RSS

Arquivo da tag: igreja

Mobilização da Igreja

 
Comentários desativados em Mobilização da Igreja

Publicado por em 23/08/2013 em POIMENIA

 

Tags: ,

Novos Professores para uma Nova Igreja

O papel do professor do futuro

Não haverá uma nova safra de crentes se não houver uma nova classe de professores da Escola Dominical! Não se pode imaginar um futuro para a igreja sem educadores. Muitos acreditam que o professor da Escola Dominical é dispensável. E de fato o é, mas de qual docente estamos falando?

Certos professores são dispensáveis, assim como certos pregadores também o são. É claro que assim como não posso generalizar o último também não devo fazê-lo em relação ao primeiro. A falácia de que os professores dominicais são desnecessários à igreja é uma tentativa malsã de, parafraseando Paulo Freire, “retirar a boniteza do sonho de ser professor de tantos jovens cristãos nesse Brasil” [1].

Em um país que ideologicamente aprendeu a escamotear e a desvalorizar o professor, não ignoro que muitos líderes cristãos também desprezem esse importante e insubstituível ofício na igreja. Nalgumas vezes, eles parecem ter razão. Alguns docentes há muito deveriam ter pendurado a batuta:

a) Ainda continuam lendo integralmente a revista da Escola Dominical;

b) Não usam qualquer tipo de método;

c) São incapazes de comentar com profundidade teológica o tema da lição;

d) Reclamam que o assunto é repetido;

e) Além de se colocarem nos holofotes de seus cargos eclesiásticos.

Sim, esse é o perfil do professor desnecessário, substituível, que não quero para a igreja deste novo milênio. Tal ensinante é inútil à renovação da igreja.
Ele é:

a) Monocultural, como afirma Luiza Cortesão [2], incapaz de abrir-se ao novo, à renovação; 

b) Taciturno, perdeu a alegria de ensinar e, por pouco, não perde a satisfação de viver;

c)  Tradicional, ignora as novas técnicas didáticas para não ter o trabalho de aprender, de se abrir aos estudos pedagógicos modernos;

d)  Iludido, pensa estar cumprindo os propósitos do Reino de Deus. Na verdade, ele se colocou na porta da EBD e não permite que ninguém mais a atravesse;

e) Resistente, não admite qualquer mudança de paradigma na educação cristã, embora ele mesmo não saiba explicar suas práticas de ensino-aprendizagem.

Não resta dúvida, essa classe de professor perdeu o rumo, o telos, o sentido daquilo que faz e não consegue uma resposta às perguntas: por que ensino? por que sou professor?

Entendo que professores renovados produzirão uma igreja viva e saudável. Livre das enfermidades da religião, que nada mais são do que fábricas de parasitas e cruzados, esses educadores resgatariam toda riqueza que o carisma e o ofício de mestre possuem.

Mas para que isso ocorra, urge uma profunda mudança (metanóia) nos paradigmas educacionais que sustentam, à quase cem anos, a educação dominical. A Formação dos professores dominicais nas Assembleias de Deus no Brasil pouco mudou desde as cruzadas incansáveis de nosso paladino e mestre, Pr. Antonio Gilberto. O árduo trabalho desenvolvido por ele e sua equipe em todo Brasil melhoraram quantitativa e qualitativamente o perfil do professor das Assembleias de Deus.

A nossa denominação pode e deve se orgulhar de sua marcha incansável, e dos heróis e heroínas que se ofereceram como libação a favor de uma igreja madura e comprometida com o Reino de Deus.

Todavia, não podemos viver relembrando as glórias do passado se nos esquecemos dos desafios do presente e inquietações do futuro. O mundo mudou! Não é mais o monobloco de antigamente. E, isto, companheiros (as) exige uma nova classe de professores, um novo paradigma educacional, e uma nova forma de lidar com os desafios da modernidade líquida.

Notas
[1] FREIRE, P. Educação e mudança. 31.ed., São Paulo: Paz e Terra, 2008.

[2] CORTESÃO.L. Ser professor: um ofício em risco de extinção. São Paulo: Cortez, 2002.

Fonte CPAD

 
Comentários desativados em Novos Professores para uma Nova Igreja

Publicado por em 26/04/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , ,

“Deus quis se tornar mundano”, afirma teólogo em artigo sobre a relação da igreja com a sociedade. Leia na íntegra

“Deus quis se tornar mundano”, afirma teólogo em artigo sobre a relação da igreja com a sociedade. Leia na íntegra

O teólogo e professor universitário Sostenes Lima publicou artigo em seu blog sobre a divisão de bom e mau que diversas igrejas evangélicas fazem com relação à cultura cristã e o restante da sociedade.

Em seu artigo, Sostenes afirma que para muitos evangélicos “existem dois universos sociais dentro dos quais nossa vida transcorre: a igreja e o mundo. Me ensinaram que ser crente significava viver dentro de uma subcultura, a igreja, tendo o mínimo de contato possível com o espaço lá de fora, o mundo”.

Sostenes porém, aponta essa separação como algo negativo, que segundo suas palavras, “demoniza o mundo” em que estamos inseridos: “Há aí muita ignorância, moralismo, hipocrisia, alienação e dominação. É óbvio que, por trás de um discurso tão sectário como esse, há muita arrogância moral e farisaísmo. Também não tenho dúvidas de que há aí uma gama de interesses espúrios, bem escondidos nos porões institucionais, que favorecem certas pessoas e certas instituições”.

O argumento usado pelo teólogo Lima é baseado na biografia de Jesus e seu ministério: “Por que o cristão deve renegar o mundo se Deus fez exatamente o contrário? Por que o cristão deve se enclausurar na igreja se Jesus desenvolveu toda sua prática ministerial fora da organização religiosa de sua época? Na verdade, Jesus não apenas se desligou da instituição religiosa de sua época; ele se opôs a ela radicalmente. Jesus colocou em ruína todas as bases que davam sustentação ao discurso exclusivista e moralista da elite religiosa de seu tempo”.

Ele enfatiza que a quebra de paradigmas promovida pelo ministério de Cristo foi totalmente fora da cultura religiosa: “Jesus não renegou o mundo. Ele teve uma vida intensamente mundana”, e emenda: “Deus, em Jesus, se propôs a uma jornada de mundanização. Jesus entra no mundo e se mistura com ele. A encarnação não é uma negação do mundo, mas uma entrada radical e definitiva de Deus em nossa história, em esfera de existência”.

Confira abaixo a íntegra do artigo “Deus quis se tornar mundano”, de Sostenes Lima:

Vivi uma parte da minha infância numa casa que dividia espaço com a igreja. O terreiro (uma espécie de calçada de terra batida) se estendia varanda a fora dando para a porta do fundo do templo. Eu experimentava a vida de dentro e para dentro da igreja. Mas a vida naquele claustro não era plena; faltava ali uma série de coisas fundamentais. Lá não havia escola, não havia parquinho, não havia mercado, não havia casa e nem trabalho para todos etc. A igreja não conseguia oferecer tudo de que as pessoas precisavam. Logo percebi que não era possível permanecer o tempo todo dentro da redoma da igreja. O que fazer então? Foi aí que me ensinaram que existem dois universos sociais dentro dos quais nossa vida transcorre: a igreja e o mundo. Me ensinaram que ser crente significava viver dentro de uma subcultura, a igreja, tendo o mínimo de contato possível com o espaço lá de fora, o mundo.

Diziam-me que a igreja era um lugar social puro, formado por pessoas boas e íntegras. Ouvi algumas vezes alguém dizer, em pregação, coisas como: “Se alguém está precisando de um funcionário, deve contratar um irmão; é mais seguro. As pessoas da igreja são honestas, competentes e responsáveis. Por que se arriscar contratando alguém do mundo?” Ou algo assim: “Se você está vendendo para um crente pode confiar. As pessoas da igreja não dão calote; elas honram sua palavra e seus negócios”.

Diziam-me que a igreja tinha os padrões morais mais elevados da sociedade. A igreja não apenas congregava pessoas limpas; ela tinha a mais alta fórmula de assepsia moral. A igreja tinha um código de retidão que, quando cumprido à risca, tornava o crente livre de todas as mazelas morais que degradam a vida humana. O crente, uma vez lavado e remido, era uma pessoa santa.

Diziam-me também que a igreja tinha o melhor padrão de arte do mundo. Embora cultivasse apenas uma arte, a música, a igreja detinha um padrão estético capaz de suprir todas as demandas por arte. Ouvia em pregações: “Não ouça música do mundo. Elas não prestam, não edificam em nada. Ouça apenas as músicas da igreja. Essas, sim, são belas e edificantes”. Estranhamente, não me lembro de ouvir qualquer repreensão à leitura de obras literárias. Tenho minhas hipóteses sobre o motivo por que não havia censura à literatura, mas isso não importa neste momento.

As pessoas da igreja concebiam o mundo como o lado de fora da vida; um espaço social sujo, corrompido, cheio de pessoas más e pecadoras. Ouvi por diversas vezes frases como: “O mundo só tem coisas que não prestam. Ele é sedutor, cheio de atrativos, mas nada nele tem valor”. Também ouvia as pessoas da igreja advertindo sobre os perigos de se associar com as pessoas do mundo. Os pregadores diziam: “Cuidado com as pessoas do mundo. Elas são pecadoras e vão influenciar você, conduzindo-o para o fundo do poço. Não seja amigo de pessoas do mundo. Livrem-se das más companhias. Lembrem-se do ditado que diz: ‘me diga com quem você anda que direi que você é’. Andar com uma pessoa mundana pode levar você a se tornar mundano também”.

Vivi minha infância e adolescência exposto a esse discurso. Havia claramente uma divisão entre o que era de boa fama (coisas inerentes à igreja) e o que era degenerado (coisas inerentes ao mundo). Esse tipo de discurso, embora tenha perdido força, ainda continua ativo em muitos recantos religiosos. Ainda há muitas pregações que conclamam as pessoas a renegarem o mundo.

Não vou discutir o que está na base dessa cosmovisão que enaltece a igreja e demoniza o mundo. Sei que há aí muita ignorância, moralismo, hipocrisia, alienação e dominação. É óbvio que, por trás de um discurso tão sectário como esse, há muita arrogância moral e farisaísmo. Também não tenho dúvidas de que há aí uma gama de interesses espúrios, bem escondidos nos porões institucionais, que favorecem certas pessoas e certas instituições. Mas isso não me interessa no momento.

A questão a que me proponho é outra; está relacionada às seguintes indagações: Por que o cristão deve renegar o mundo se Deus fez exatamente o contrário? Por que o cristão deve se enclausurar na igreja se Jesus desenvolveu toda sua prática ministerial fora da organização religiosa de sua época? Na verdade, Jesus não apenas se desligou da instituição religiosa de sua época; ele se opôs a ela radicalmente. Jesus colocou em ruína todas as bases que davam sustentação ao discurso exclusivista e moralista da elite religiosa de seu tempo.

Jesus não renegou o mundo. Ele teve uma vida intensamente mundana. Viveu a infância e juventude numa pequena cidade da Galileia. Lá, possivelmente, adquiriu uma profissão e trabalhou com o pai. Foi a festas. Comeu e bebeu muito. Chorou e riu. Tornou-se um profeta itinerante imerso no mundo, dialogando com as crises mundanas que assolavam as pessoas. Circulou por espaços públicos e privados sem querer torná-los sagrados.

Não encontramos, na atividade e pregação de Jesus, qualquer base para uma cisão entre igreja e mundo. Não há nada mais contraditório do que exigir que alguém seja um cristão fora do mundo, como se isso fosse realmente possível.

Deus, em Jesus, se propôs a uma jornada de mundanização. Jesus entra no mundo e se mistura com ele. A encarnação não é uma negação do mundo, mas uma entrada radical e definitiva de Deus em nossa história, em esfera de existência. A encarnação é uma evidência de que Deus se interessou pelo mundo, de que Deus quis se tornar mundano. Logo, qualquer pregação que demonize o mundo, que o renegue, parece contradizer o propósito da atividade de Jesus. Deus quis interagir com o mundo. Sejamos imitadores de Deus. Tornemo-nos cristãos mais afeitos ao mundo. Sejamos mundanos.

Fonte: Gospel+

 
Comentários desativados em “Deus quis se tornar mundano”, afirma teólogo em artigo sobre a relação da igreja com a sociedade. Leia na íntegra

Publicado por em 26/04/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,

Ex-presidente americano lança Bíblia de Estudo

Jimmy Carter ensina na Escola Dominical de sua igreja há mais de 70 anos

 Ex-presidente americano lança Bíblia de Estudo

Jimmy Carter é um plantador de amendoim que virou presidente na década de 1970, mas nunca abandonou a Igreja Batista Maranata, em Plains, Geórgia.

Na Casa Branca, Carter ainda encontrou tempo para calmamente ensinar na escola dominical em 14 ocasiões. Ele participou de cultos em várias igrejas, incluindo reuniões em Camp David, uma espécie de “casa de campo” presidencial.

Desde que voltou para casa, depois de perder a reeleição para Ronald Reagan em 1980, Carter tem ensinado na escola dominical, como faz desde que foi para a Marinha, com 18 anos. O presidente hoje tem 88, são, portanto, sete décadas de experiência.

A editora Zondervan acreditou que ele estava capacitado a ser um comentarista da Bíblia, por isso publicou, na semana passada, a Bíblia de Estudo Lições de Vida, com as reflexões pessoais de Jimmy Carter.

“Como os discípulos, não devemos ser orgulhosos e procurar uma posição ascendente ou discutir sobre quem é o maior entre nós”, observa ele, ao refletir sobre uma passagem do Evangelho de Marcos em que os seguidores de Jesus debatem sobre quem dentre eles é o maior.

Carter se lançou como candidato à Casa Branca em 1976, quando  os EUA ainda debatiam a renúncia do presidente Nixon após o escândalo Watergate. Carter era um governador relativamente desconhecido e tinha uma vida aparentemente limpa. O fiel batista logo se tornou o queridinho dos eleitores cristãos evangélicos. Durante a campanha, Carter anunciou  orgulhosamente que havia  ”nascido de novo.” Em pouco tempo recebeu o apelido de “Presidente Redentor “.

Mas qualquer noção que Carter iria governar como ensinava na escola dominical foi dissipada quando ele assumiu o cargo. ”Eu fui ensinado a acreditar na completa separação entre Igreja e Estado”, disse ele.

Logo o presidente evangélico descobriu que era impossível separar a fé cristã de sua vida diária na Casa Branca. “Eu era muito cuidadoso para não confundir a prática religiosa com minhas decisões como presidente, exceto quanto aos valores morais”, disse ele.

Desde antes do tempo na Casa Branca, ele e sua esposa Rosalynn desenvolveu o hábito de ler as Escritura em voz alta todas as noites. Eles mantêm esse hábito até hoje e assim que terminam de ler a Bíblia, começam de novo, desde o início.

“Eu tentei colocar em prática os ensinamentos de Cristo no tempo que fui presidente”, disse ele. Para Carter, isso significa políticas que buscavam a paz em todo o mundo e cuidar dos mais necessitados. Mesmo assim, ele não foi reeleito.

Hoje, o ex-presidente atua como líder humanitário, criou o Carter Center para promover os direitos humanos, o avanço das democracias e a busca de soluções pacíficas para conflitos internacionais. Ele e a esposa são grandes incentivadores e mantenedores da Habitat for Humanity, uma ONG que constrói casas  em países pobres.

Carter também atuou como observador internacional de muitas eleições em países que voltavam ao regime democrático ou que tentavam implantar tal regime em substituição a ditaduras. Por suas ações no intuito de promover a paz mundial, direitos humanos, democracia e tendo sido mediador em diversas questões conflitivas ao redor do globo, recebeu, em 2002, o Prêmio Nobel da Paz.

A curiosidade sobre o que esse cristão tem a ensinar ainda é grande. Sua igreja tem  apenas 30 membros, mas quando é anunciado que Carter ensinará na escola dominical lá hoje, o número de pessoas pode chegar a 800. É maior que a população da pequena cidade de Plains, onde ele vive, que possui 650 moradores.

“Uma das principais coisas que eu tento fazer é conectar as Escrituras tão antigas com a vida moderna”, disse ele. “Com todas as experiências que tive, acredito que são coisas que ainda interessam para as pessoas que vêm me ouvir ensinar “.

A Zondervan acredita que a Bíblia Carter deverá vender cerca de 250.000 cópias nos próximos anos. Verne Kenney, vice-presidente executivo da editora explica: “Acreditamos que podemos atrair alguns leitores que não se interessariam pelo produto, mas tem curiosidade para saber o que pensa quem escreveu as notas”.

 Traduzido e adaptado de CNN

Fonte: GOSPEL PRIME

 
2 Comentários

Publicado por em 20/03/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Governo Eclesiástico e Governo Civil

governo-eclesiastico-civil-gdm

 A Bíblia se opõe ao centralismo, quer político (Nações Unidas) ou religioso (Concílio Mundial das Igrejas). A torre de Babel foi julgada e Deus dispersou aqueles que estavam envolvidos em seu projeto, por causa da corrupção potencial que é inerente ao centralismo religioso ou político. “A torre de Babel (Gênesis 11) era uma estrutura arquitetural pagã representativa. Era provavelmente algo como o zigurate babilônico, uma torre feita de círculos concêntricos que lembravam uma escada para o céu, não importando a direção a partir da qual era observada. Aqui está a teologia de Satanás oferecida a Adão: o caminho autônomo do homem para o céu. A torre era um elo entre o céu e a terra, mas um que os homens construíram, e não Deus. O pináculo da torre representava o assento de poder, o elo entre os homens evoluídos e os deuses” (Gary North, Unconditional Surrender, p. 143).

Baixe o arquivo em formato PDF…

 
Comentários desativados em Governo Eclesiástico e Governo Civil

Publicado por em 10/03/2012 em POIMENIA

 

Tags: , ,

Porque creio na separação da Igreja e do Estado

Deus estabeleceu três instituições básicas na Escritura: a família, a igreja e o Estado. Para cada uma dessas instituições Deus deu responsabilidades. Em alguns casos as responsabilidades se sobrepõem, mas na maioria os papéis dados por Deus para as três instituições estão claramente separados.

Quando essas instituições funcionam dentro dos parâmetros que Deus revelou na Escritura, há grande alegria para a maioria das pessoas. Não haverá nenhuma tentativa aqui de desenvolver uma teologia sistemática para essas instituições, mas é necessário catalogar as várias responsabilidades de cada uma delas a fim de ilustrar como Deus regulamenta a cultura.

O mandato de domínio foi dado à família. A família como uma unidade deve se multiplicar, ser frutífera e subjulgar a terra e tudo o que nela há (Gn 1.27-31). O marido e a esposa devem deixar os seus pais e se unirem um ao outro (Gn 2.23-25). O marido deve sustentar a sua família (1Tm 5.8). A família é a instituição com a responsabilidade de ensinar os filhos (Dt 6.6-9).

Em Atos 6.1-7, a igreja recebeu a responsabilidade de administrar os sacramentos e cuidar do governo eclesiástico, entre outras coisas. Em Atos 14 e Apocalipse 2, a igreja recebeu a ordem de guardar a doutrina. A igreja deve manter a pureza dentro da igreja (1Co 5.1-13). A igreja tem a responsabilidade de administrar o julgamento entre os seus membros (1Co 6.1-8). Apocalipse 2.2 dá autoridade à igreja para esta se proteger contra os falsos mestres, e finalmente a igreja recebeu a responsabilidade de cuidar dos pobres (Ap 2.19, 2Co 8.1-15, 9.11-15).

Finalmente, Deus deu autoridade ao Estado para que este proteja os bons por praticarem o bem e puna os malfeitores (Rm 13.4). O Estado recebeu o poder da espada para cumprir essa responsabilidade. Paulo chama o magistrado civil de um ministro de Deus. Um ministro que tenta cumprir os seus deveres fora das diretrizes prescritas por Deus causa mal àqueles sob sua incumbência. Provérbios 29.2 declara: “Quando os justos governam, alegra-se o povo; mas quando o ímpio domina, o povo geme”.

Deus é soberano; dessa forma, suas três instituições devem necessariamente estar sob sua autoridade. Para que haja a melhor ordem numa cultura, elas devem cumprir suas responsabilidades sem invadir a esfera de autoridade das outras intituições. O maior bem para todos os povos, sejam eles contados entre os eleitos ou não, é que cada instituição atue sob a autoridade do Deus Altíssimo, e dentro da autoridade distinta dada a elas por Deus.

O sistema Americano ilustra isso maravilhosamente. Quanto mais o Estado invade a autoridade da família e da igreja, mais as pessoas “gemem”. Noah Webster terminou sua definição de pecado, em seu dicionário de 1848, como “tudo o que é contrário à lei ou mandamento de Deus”, listando 1 João 3, Mt 15 e Tiago 4 como referências para exemplificar essa declaração. Quando o Estado retira a autoridade dada legitimamente à família e à igreja e quando o Estado anula a sua autoridade recebida de Deus, ele está fazendo o que “é contrário à lei ou mandamento de Deus”. É por isso que a separação da Igreja e do Estado é necessária: não como assumida pelos secularistas, mas como delineada por Deus, na Escritura.

Fonte: Christian Worldview of History and Culture

Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto – abril/2011

Fonte: MONERGISMO

 
Comentários desativados em Porque creio na separação da Igreja e do Estado

Publicado por em 08/03/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , ,

Guerras no mundo triplicaram em 2011

“Barômetro de conflitos” divulgado por Instituto de Heidelberg de Pesquisa Internacional de Conflitos (HIIK) apresentou resultados assustadores. Oriente Médio e África são principais celeiros de conflito.

Especialistas alemães em pesquisa de conflitos fizeram um balanço dos choques mais violentos no mundo, com um resultado alarmante: no espaço de um ano, o número de guerras em curso mais do que triplicou. Conforme Natalie Hoffmann, do Instituto de Pesquisa Internacional de Conflitos de Heidelberg (HIIK, na sigla em alemão), é impossível detectar uma tendência em direção a um mundo mais pacífico.

Ao invés disso, os números de 2011 foram os mais altos desde 1945. Os pesquisadores contaram 20 guerras e 166 “conflitos desenvolvidos de forma violenta”. O instituto alemão projeta um acréscimo nos próximos meses. No ano anterior, haviam sido registradas seis guerras e 161 conflitos violentos.

Oriente Médio, África, Cáucaso

Desde 1991, o HIIK divulga o “barômetro mundial de conflitos”, com o fim de fornecer uma noção total das crises, conflitos e guerras em curso. Entre as hostilidades que resultaram em guerra, no ano passado, os pesquisadores incluem a situação no Iêmen, Líbia e Síria.

 

‘Primavera Árabe’ gerou novos palcos de guerra

 

Seguem classificados como “guerra”, as ofensivas das Forças Armadas paquistanesas contra os talibãs, os embates entre o governo afegão e os talibãs e a violência no Iraque. Em todos esses casos, houve milhares de vítimas fatais. O instituto também considerou como guerra a luta entre o governo do México e os cartéis das drogas.

Tratam-se, em sua maioria, de conflitos internos, cujos principais palcos são o Oriente Médio e a África, observou o presidente do HIIK, Christoph Trinn. Ele acrescentou que sua equipe verifica “um grande potencial para uma escalada”. Três novas guerras relacionadas com a “Primavera Árabe” se estabeleceram rapidamente em 2011: no Iêmen, na Síria e na Líbia. Houve ainda um acirramento dos conflitos já existentes na Nigéria e no Sudão.

Segundo a estimativa do instituto alemão, o maior celeiro de violência na Europa é a região do Cáucaso. Lá, foram detectados 19 conflitos e uma “guerra delimitada”. Como único conflito binacional do continente, registrou-se o que se desenrola entre a Armênia e o Azerbaijão.

AV/afp/dpa/epd
Revisão: Marcio Pessôa

Fonte: DEUTSCHE WELLE

 
Comentários desativados em Guerras no mundo triplicaram em 2011

Publicado por em 29/02/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , ,