RSS

Arquivo da tag: islamismo

Rick Warren Interview on Muslims, Evangelism & Missions (Responding to Recent News Reports)

Rick Warren Clarifies His Stance on Muslims, Evangelism, and MissionsOnce again, watchbloggers are accusing Rick Warren of heresy. Why? Because, Warren explains, a secular Orange County newspaper got something wrong about a religious issue. Some of the usual bloggers have done their usual job.

However, due to the nature of the story, some mainstream news organizations and bloggers, without the constant anti-Warren agenda, were asking questions and wondering what what was going on. I was. So, I emailed Rick and asked him.

Rick sent me this interview where he seeks to bring clarification. He gave me permission to share it here at the blog. I think it will be helpful.

Furthermore, it is important to note that secular newspapers do not get the nuance we often use in evangelical Christianity. However, when we read well-known Christian leaders quoted as saying something in a local paper that seems out of character or contrary to their views over many decades, perhaps we might give that person the benefit of the doubt.

I am sure those who quoted the OC Register will also quote this to clear up any confusion.

Here in the interview Rick sent me:

QUESTION: Do people of other religions worship the same God as Christians?
WARREN: Of course not. Christians have a view of God that is unique. We believe Jesus is God! We believe God is a Trinity: Father, Son, and Holy Spirit. Not 3 separate gods but one God. No other faith believes Jesus is God. My God is Jesus. The belief in God as a Trinity is the foundational difference between Christians and everyone else. There are 2.1 billion people who call themselves Christians… whether Catholic, Orthodox, Protestant, Pentecostal, or Evangelical… and they all have the doctrine of the Trinity in common. Hindus, Muslims, Jehovah’s Witnesses, Christian Science, Unitarians, and everyone else do not accept what Jesus taught about the Trinity.

QUESTION: A recent newspaper article claimed you believe Christians and Muslims worship the same God, that you are “in partnership” with a mosque, and that you both agreed to “not evangelize each other.” You immediately posted a brief refutation online. Can you expand on that?

WARREN: Sure. All three of those statements are flat out wrong. Those statements were made by a reporter, not by me. I did not say them … I do not believe them… I completely disagree with them … and no one even talked to me about that article! So let me address each one individually: First, as I’ve already said, Christians have a fundamentally different view of God than Muslims. We worship Jesus as God. Muslims don’t. Our God is Jesus, not Allah. Colossians 2:9 “For in Christ dwells all the fullness of the Godhead bodily.” Second, while we urge our members to build friendships with everyone in our community, including Muslims and other faiths, (“Love your neighbor as yourself”), our church has never had any partnership with a mosque. Friendship and partnership are two very different levels of commitment. Some of our members have hosted a Bible study with Muslim friends, which I applaud, but I’ve never been to it, and a Bible study certainly isn’t any kind of partnership or merger! It’s just crazy that a simple Bible Study where people explore Scripture with non-Christians would be reported as a partnership and others would interpret that as a plan for a new compromised religion. Just crazy! Third, as both an Evangelical and as an evangelist, anyone who knows me and my 40 year track record of ministry that I would never agree to “not evangelizing” anyone! I am commanded by my Savior to share the Good News with all people everywhere, all the time, in every way possible! Anyone who’s heard me teach knows that my heart beats for bringing others to Jesus.

QUESTION: That same article mentioned that you ate an Iftar dinner with Orange County Muslims. What is that all about?

WARREN: It’s called being polite, and a good neighbor. For years, we have invited Muslim friends to attend our Easter and Christmas services, and they have graciously attended year after year. Some have even celebrated our family’s personal Christmas service in our home. So when they have a potluck when their month of fasting ends, we go to their party. It’s a Jesus thing. The Pharisees criticized him as “the friend of sinners” because Jesus ate dinner with people they disapproved of. By the way, one of my dear friends is a Jewish Rabbi and my family has celebrated Passover at his home, and he attends our Christmas and Easter services. I wish more Christians would reach out in love like Jesus.

QUESTION: Why do you think people who call themselves Christians sometimes say the most hateful things about Muslims?

WARREN: Well, some of those folks probably aren’t really Christians. 1 John 4:20 says, “If anyone says, ‘I love God,’ yet hates his brother, he is a liar. For anyone who does not love his brother, whom he has seen, cannot love God, whom he has not seen.” And 1 John 2:9 says “Anyone who claims to be in the light but hates his brother is still in the darkness.” I am not allowed by Jesus to hate anyone. Our culture has accepted two huge lies: The first is that if you disagree with someone’s lifestyle, you must fear them or hate them. The second is that to love someone means you agree with everything they believe or do. Both are nonsense. You don’t have to compromise convictions to be compassionate.

QUESTION: Let’s talk about evangelism. In the past 10 years, Saddleback Church has baptized over 24,000 new believers. No other church comes close to that record. You are likely the most evangelistic church in America. What’s the key?

WARREN: We are willing to do what many other churches are unwilling to do. We are willing to go beyond our comfort zone.

QUESTION: For instance?

WARREN: Because Jesus commanded us to take the Gospel to everyone, I spend much of my time with groups of people who completely disagree with what I believe. I’m constantly trying to build a bridge of love to nonbelievers, to atheists, to gays, to those I disagree with politically, and to those of other faiths. We don’t wait for these people to come to church; we go to them and share with them on their turf, not ours. Every member is a minister and a missionary. Saddleback was a missional church 30 years before the term became popular. We just called it being “purpose driven”

QUESTION: “Building a bridge” sounds like compromise to many people.

WARREN: Building a bridge has nothing to do with compromising your beliefs. It’s all about your behavior and your attitude toward them. It’s about genuinely loving people. People don’t care how much you know until they know how much you care. Before people ask “Is Jesus credible?” they want to know if you are credible. Before people trust Jesus they must trust you. You cannot enemies to Christ, only your friends. It’s part of what Paul calls “the ministry of reconciliation.” It is Christlike to treat people with dignity and listen to them with respect…

QUESTION: What is the PEACE Center?

WARREN: Based on Jesus’ instructions in Acts 1:8, we practice the PEACE Plan in three dimensions: PERSONAL PEACE – my ministry to those closest to me; LOCAL PEACE -our congregation’s ministry to our community; and GLOBAL PEACE – serving other local churches around the world as those congregations do their own local PEACE. The PEACE Center is the building on our church campus that houses about three dozen of our 300 ministries to the community. It offers our food bank, job training, family counseling, legal aid, car repair, tutoring, English as a second language, legal immigration assistance, and many other ministries.

QUESTION: I read an article that claimed you were building a PEACE Center to bring Muslims and Christians together in peace.

WARREN: It was the writer’s mistake. He got two different stories confused. Our recently opened PEACE Center, on the Saddleback Church campus has NOTHING …zero… to do with our Muslim friends.

This is an example of why I always doubt what I read in newspapers and blogs about ministries. Secular reporters trying to cover churches and theological issues often get it wrong . But then Christian bloggers, instead of contacting the ministry, blindly believe, quote and repost the errors made by secular reporters. Then those errors become permanent, searchable, and global on the Internet. I couldn’t count the number of times a secular reporter has gotten a story about Saddleback wrong but then it is perpetuated by Christians who never fact-check. And the three factors I mentioned about the Internet make it impossible to correct all the misperceptions, and outright lies that get repeated over and over…

QUESTION: What is the goal of your ministry?

WARREN: To know Christ and make Him known! To live out Jesus’ Great Commandment and Great Commission! In fact, this has been the motto of Saddleback Church since we started it in 1980: “A great commitment to the Great Commandment and the Great Commission will grow a great church.” Everything we do comes out of these two great texts. God’s five eternal purposes for both our lives and the church proceed from these verses. The Purpose Driven Church and The Purpose Driven Life explain this in detail….

QUESTION: Are you promoting Chrislam?

WARREN: Of course not. It’s the lie that won’t die. No matter how many times we refute it and correct that lie, people keep passing it on as truth. Jesus is the only way to salvation. Period. If I didn’t believe that, I’d get into much easier line of work! But I do believe that everybody needs Jesus and I am willing to put up with false statements and misunderstandings in order to get the Gospel out.

Update: The full Warren interview, developed with Brandon Cox and Alex Murashko, is now online at Pastors.com and the Christian Post and, it is my understanding, has also been sent out to the Saddleback church family.

Source: ED STETZER

Anúncios
 
Comentários desativados em Rick Warren Interview on Muslims, Evangelism & Missions (Responding to Recent News Reports)

Publicado por em 08/03/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , , , , , ,

Famoso jurista afirma que a mídia secular brasileira ignora casos de “Cristofobia”

Famoso jurista afirma que a mídia secular brasileira ignora casos de “Cristofobia”

Em um artigo escrito para o Jornal do Brasil, o jurista Ives Gandra da Silva Martins afirmou que a mídia ignora ou dá pouco destaque à perseguição de cristãos nos países de maioria muçulmana.

Usando como base um artigo escrito por Ayaan Hirsi Ali, publicado na revista Newsweek, o jurista afirma que o Brasil é um país modelo, por respeitar a liberdade religiosa e de crença, “inclusive aqueles que negam todos os credos”.

Falando sobre o destaque que a mídia brasileira dá a casos de agressões a homossexuais, o jurista reclama que quando matam cristãos nos países islâmicos, a informação é divulgada sem alarde: “Ocorre, todavia, que as notícias sobre esta “Cristofobia islâmica” são desconhecidas no país, com notas reduzidas sobre atentados contra os cristãos, nos principais jornais que aqui circulam. Um homossexual agredido é manchete de qualquer jornal brasileiro. Já a morte de dezenas de cristãos, em virtude de atos de violência planejados, como expressão de anticristianismo, é solenemente ignorada pela imprensa”.

O renomado jurista Ives Gandra da Silva Martins comenta o artigo de Ayaan, ressaltando o relato de que ao menos 24 cristãos foram mortos em uma igreja incendiada no Egito em 2011, e que na Nigéria, no dia de Natal, dezenas de cristãos foram assassinados ou feridos, além de outros casos de perseguição.

Confira abaixo a íntegra do artigo “O Crescimento da Cristofobia”, publicado no Jornal do Brasil:

Ayaan Hirsi Ali publicou na revista Newsweek, de 13 de fevereiro passado, artigo fartamente documentado sobre a guerra que os países islâmicos estão desencadeando contra os cristãos, atingindo sua liberdade de consciência,  proibindo-os de manifestarem sua fé e assassinando quem a professa individualmente ou mediante atentados a Igrejas ou locais onde se reúnam.

Lembra que ao menos 24 cristãos foram mortos pelo exército egípcio, em 9 de outubro de 2011; que, no Cairo, no dia 5 de março do mesmo ano, uma igreja foi incendiada, com inúmeros mortos; que, na Nigéria, no dia de Natal de 2011, dezenas de cristãos foram assassinados ou feridos, e que no Paquistão, na Índia e em outros países de minoria cristã a perseguição contra os que acreditam em Cristo tem crescido consideravelmente. Declara a autora que “os ataques terroristas contra cristãos na África, Oriente próximo e Ásia cresceram 309% de 2003 a 2010”. E conclui seu artigo afirmando que, no Ocidente, “em vez de criarem-se histórias fantasiosas sobre uma pretensa “islamofobia”, deveriam tomar uma posição real contra a “Cristofobia”, que principia a se infestar no mundo islâmico. “Tolerância é para todos, exceto para os intolerantes”.

Entre as sugestões que apresenta, está o Ocidente condicionar seu auxílio humanitário, social e econômico a que a tolerância para com os que professam a fé cristã seja também respeitada, como se respeita, na maioria dos países ocidentais a fé islâmica.

Entendo ser o Brasil, neste particular, um país modelo. Respeitamos todos os credos, inclusive aqueles que negam todos os credos, pois a liberdade de expressão é cláusula pétrea na nossa Constituição.

Ocorre, todavia, que as notícias sobre esta “Cristofobia islâmica” são desconhecidas no país, com notas reduzidas sobre atentados contra os cristãos, nos principais jornais que aqui circulam. Um homossexual agredido é manchete de qualquer jornal brasileiro. Já a morte de dezenas de cristãos, em virtude de atos de violência planejados, como expressão de anticristianismo, é solenemente ignorada pela imprensa.

Quando da Hégira, em 622, Maomé lançou o movimento islâmico, que levou à invasão da Europa em 711 com a intenção de eliminar todos os infiéis ao profeta de Alá. Até sua expulsão de Granada — creio que em 1492 — os mulçumanos europeus foram se adaptando à convivência com os cristãos, sendo que a filosofia árabe e católica dos séculos 12 e 13 convergiram, fascinantemente. Filósofos de expressão, como Santo Tomas de Aquino, Bernardo de Claraval, Abelardo, Avicena, Averróes, Alfa-rabi, demonstraram a possibilidade de convivência entre credos e culturas diferentes.

Infelizmente, aquilo que se considerava ultrapassado reaparece em atos terroristas, que não dignificam a natureza humana e separam os homens, que deveriam unir-se na busca de um mundo melhor. Creio que a solução apresentada por Ayaan Hirsi Ali é a melhor forma de combater preconceitos, perseguições e atentados terroristas, ou seja, condicionar ajuda, até mesmo humanitária, ao respeito a todos os credos religiosos (ou à falta deles), como forma de convivência pacífica entre os homens. É a melhor forma de não se incubarem ovos de serpentes, prodigalizando auxílios que possam se voltar contra os benfeitores.

Fonte: Gospel+

 
Comentários desativados em Famoso jurista afirma que a mídia secular brasileira ignora casos de “Cristofobia”

Publicado por em 25/02/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , ,

Muçulmanos se recusam a enfrentar gays em liga amadora da França

15:55 | 06 de Outubro de 2009

PARIS, França (AFP) – Uma equipe de futebol amador formada por muçulmanos praticantes se recusou a enfrentar um time de homossexuais, que pediu sanções às autoridades esportivas.

O time Créteil Bébel devia enfrentar domingo passado o Paris Foot Gay (PFG) em jogo válido por uma liga amadora.

Porém, na véspera do jogo, o PFG recebeu um e-mail do Créteil Bébel avisando que, “devido ao nome de seu time e em virtude dos princípios de nossa equipe, não podemos enfrentá-los”.

“Nossas convicções são muito mais importantes que um simples jogo de futebol. Mais uma vez, pedimos desculpas por informá-los da nossa decisão em cima da hora”, finalizou o Créteil Bébel.

O PFG denunciou a decisão homofóbica. As autoridades esportivas às quais são subordinadas as duas equipes devem se reunir a 13 de outubro para emitir um parecer sobre o caso.

A prefeitura de Paris, dirigida pelo socialista Bertrand Delanoë, que foi um dos primeiros políticos franceses a “sair do armário” em 1998, reafirmou seu “apoio ao Paris Foot Gay em sua luta contra a homofobia e pela superação dos preconceitos, sejam eles culturais, sociais ou sexuais”.

Segundo o presidente do PFG, Pascal Brethes, o clube é “uma associação que luta contra a homofobia no futebol”, e aberta tanto aos heterossexuais como aos homossexuais.

“O time é formado por brancos, negros e árabes, de todas as religiões”, destacou Brethes.

O presidente do Créteil Bébel, Zahir Belgharbi, explicou à AFP que o problema é o nome do PFG, e não o fato que a equipe tenha jogadores homossexuais.

“Não sou homofóbico nem integrista. Não me importo de jogar contra gays, mas não quero enfrentar um clube que tenha um nome desses”, explicou.

“Nós fizemos esforços para ficar neutros. Não escolhemos o nome de Islâmico Futebol Clube, por exemplo. Então porque outros têm de aparecer como os porta-bandeiras de uma ideologia?”, perguntou.

Copyright © AFP. Nenhuma das informações contidas neste servidor pode ser reproduzida, seja a que título for, sem o acordo prévio da Agence France-Presse.

Fonte: VEJA

 
Comentários desativados em Muçulmanos se recusam a enfrentar gays em liga amadora da França

Publicado por em 06/10/2009 em POIMENIA

 

Tags: ,

Lixeiros cristãos

Rodrigo Farah
No Cairo (Egito)

Uma vida no lixo. As crianças brincam em montanhas de entulho, e as mulheres dormem sobre restos de sujeira com odores repugnantes. Estes são os costumes dos Zabaleen, comunidade cristã responsável pela coleta dos detritos no Cairo. Em tempos de euforia pelo Mundial sub-20, a “Cidade do Lixo”, lar dos catadores, vê o torneio com uma perspectiva bem diferente e se afasta da animação dos demais egípcios em torno do evento.

À MARGEM DO MUNDIAL

  • Rodrigo Farah/UOLCriança brinca na que é chamada Cidade do Lixo, lar dos catadores
  • Rodrigo Farah/UOLOs Zabaleens não saem de sua rotina na sujeira, catando lixo

Enquanto a maioria muçulmana do país segue empolgada e lota os estádios para assistir à seleção local, os Zabaleens não saem de sua rotina na sujeira. No discurso, todos dizem ser grandes fãs do futebol. Mas na prática os guardiões do lixo do Cairo ficam à margem do que acontece dentro das quatro linhas e do campeonato em geral. A ordem dentro da comunidade é seguir com a coleta e não desviar o foco do trabalho.

Localizada na base das montanhas de Moqatam, nos arredores da capital do Egito, a “Cidade do Lixo” concentra grande parte dos 400 mil Zabaleens. A 20 minutos de distância do Estádio Internacional do Cairo, os catadores levam uma vida fechada, sem grande interferência de visitantes.

Mercadoria valiosa para os catadores, o lixo integra todos os momentos da vida dos Zabaleens. Serve como brinquedo para os mais novos, como decoração das casas, como alimento para os animais. E, é claro, como a principal fonte de renda da população.

Mas as condições precárias e o estilo de vida chocante para a maioria não são vistos como algo ruim pelos Zabaleens. Muito pelo contrário. É sua identidade e é desta maneira que eles gostam de viver. Tanto, que até mesmo aqueles que prosperam com o lixo não deixam a comunidade por nada e não hesitam ao desfilar seus carros importados e outros pertences no meio da pobreza dos demais.

Esse estilo recluso se espalha para os outros setores da vida dos lixeiros. E é justamente por isso que eles seguem sem interesse pelo Mundial sub-20, na contramão dos demais egípcios. Apesar de também gostarem do futebol, os Zabaleens preferem seguir fechados em seu mundo, sem dar importância ao torneio disputado a alguns quilômetros de sua cidade.

“A maioria das pessoas daqui não sabe muito de futebol. Elas dizem que gostam, mas são um povo ignorante. Só querem saber de lixo. No máximo, conhecem um jogador ou outro da Europa, mas não sabem o que acontece no esporte. O Mundial não é nada para a maioria do povo daqui”, revelou Adel Sawares, um dos Zabaleens que enriqueceu com a reciclagem.

MAIS SOBRE OS ZABALEEN

  • Rodrigo Farah/UOLMesmo os que prosperam com
    o lixo não deixam a comunidade
  • Rodrigo Farah/UOLPorteiro de uma garagem da “Cidade do Lixo” com 80 anos
  • Rodrigo Farah/UOLPôr do sol no meio do lixo com vista para a capital, à distância

De fato, os “cristãos do lixo” não têm muito tempo para se desviar de suas funções diárias. Bem cedo pela manhã, os catadores saem para as ruas do Cairo e começam a coleta. Depois, retornam à sua cidade para iniciar a divisão do material e a reciclagem.

“Não sobra tempo para acompanhar futebol. Meu marido bem que tenta, mas acaba não se empolgando. Senão, não temos como nos manter. Vida com lixo é assim”, ressaltou Aida Raouf, enquanto aguardava o esposo retornar da coleta.

“Quando era mais jovem tentava acompanhar o futebol de perto, mas fui desistindo com o tempo. Com todo mundo por aqui acontece isso. Aposto que boa parte de nós nem sabe que está acontecendo esse negócio [Mundial sub-20]”, completou um porteiro de garagem de 80 anos, que recusou veementemente dizer seu nome com receio da exposição.

Problemas com o governo
Atualmente, os Zabaleens vivem um momento de grande turbulência com o governo egípcio. O problema ganhou repercussão meses atrás quando os líderes políticos ordenaram o sacrifício de todos os porcos do país para conter o surto da Gripe A (H1N1), mesmo com o alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS) de que os animais não transmitiam a doença aos humanos.

O caso gerou grande polêmica e protestos em várias partes do mundo. Após as críticas, o governo mudou o discurso e afirmou que as ações foram implantadas como medida de higiene para melhorar o estilo de vida dos Zabaleens.

O grupo cristão, maior criador dos animais no país, rebateu duramente o sacrifício e destacou que esta foi apenas uma desculpa para acabar com os porcos. Vale lembrar que os muçulmanos não consomem a carne de porco em sua dieta.

Em resposta à medida, os Zabaleens pararam com a coleta de lixo orgânico, que antes servia para alimentar os porcos. Como resultado, as ruas do Cairo ficaram com grande acúmulo de sujeira e sobras de alimentos espalhadas pela rua, pois o governo ainda não conseguiu encontrar um sistema de coleta eficiente como o dos lixeiros cristãos.

Fonte: UOL

 
Comentários desativados em Lixeiros cristãos

Publicado por em 05/10/2009 em POIMENIA

 

Tags: , , ,

Religiosos impedem apresentação de samba no Líbano

Depois que um grupo de clérigos libaneses reclamou de “obscenidade”, a embaixada do Brasil e a prefeitura da cidade de Tiro desistiram de fazer um desfile de sambistas
José Antonio Lima

Arquivo / ABr

CENSURA Depois de fazer sucesso em quatro apresentações, samba acabou barrado no Líbano

A embaixada do Brasil no Líbano e a prefeitura de Tiro, no sul do país, foram obrigadas a cancelar uma apresentação de escolas de samba que ocorreria na cidade na quinta-feira (1º) por conta de manifestações contrárias de clérigos locais. Eles reclamaram da “obscenidade” dos brasileiros.

De acordo com a agência de notícias Reuters, a reclamação foi liderada pelo xeque Ali Yassin. “Nós apoiamos o turismo, mas somos contra a obscenidade”, disse. Antes, segundo a agência AFP, Yassin afirmou que as passistas brasileiras e os músicos formavam “um grupo de dança pornográfico que vai contra nossa ética”. Segundo ele, os clérigos temiam que “uma vez que eles comecem a dançar nus nas ruas, teremos problemas”.

A manifestação contrária pegou de surpresa os diplomatas brasileiros depois da reação positiva nas quatro apresentações anteriores que, juntas, atraíram 75 mil pessoas em três cidades, incluindo duas na capital, Beirute. “Foi um pequeno grupo que se manifestou, mas se houve uma oposição, por medida de precaução, decidimos não realizar o evento” (…) LEIA + AQUI

Fonte: EPOCA

 
Comentários desativados em Religiosos impedem apresentação de samba no Líbano

Publicado por em 03/10/2009 em POIMENIA

 

Tags: ,

Chicotadas e apedrejamento público serão legalizados em Aceh

Jacarta, 9 set (EFE).- O Parlamento da província de Aceh, na Indonésia, aprovará uma lei que estipula o apedrejamento como pena máxima para casos de adultério e cem chicotadas em público como castigo para que mantenham relações sexuais antes do matrimônio, informou hoje a imprensa local.

As medidas serão aprovadas na próxima segunda-feira em Aceh, que até 2004 foi palco de um conflito separatista que durou três décadas, e são um novo passo em direção a implantação no local de uma interpretação radical da lei corânica.

Raihan Iskandar, vice-presidente do Parlamento de Aceh, assegurou em declarações ao diário “The Jakarta Globe”, que a normativa conta com um grande respaldo social e político, apesar das críticas que suscitou fora da região situada ao norte da ilha de Sumatra.

“Recebemos muitos apoios para ratificá-la. Com esta norma esperamos conseguir um mandato claro para implementar a ‘lei’ em Aceh”, assinalou.

Além disso, lembrou que a Lei de Governo de Aceh, aprovada pelo Legislativo central em 2006, autoriza a esta província a implementar o “código penal corânico”, dado seu caráter de bastião do conservadorismo islâmico.

“Mas não podemos castigar ou apedrejar a pessoas cegamente. Se deverá fazer baseado nas regras e segundo o estipulado nos costumes locais”, acrescentou Raihan Iskandar, do islamita Partido da Justiça e a Properidade (PKS).

Os detratores da lei sublinharam sua inconstitucionalidade, ao considerar que viola os Direitos Humanos, embora alguns analistas assinalaram que a Carta Magna da Indonésia sanciona os privilégios da província de Aceh para impor a lei religiosa.

Segundo os analistas, pelo menos 16 das 33 províncias da Indonésia aprovaram leis nos últimos anos influenciadas em maior ou menor medida em interpretações radicais da lei corânica.

O Movimento para a liberação de Aceh (Gerakan Aceh Merdeka, GAM) entregou as armas em 2005 em troca de um estatuto de autonomia e da convocação de eleições livres, vencidas pelo líder do grupo, Irwandi Yousef.

Fonte: UOL

 
Comentários desativados em Chicotadas e apedrejamento público serão legalizados em Aceh

Publicado por em 09/09/2009 em POIMENIA

 

Tags: , , ,

A Pedofilia do Hamas

Um evento de gala ocorreu em Gaza. O Hamas foi o patrocinador de um casamento em massa para 450 casais. A maioria dos noivos estava na casa dos 25 aos 30 anos; a maioria das noivas tinham menos de dez anos.

Enquanto a imprensa exalta os “lutadores da liberdade do Hamas”, os “rebeldes”, ou então o PT e demais organizações de esquerda no Brasil dão apoio integral ao mesmo (conforme nota do secretário geral do partido, Valter Pomar durante a época do conflito), o mundo desconhece uma das histórias mais nojentas de abuso infantil, torturas e sodomização do mundo vinda do fundo dos esgotos de Gaza: os casamentos pedófilos do Hamas que envolvem até crianças de 4 anos. Tudo com a devida autorização da lei do islamismo radical.

A denúncia é do Phd Paul L. Williams e está publicada no blog thelastcruzade.org e é traduzida com exclusividade no Brasil pelo De Olho Na Mídia (ninguém mais na imprensa nacional pareceu se interessar pelo assunto).

Se você se interessou, leia a matéria clicando AQUI

Não tenho palavras para expressar o sentimento que tenho ao olhar o rosto daquelas meninas e pensar que dali a pouco serão vítimas do abuso sexual de adultos que deveriam zelar pelo seu bem-estar. E com a chancela da religião. Um misto de indignação, raiva, muita tristeza, aflição desmedida e dó. Talvez tenha sido isso que Jesus sentiu ao condoer-se por aqueles que curou. Talvez seja isso que a bíblia chame de “compaixão”, algo que não sentimos mais com a freqüencia que deveríamos segundo aquilo que o Evangelho considera salutar e normal na vida do crente.

Fonte: PAVABLOG

 
Comentários desativados em A Pedofilia do Hamas

Publicado por em 03/09/2009 em POIMENIA

 

Tags: , , , , , , ,