Nada somos em nós mesmos, mas não somos deixados sozinhos. Jesus Cristo está conosco pelo seu Espírito. Ele nos faz ministros competentes da nova aliança. Isso honra as grandíssimas e preciosas promessas do evangelho, e nos salva do orgulho e da falsa humildade.

Fonte: http://www.vincentcheung.com/

Tradução: Claudino Batista Marra (marrajunior1@hotmail.com).

Fonte: MONERGISMO

 
1 comentário

Publicado por em 09/03/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , ,

Ministros de Saia

Raramente os crentes lutam em batalhas estratégicas. Quando são provocados, por vezes lutam bem e de forma efetiva em escaramuças táticas, mas não são bem sucedidos fora desse seu campo tático. Quando algum abuso não pode mais ser ignorado, podem se juntar à batalha e o ultraje é contra-atacado. Mas quase nenhum crente vê um padrão nessa confusão geral. Poucos generais podem ficar sobre uma montanha e considerar todos os movimentos de sua tropa.

Em nossas batalhas culturais, e em vista de tudo isso, é que a questão de mulheres no púlpito, ou no conselho de presbíteros, tem sido tratada como temos visto – de maneira ineficaz. Muita gente boa tem se dedicado a lutar contra isso como se fosse uma questão puramente tática. Mas não é. No corrente clima de incredulidade, a exegese correta do ensino de Paulo sobre o papel da mulher na igreja jamais irá solucionar qualquer coisa.

As palavras parecem suficientemente claras. “A mulher aprenda em silêncio, com toda a submissão. E não permito que a mulher ensine, nem exerça autoridade de homem; esteja, porém, em silêncio. Porque primeiro foi formado Adão, depois Eva. E Adão não foi iludido, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão. Todavia, será preservada através de sua missão de mãe, se ela permanecer em fé, e amor e santificação, com bom senso” (I Tim. 2: 11-15). Mas aqui está a questão: as palavras são simples somente para aqueles que querem que elas sejam simples. Para os de má vontade, a passagem é cheia de mistérios.

Por ser a mulher a glória do homem, a esposa deveria ir para a congregação local com a cabeça coberta pelo cabelo; a glória de uma mulher humilde. E por que isso tem de ser assim? “Porque o homem não foi feito da mulher; e sim, a mulher do homem. Porque também o homem não foi criado por causa da mulher; e, sim, a mulher, por causa do homem” (I Cor. 11: 8-9). Isso pode magoar a todos nós nesta época moderna, mas tal ensino de maneira nenhuma pode ser conciliado com qualquer tipo de feminismo. Mas para aqueles, na igreja, que querem manter algum tipo de diálogo com o feminismo, as palavras apresentam um caminho exegético cheio de obstáculos. Como podemos conservar a redação desse texto, permanecendo evangélicos, e ao mesmo tempo contornar o que ele diz, e assim ficar na crista da onda teológica? Temos que olhar para o original grego!

Mas a existência do debate dentro da igreja nos fala muito mais da sujeira de nossos corações do que da obscuridade de qualquer texto. Aqueles cristãos que realmente enxergam o que estas passagens dizem freqüentemente serão arrastados para um debate tático por crerem, tolamente, que seus oponentes aceitam a autoridade do texto. Mas este não é o caso, em absoluto. As feministas evangélicas não aceitam a autoridade (patriarcal) do texto; elas estão simplesmente naquele estágio inicial de subversão onde o desafio aberto seria contraproducente aos seus propósitos.

Então, qual é a nossa posição estratégica? Como é que este debate conseguiu atenção e credibilidade? Por que há tal interesse nos meios evangélicos em admitir mulheres na liderança da igreja? A resposta é que, não é que não queiramos liderança feminina; o fato é que queremos mais liderança feminina. Os homens em nossos púlpitos por muitos anos têm, provisoriamente, sido mulheres; quando se tem o pedido de trazer para dentro a coisa de forma realista, com base em que princípio será negado este pedido? Não podemos dizer que temos de ter masculinidade no púlpito, porque não temos isso agora.

Por bem mais de um século na igreja americana, as normas de espiritualidade foram os padrões estabelecidos por um feminismo vitoriano adocicado. No início do século dezenove, como duas multidões convergindo numa encruzilhada tranqüila, duas revoluções se fundiram para produzir este efeito e nós ainda não recuperamos qualquer entendimento do que era a vida na igreja antes disso nos ter acontecido.

A primeira foi a ascensão de um feminismo sentimental e doméstico. Por causa da Revolução Industrial o papel da mulher na América estava no centro da economia. As mulheres administravam o lar, produziam o tecido, processavam a comida, alimentavam a família toda, etc. Porém, com a ascensão da riqueza industrializada, o papel da mulher mudou de produtora para consumidora. As mulheres foram, com efeito, desestabilizadas – e tornaram-se decorativas. As mulheres de classe média se tornaram uma nova classe do lazer, com dinheiro para gastar, e tempo para preencher. E uma das coisas que começaram a fazer foi escrever e ler romances tolos.

O segundo fator foi a revolta sentimental dos ministros contra a rígida teologia calvinista. O sistema calvinista mais antigo era tido como austero e duro (e na cultura Yankee da Nova Inglaterra realmente era). Esta revolta teve manifestações tanto na ala direita como na ala esquerda. Os anticalvinistas da ala esquerda eram Unitarianos, e tomaram Harvard em 1805. Os anticalvinistas de direita eram os reavivalistas tipificados por líderes como Charles Finney, que estavam grandemente inchados por um espírito humanista democrático que todos eles pensavam ser o Espírito Santo.

Tudo isso ocorreu no período em que as igrejas da Nova Inglaterra estavam perdendo o patrocínio dos fundos vindos de impostos. Mais importante do que a perda do dinheiro dos impostos, no entanto, era o fato de que estes clérigos congregacionais, há muito já acostumados com o seu papel, como parte central da igreja oficial, flagraram-se de fora, tendo agora que competir por paroquianos da mesma forma que os humildes batistas e os metodistas desbravadores das fronteiras do Mississipi tinham de fazer.

As mulheres que tinham tempo à disposição se prestaram prontamente como audiência para estes ministros, e os ministros anticalvinistas providenciaram um evangelho sentimental apropriado para as mulheres acostumadas a sua diversão literária feminizada. Assim, foi formada uma aliança entre o clero e as mulheres, e uma nova norma espiritual foi estabelecida dentro da igreja.

Todos estes desdobramentos, em grande parte centrados na Nova Inglaterra, não foram seguidos em sua maior parte pelo Sul, mais conservador e agrário. Mas o novo regime de feminização chegou também à igreja do Sul. A guerra entre os estados virtualmente dizimou a liderança masculina forte do Sul. Os homens já não lideravam mais, pois estavam mortos. Desde aquele tempo (exagerando só de leve) as igrejas do Sul têm sido dirigidas por três mulheres e um pastor.

A literatura do século dezenove não foi reticente em propagar esta nova visão sentimental do Evangelho. Nestas histórias vemos um regime de ferro de domesticidade – gostos e valores femininos são postos como o padrão de piedade e como uma influência regeneradora genuína. O homem não regenerado da história era sábio aos olhos do mundo, é claro, e um tipo rico e imoral, a menos que ele se converta a……. a o quê? Até que ele fosse convertido e tivesse a visão dela, e viesse se aconchegar no evangelho de aura feminina.

Estamos tão atordoados que os “valores tradicionais” cristãos correntes estão na verdade reeditando e circulando tal xaropada do século dezenove como se representasse uma visão bíblica do mundo. Mas Elsie Dinsmore[1] não representa nada do gênero. Ela simplesmente adota uma forma primitiva de feminismo, e os conservadores que aclamam a piedade dela revelam que não sabem o que aconteceu à igreja. Outro exemplo é o ancestral de nosso abobado bracelete WWJD[2] – aquele livro intitulado Em Seus Passos. Esse livro em muitos aspectos era típico do gênero; a influência divina é mediada através de uma mulher. Homens podem ser convertidos ao ouvirem uma voz bonita. Isso me lembra do tempo no campo quando éramos entretidos na capela por um grupo visitante de adoráveis mulheres cantando. Quando o apelo foi feito, um pobre marinheiro totalmente reavivado, foi à frente pulando por cima dos bancos.

Como resultado de todos estes fatores, um padrão de piedade feminina foi aceito como normativo na igreja, como o padrão para todos os santos, tanto homens como mulheres. O clero, tentando viver à altura da sua reputação como sendo o terceiro sexo, lutou poderosamente para ser o que precisava ser a fim de manter este padrão. Mas poderiam tentar o que quisessem, homens não conseguem ser mulheres. Não importa o quanto tentem, os seus esforços são inúteis. A pressão então passa a ser de dar lugar àqueles que conseguem ser femininos na liderança de maneira mais convincente: mulheres. Quando os padrões de liderança cristã são todos femininos, os indivíduos obviamente mais qualificados para serem líderes cristãos são as mulheres. Isto traz um dilema: por que deveríamos excluir as mulheres da liderança quando elas são tão obviamente qualificadas para o que chamamos de liderança? Neste ponto dividimos, com alguns querendo que elas sejam incluídas, e outros conservadores relutantes admitindo que mulheres poderiam se sair tão bem quanto ou até melhor, mas ainda assim temos de nos submeter a este pronunciamento arbitrário de Paulo. Por enquanto.

Quando se entende o pano de fundo, muitas coisas a respeito da igreja contemporânea se explicam. Explica-se por que os Promise Keepers, um movimento de renovação masculina, facilmente virou em sentimentalismo bobo e choroso. Explica-se por que os ministros não podem pregar sobre determinados assuntos de púlpito. Explica-se por que os cristãos não conseguem falar claramente o porquê de as mulheres no combate serem uma abominação. Explica-se por que as virtudes masculinas de coragem, iniciativa, responsabilidade e força estão em baixa. Não podemos resistir à tentação de deixar mulheres bonitas nos liderarem pela simples razão de sermos correntemente liderados por homens bonitinhos.

Então, uma batalha aqui ou ali sobre o papel da mulher na igreja jamais irá resolver qualquer coisa. É por isso que este debate em particular, ou aquela controvérsia em particular sempre terminarão, mais uma vez, de maneira estéril, com a causa das feministas um pouco mais avançada. O padrão se repetirá vez por vez até que os conservadores finalmente se retraiam. Eles têm de se retrair porque a oposição feminista é consistente e hábil para apelar para presunções e pressuposições compartilhadas. Até que isto mude nada de significativo irá mudar. E quando mudar veremos que se entrou numa batalha estratégica.

Não falhamos porque nossas habilidades exegéticas estão enferrujadas. Falhamos porque esquecemos até de como deve ser a piedade masculina. Quando ela ocasionalmente aparece em nosso meio, somos totalmente desconcertados por ela. Deus, entretanto, deu o padrão de piedade feminina para complementar e não para dominar. A liderança foi dada aos homens. Quando tal liderança é desafiada, tudo fica desconexo, e nada, a não ser o arrependimento, pode colocar as coisas no seu devido lugar.

Como exemplo final, de muitas formas, considere as tentativas evangélicas do ano passado de amaciar a Bíblia para que se torne mais macia e delicada. O leitor pode se lembrar que a situação foi uma tentativa do pessoal da Nova Versão Internacional de alterar a linguagem das Escrituras – consertando alguns daqueles pontos problemáticos que incomodam. Quando o plano veio a público, houve um levante de protestos de todo lado. E a batalha tática foi vencida pelos mocinhos…. por enquanto.

Mas com respeito às questões subjacentes, nada mudou. Com respeito às pressões culturais que contribuem para isso, nada mudou. Com respeito ao estado da igreja, nada mudou. Então, quando consideramos tudo isso, e a condição da igreja moderna, realmente não há razão para objeções a qualquer uma das modificações na NIV (Nova Versão Internacional). Não há realmente nenhuma razão para se opor à mulher nos púlpitos de igrejas evangélicas.

Isso porque o evangelicalismo moderno tem sido castrado em termos do pacto por bem mais de cem anos. Está na hora “H” para ajuntarem alguns ministros, e uma Bíblia, e enfrentarem sua condição efeminada.

 

 [1] Piedosa personagem cristã, heroína piegas de uma série de romances juvenis sentimentalóides escritos por Martha Finley (1828-1909) ambientados no Sul dos EUA. Estima-se que tenha vendido mais de cinco milhões de exemplares entre 1868 e 1939.

[2] WWJD é o acrônimo para What Would Jesus Do? (Que Faria Jesus?) usado em braceletes, bonés, camisetas, etc. modismo/movimento desencadeado pela nova edição contextualizada do livro Em Seus Passos Que Faria Jesus? escrita por Garret Sheldon, bisneto do autor original, Charles Sheldon.

Fonte:  Credenda Agenda – Agenda, “Things to Be Done” Volume 11/ Número 2

Fonte: MONERGISMO

 
Comentários desativados em Ministros de Saia

Publicado por em 03/03/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,