RSS

Arquivo da tag: igreja

People Don’t Want to Sit and Listen Anymore: 4 Ways to Connect With a New Generation

Most people who leave the church aren’t leaving God. Many of them are leaving the way we do church to try and find God.

Doing church together is an essential aspect of what it means to be a Christian. But church attendance rates keep dropping in most of the developed world. Why?

I often hear it’s because people aren’t as spiritually minded as they used to be. After all, if it’s not their fault, then some of it might be our fault. And that can’t be.

But the evidence doesn’t support that. In fact, it suggests that people’s spiritual hunger may be growing, not shrinking. Spiritually-themed books, movies, TV shows and blogs are having a major resurgence. Alternative spirituality is booming.

Spiritual hunger isn’t a cultural thing. That God-shaped hole is hard-wired into every one of us.

Church attendance isn’t down because people have stopped caring about spiritual things. It’s because we haven’t done such a great job at showing them how church attendance will help them answer that longing.

As the character, Amy Farrah Fowler, said on The Big Bang Theory, “I don’t object to the concept of a deity, but I am baffled by the notion of one who takes attendance.” No, we don’t take our lead from fictional characters on TV sitcoms. But is the person who wrote that line trying to tell us something?

Disconnect and Distrust

There’s not just a growing disconnect between spiritual hunger and church attendance; there’s a growing distrust in church leaders who pay too much attention to it.

To the average pastor, counting and promoting attendance numbers seems like good stewardship. To the average non-clergy, it feels more like ego. This is especially true among younger people—both Christian and not.

And they’re right.

No one cares about helping us reach our attendance goals. In fact, the more they hear about them, the less they trust that we have their best interests in mind.

As I wrote in The Grasshopper Myth and I tell my congregation regularly, God doesn’t take attendance. What we do after we leave church matters more to God than how we behave when we’re there—or how many people we jammed into the room at one time.

But we’re so ego-driven when it comes to church attendance, it’s become a running gag among ministers about how we count people. Thom Rainer even wrote a recent post about this, entitled “Five Ways to Avoid Lying About Church Attendance.” Yes, we need a list to help us stop doing that.

As Rainer wrote, “Sometimes church leaders lie about the weekly church attendance. Sometimes the lies are the result of an inflated ego where a leader gets his self-worth by leading a bigger church. Sometimes it’s the result of the sin of comparison with other leaders and other churches. Sometimes we rationalize it because our denominations or publications make such a big deal about it. In all cases, it’s wrong. Inflating attendance numbers is committing the sin of lying.”

The Shift

We used to be a society of clubs and groups. Fraternities, sororities, community service clubs, political parties, you name it. We loved meetings and the structure those meetings provided.

Not any more.

A recent article in FaithandLeadership.com titled RIP Average Attendance tells us about this change: “Average worship attendance was once such an important number. … Today that number means much less … The growing lack of dependability on attendance is a sign that the virtuous cycles that have sustained congregations since the end of World War II are collapsing.”

We no longer identify ourselves by clubs, groups or denominations. And we don’t like going to meetings, either.

More and more, people don’t think they count when the crowd is being counted. Every number may be a person, but people don’t want to be numbers. It makes them feel devalued and manipulated. More like a commodity than a person.

Coffee shops and restaurants are going back to calling people by name instead of saying “take a number.” Sure, the Starbucks barista may write your name wrong half the time, but even a wrong name is better than a number.

But the church keeps taking attendance. And telling pastors that increasing the number of those nameless, faceless people is the best proof that we’re doing our job well.

No one else is buying it.

Most people who leave the church aren’t leaving God. Many of them are leaving the way we do church to try and find God.

Doing Matters More Than Attending

So what can we do to inspire people to a greater spiritual commitment? Here are some starter ideas:

1. Give people the chance to make a difference.

If you think people today won’t commit to anything, check out a Breast Cancer Awareness March. The Susan G. Komen Foundation has helped people see a direct link between wearing pink while walking up to 60 miles together and funding breast cancer research. People want to make a difference, and the Komen Foundation has shown them how they can.

The church has a lot to learn from that. We haven’t done a good job at showing attenders why their presence matters. How it fills their spiritual hunger. And how they can leverage their time in church for the blessing and benefit of others.

2. Make the communication two-way as often as possible.

People want to be active participants, not just passive consumers. They want to talk with, not just be talked to. Even if it’s just the chance to tweet about the sermon. They want to know that their voice matters.

3. Tell stories more than statistics.

Let’s change from “we count people because people count” to “we tell stories because people matter.” For more on what that means and how to do it, check out Donald Miller’s blog. No one addresses this issue better than he does.

4. Make the connection for them.

People no longer see the connection between paying for a pastor’s salary or a church mortgage, and how that feeds the hungry or answers their spiritual longing. So we need to make that connection for them. If we can’t, maybe we should stop doing it.

The desire to make the shift from passive consumer to active participant is a good thing. Maybe not for a lot of our church mortgages or retirement plans. But for the church as a whole.

People don’t just want to sit and listen anymore. They want to learn, grow and take part. Let’s help them find what they’re looking for.

SOURCE: SERMON CENTRAL

Anúncios
 
Comentários desativados em People Don’t Want to Sit and Listen Anymore: 4 Ways to Connect With a New Generation

Publicado por em 06/05/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , , ,

Arquidiocese de NY oferece um programa de Pós-Graduação gratuito de 2 anos para os membros prontos para o desafio de gerenciamento da Igreja

del - cardeal

Membros da igreja católica em Nova York agora podem contribuir para suas paróquias locais por meio de um programa recentemente instituído que oferece uma pós-graduação gratuita para leigos que estão dispostos a assumir os desafios da gestão de tarefas administrativas de sua igreja.

Como parte de um esforço para levar os encargos administrativos fora do clero, a Igreja introduziu um novo programa de treinamento on-line de dois anos nas quartas-feiras que está sendo oferecido através de uma parceria com o Centro da Universidade de Villanova para a Gestão de Igreja e de Ética nos Negócios, The Wall Street Journal relata.

A arquidiocese está com o objetivo de matricular 50 pessoas no programa que vai ganhar um mestre em ciências em grau de gestão de igreja quando estiver completa.

Esses gerentes, então, serão contratados por paróquias individuais quando o programa estiver concluído. A arquidiocese acredita que a medida é necessária para a melhoria de todos os católicos. Ele será aplicado à arquidiocese Nova Iorque, que se estende desde a Saugerties Staten Island, Nova Iorque. Ela vai ajudar no esforço da Igreja para reorganizar 100 paróquias, o que resultará em 55 novas e o fechamento de dezenas de outras.

O cardeal Timothy Dolan, de Nova York, expressou no passado que ele espera que o processo de realinhamento irá libertar clérigos para fazer um trabalho mais pastoral e não limitá-los a “substituição de caldeiras e goteiras nas paróquias de 150 anos de idade, que são um terço cheio aos domingos . ”

“O dia dos bispos velhos, gordos e carecas como eu serem os melhors porta-vozes para a Igreja está muito longe: agora precisa de ter treinado, leigos competentes para representá-los”, disse Dolan em abril do ano passado, durante a abertura do Seminário IX profissional para Comunicações Escritórios.

Tendo leigos para realizarem algumas das tarefas normalmente designada para o clero também tirará um pouco a pressão dos pastores de algumas paróquias, de acordo com William Whiston, o diretor financeiro da Arquidiocese de Nova York.

“Se a paróquia está indo bem, o pastor tem apoio”, disse ele. “Ele reduz a pressão da arquidiocese para ajudar o pastor e da paróquia de operar.”

The Christian Post contactou Whiston para comentar o assunto, mas ele não respondeu na à imprensa.

A diocese de Camden New Jersey formou um acordo semelhante com Villanova de formação de gestores da igreja.

CP contactou o Arquidiocese de Nova York para comentar o assunto, mas eles não responderam à imprensa.

Repórter do The Christian Post
Reuters/Alessandro Bianchi
Fonte: CHRISTIAN POST
 
Comentários desativados em Arquidiocese de NY oferece um programa de Pós-Graduação gratuito de 2 anos para os membros prontos para o desafio de gerenciamento da Igreja

Publicado por em 30/04/2015 em POIMENIA

 

Tags: , ,

Estou cansado de religião!

del - homem cansado

Sim, estou cansado deste sistema religioso voltado para a centralidade do homem e a posição periférica de Deus Pai. Esgotado de cultos barulhentos, com músicas em ritmos acelerados, letras vazias de significado bíblico-teológico. Não se canta mais hinos com letras profundas, feitas por homens e mulheres que sofreram e que descansavam na fidelidade de Deus. Cultos à imagem do homem, especialmente dos líderes megalomaníacos, que apreciam o pódio e as bajulações. Enojado com a hipocrisia, a falsidade de homens e mulheres que usam da Palavra para falar ao povo. Temos tido encontros irracionais, pois a vida não corresponde, não é coerente com a presença e o caráter de Deus. Observamos ajuntamentos de pessoas com ressentimentos, invejas, discórdias, amarguras, vivendo na imoralidade, e outros sentimentos perniciosos e facciosos sem arrependimento. O Senhor não tolera a maldade com ajuntamento solene (Is 1.13). Estou cansado das conversas, da falta de reverência e da desatenção durante os cultos, especialmente na hora da pregação. Encontros movidos por interesses escusos e regado a teologia da prosperidade e manifestações esquisitas. O Senhor está farto de promessas, de copos com água a ser “ungida”, do vale de sal, dos saquinhos com terra de Israel e recipientes com água do rio Jordão. Por meio do profeta Isaias, o Senhor indaga: De que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios, diz o Senhor? Já estou farto dos holocaustos e carneiros e da gordura de animais nédios; e não folgo com o sangue de bezerros, nem de cordeiros, nem de bodes. (Is 1.11).

Estou farto de religião voltada para as práticas judaicas dentro de igrejas chamadas evangélicas. Fico exausto ao ver pastores trazendo festas judaicas para dentro dos templos, aliciando o povo, levando a congregação às práticas religiosas já superadas pela suficiência de Cristo Jesus revelada nas Escrituras. Estou cansado do uso indevido da Palavra na prática da teologia da prosperidade. Enojado de líderes que sacrificam o povo, usando-o como massa de manobra. Esses líderes utilizam seu “carisma” para ludibriar as gentes que entram e saem dos santuários. São artificiais, interesseiros e exploradores do povo. Conseguem tirar dinheiro dos incautos para satisfazerem seus mimos, luxos e manter seu alto padrão de vida. Líderes inescrupulosos utilizando seus impérios de comunicação, tecnologia e uma rede viciada para enganar as pessoas sofridas, que vão às suas igrejas buscando esperança para o seu desespero.

Cansado estou dos que usam a Bíblia como instrumento profissional e não como livro devocional. Que utilizam os textos fora do contexto como pretexto para amedrontar, produzir medo no povo, causar subserviência. É triste ver a utilização da Palavra de Deus como troca pela oferta e não como doação em amor. Encontro-me estafado vendo pregadores utilizando as Santas Escrituras de forma desrespeitosa, ensinando erradamente o povo. Usam a Bíblia como amuleto. As Escrituras foram transformadas em literatura comum, ordinária num contexto de gente religiosa, despida de temor e tremor diante do Espírito Santo que revelou a Palavra de Deus. A Bíblia se tornou um livro usado para apoiar práticas religiosas, sem vida. Pregadores que não têm formação adequada, não têm temor diante da Revelação. Há uma tradição religiosa – oral e escrita – que interpreta a Palavra de Deus. São as cartilhas dos líderes que são usadas para “interpretar” as Escrituras. Usam uma hermenêutica viciada, distorcida e enganosa, voltada para o apoio de suas práticas danosas. Não alimentam o povo e não o apascentam com ciência e inteligência (Jr 3.15).

Confesso de coração que estou cansado do sistema religioso que usa a oração como amuleto, como instrumento de petição e não de adoração e deleite em sua prática. O sistema religioso transformou a oração num instrumento que exige de Deus respostas imediatas. Que O coloca na parede. Não é uma oração de adoração, confissão, quebrantamento e intercessão misericordiosa, mas que se arroga em reivindicar de Deus bênçãos, prosperidade e curas. É a oração da troca e da determinação, que se paga para receber “bênçãos” do alto. Intercessão forte. Oração meritória e não de misericórdia. Sim, estou muito cansado de ver uma adulteração na vida de oração. Sabemos que na oração devemos pedir ao Senhor espírito de sabedoria e de discernimento (Ef 1.17). Orar não é barganhar, mas fazê-lo no espírito da vontade de Deus, que é boa, agradável e perfeita (Rm 12.1,2). Foi assim que o Senhor Jesus orou no Getsêmani (Mt 26.41). Estou cansado deste movimento religioso porque já fizeram uma separação de oração forte no monte e fraca fora do monte. Podemos notar claramente que há uma estratificação da oração. A religião tem transformado o monte em plataforma da “verdadeira” oração que “move” o coração de Deus.

Confesso mais uma vez que estou triste e muito cansado de religião, mas, por outro lado, desejando viver a cada dia no descanso do Evangelho genuíno, que é o poder de Deus para a salvação de todo o que crê (Rm 1.16). É este Evangelho que almejo viver e pregar. Este evangelho enseja a mensagem do Senhor ao Seu povo por meio do profeta Isaias: Lavai-vos e purificai-vos; tirai de diante de meus olhos as vossas obras más; parai de praticar o mal; aprendei a praticar o bem; buscai a justiça, acabai com a opressão, fazei justiça ao órfão, defendei a causa da viúva. Vinde e raciocinemos, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve, ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã.” (Is 1.16-18).

Aqui está a mensagem do Evangelho na contramão da religião.

Continuo cansado de religião que vive um relacionamento superficial e interesseiro. Formam-se grupos com objetivos comuns sem pensar na unidade da Igreja de Jesus. Sinto-me estafado com tanta hipocrisia, com a falta de sinceridade, maledicências, fofocas nos relacionamentos dentro da comunidade da graça. O Senhor abomina os que promovem discórdia entre os irmãos (Pv 6.19). Infelizmente temos na comunidade de Cristo pessoas voltadas para a satisfação dos seus caprichos carnais. A religião enfatiza coisas e não pessoas. Cargos e não cargas. Sentimento como padrão aferidor e não a Palavra de Deus revelada na História e em nossa experiência de conversão, de novo nascimento.

Estou cansado da religião de aparência e não do coração, do interior. Nos interesses pessoais e não do Corpo de Cristo. Vivemos um tempo de superficialidade sem precedentes. Há mais interação com as máquinas do que com as pessoas. Os relacionamentos têm sido descartáveis, pois obedecem ao principio do utilitarismo, de atender nossas razões e nossos interesses mais diversos, especialmente carnais. Sinto-me pesado com tanta maldade no coração das pessoas que se dizem crentes, mas que agem como incrédulos. Tanto julgamento temerário (Mt 7.1-5). É impressionante como a religião valoriza o exterior em detrimento do coração, das entranhas. Vivemos num tempo de ajuntamento solene sem vida e sem relacionamentos qualitativos.

Não tem havido profundidade nas relações fraternais. Temos nos tornado um bando de gente perdida nos próprios interesses. Estamos acorrentados aos padrões do mundo. Vivemos um tempo de individualismo. Raramente nos encontramos para olharmos nos olhos e falarmos a verdade em amor. Experimentamos um tempo de frieza espiritual e frieza emocional. Não temos tempo para nos importar com o nosso irmão e com o nosso próximo. Fazemos um reducionismo de nossos encontros ao templo, às reuniões formais. Perdemos o referencial de comunhão, fraternidade, desprendimento e liberalidade dos irmãos primitivos (At 2.42-47; 4.32-37).
Estou cansado de religião, pois não há desejo intenso de obedecer às orientações do Senhor Jesus. Temos respondido de forma negativa ao agravo; não amamos os nossos inimigos; não caminhamos a segunda milha; tornamo-nos insensíveis às necessidades do próximo; não abençoamos os que nos amaldiçoam; não oramos pelos que nos perseguem (Mt 5.38-48). Reagimos negativamente os que nos ofendem. Não temos paciência uns com os outros. Tornamo-nos monstros em nossas relações, pois as vivemos instintivamente.

Somos implacáveis com os que erram como se não errássemos também. Agimos sem graça e misericórdia. À semelhança dos escribas e fariseus, acusamos as pessoas com muita facilidade. Vemos os defeitos nas pessoas e nos esquecemos dos nossos. Há pouquíssima disposição em servir ao próximo. Não somos imitadores de Deus como filhos amados e não temos andado em amor como Cristo nos amou e a Si mesmo se entregou por nós como oferta e sacrifício a Deus com aroma suave (Ef 5.1,2).
Sim, estou cansado de religião sem vida, sem renuncia, sem misericórdia, sem paixão, sem dedicação, sem compromisso, sem coração aquecido e sem amor. Uma religião que não prioriza os valores do Reino de Deus. Que não age como o samaritano e não olha para Jesus, mas para o homem.

Descanso no Evangelho de Cristo que serve, socorre em amor, encoraja, levanta o abatido, alivia os cansados e oprimidos, renova as forças dos desvalidos, acolhe em amor o maltrapilho, vive com sinceridade, serve com o amor de Cristo Jesus, prega a verdade com intrepidez e ousadia, ora intensamente pelos perdidos, investe no Reino de Deus, não faz acepção de pessoas, vive a simplicidade do evangelho; busca a santificação sem a qual ninguém verá o Senhor; busca e nutre relacionamentos saudáveis; visita os órfãos, as viúvas, os doentes, os encarcerados e os pobres.

Descanso na diaconia do evangelho de Cristo. Recreia as minhas entranhas ver os crentes vivendo em profundo amor que tudo sofre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta, o amor que jamais acaba (1 Co 13.4-8). O evangelho de Cristo é o da Sua igreja. É o evangelho da comunhão, da fraternidade e da unidade em Cristo Jesus. É o evangelho de Cristo, que veio buscar e salvar o perdido para sair de uma vida solitária para uma vida solidária. É o evangelho da aceitação, do perdão e da festa para a Glória de Deus Pai (que é amor, 1 João 4.8), que nos ama com um amor furioso.

Pr. Oswaldo Luiz Gomes Jacob – um pastor paralímpico.
Pastor da Segunda Igreja Batista em Barra Mansa – RJ
Colunista deste Portal
pitzerjacob@gmail.com

FONTE: ADIBERJ

 
1 comentário

Publicado por em 24/04/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , , , , ,

O papa Francisco revisa a teologia do inferno

infernoA Igreja oficial defende desde o século XV que o castigo do inferno destinado aos pecadores é “eterno”, ideia iniciada no século VI com Santo Agostinho. O papa Francisco acaba de revisar tal doutrina católica ao afirmar que a Igreja “não condena para sempre”.

Sem necessidade de grandes encíclicas, com suas falas habituais, Francisco está realizando uma revisão da Igreja para aproximá-la de suas raízes históricas.

Deu o último golpe de graça em um momento um pouco mais solene do que suas conversas habituais com os jornalistas. Dessa vez aproveitou, dias atrás, seu discurso aos novos cardeais para recordar-lhes que o castigo do inferno com o qual a Igreja atormenta os fiéis não é “eterno”.

Segundo Francisco, no DNA da Igreja de Cristo, não existe um castigo para sempre, sem retorno, inapelável.

O Papa jesuíta é formado em teologia, ainda que não tenha feito o doutorado. Dele, talvez hoje o papa renunciante e doutor em teologia, Bento XVI, possa dizer o que afirmava sobre seu antecessor, o papa polonês João Paulo II: que sabe pouca teologia.

Durante um jantar informal em Roma, na casa de um jornalista alemão seu amigo, Ratzinger confessou, efetivamente, aos poucos comensais presentes, que o papa Wojtyla “era mais poeta que teólogo” e que ele, como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, cargo que ocupava na época, precisava revisar seus discursos e documentos papais para que não escapasse “alguma imprecisão teológica”.

Francisco é, entretanto, um fiel seguidor da teologia inspirada no cristianismo original, que era, afirma ele, não o da “exclusão”, mas o da “acolhida” de todos, até mesmo dos maiores pecadores.

LEIA MAIS AQUI

 
Comentários desativados em O papa Francisco revisa a teologia do inferno

Publicado por em 25/02/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , , , ,

Desculpe-me, mas sou um péssimo pastor…

CHICCO - FOTINHO NO LONATTO - RECORTE2

…porque eu não vou mudar a minha voz para que você sinta segurança, achando que tenho alguma autoridade, quando eu falar;

…porque eu não vou pensar por você para facilitar sua jornada espiritual;

…porque eu não vou falar mais alto do que você precisa para ouvir;

…porque eu não vou lhe ensinar a determinar ou dar ordens ao Pai, como um filho mimado o faz;

…porque eu não lhe dizer que você é um vencedor quando o a sua espiritualidade está falida;

…porque eu não vou lhe ensinar a temer a Deus mais do que a amá-lo;

…porque eu não lhe direi que você é especial simplesmente por estar frequentando uma Igreja;

…porque eu não alimentarei o seu ego pregando somente as coisas que você gosta de ouvir;

…porque eu não lhe ensinarei a ser próspero a qualquer custo enquanto o mundo morre de fome;

…porque eu não lhe ensinarei a mover as mãos de Deus através de uma oferta sacrificial;

…porque eu não lhe direi que Deus me revelou algo que não está no texto, somente para fazer a mensagem melhor para você;

…porque eu não lhe direi que você não pode beber, se tatuar, ouvir músicas que não tocam na Igreja somente para facilitar o meu pastoreio;

…porque eu não vou lhe ensinar que a igreja de quatro paredes é a casa de Deus;

…porque eu não vou lhe ensinar que se você entregar o dízimo sua responsabilidade com os necessitados estará cumprida;

…porque eu não vou transformar a reunião do culto numa rave para que você fique atraído pelo ambiente;

…porque eu não vou lhe ensinar a marchar por Jesus, enquanto Ele quer que marchemos pelo próximo;

…porque eu não lhe darei uma lista do que pode ou do que não pode para você farisaicamente siga um mandamento no lugar de um Deus;

…porque eu não lhe ensinarei que há um Diabo maior do que a Bíblia conta somente para você poder colocar em alguém a sua culpa;

…porque eu não lhe ocultarei os meus erros para você pensar que é liderado por alguém melhor que você;

…porque eu não vou falar em nenhuma outra língua além da que você consegue compreender;

…porque eu não lhe tratarei melhor por causa do carro que você anda, da roupa que você veste ou do dinheiro que você põe no gazofilácio.

Dentre muitas outras coisas que poderia dizer: fique certo: sou um péssimo pastor.

 
Comentários desativados em Desculpe-me, mas sou um péssimo pastor…

Publicado por em 09/12/2013 em POIMENIA

 

Tags: , , , , , ,

Uma reflexão acerca da igreja dos dias de hoje – Edson Cabral

 

A igreja como organismo é linda, viva, diferente e admiravelmente forte em uma geração onde os desafios pela santidade e fé legitima são extremamente grandes. A igreja organismo alegra o coração de Deus porque ela reflete o brilho do santo filho Jesus Cristo. Ela é o diferencial que ainda faz Deus se mover na terra. Essa igreja não se contaminou, não vendeu sua alma a mamom, não participa da mesa do rei, tampouco está seduzida pelos reinos desse mundo porque é peregrina e forasteira nessa terra.
Mas essa igreja é invisível aos olhos humanos, pois ela não é uma instituição, não é uma denominação, não é uma organização formada por homens. A sua membresia é composta por aqueles que tem seus nomes arrolados nos céus. É um povo que tem em si o Espírito do Deus vivo que criou os céus e a terra. São aqueles que não se misturam ideologicamente com as ilusões deste mundo. São sóbrios e conhecem a palavra de Deus, tem conhecimento Dele e compreendem com clareza as manobras maléficas do príncipe das trevas.
Por outro lado, a igreja reconhecida pelos homens são instituições corruptas, apóstatas e comprometidas com os poderes deste mundo. Essa igreja não tem mais compromisso com a sã doutrina, o livro santo trata-se apenas de um manual de conveniência para induzir a seus objetivos. Ela entende que o nome de Cristo é o trunfo que dá a ela o status necessário, mas só se interessa realmente pelo nome de Cristo, pois seu senhorio e seus ensinos não fazem parte da vida dela a muito tempo. O diabo é o seu garoto propaganda para atrair pessoas através do medo da pobreza, das doenças e conflitos emocionais. O dinheiro é o seu deus, buscado, pregado e adorado.
As denominações proliferam diariamente. A cada dia aumenta a dificuldade em encontrar um novo nome para uma nova igreja que supostamente tem a verdade. O discurso é sempre o mesmo; ou o fundador teve uma visão e revelação de Deus; ou o antigo líder estava sem visão sendo usado pelo diabo. Normalmente isso é consequência de rebeldia ou má gestão do líder que teve sua denominação rachada. Cada qual revela ter uma visão de Deus, mas estranhamente essa visão vai mudando com o tempo. Concluímos que não existe mão de Deus nessa multiplicação de denominações e sim a certeza de que os anseios humanos prevalecem, o poder, o status e claro, o dinheiro.
São organizações estranhas àquela que se iniciou no tempo dos apóstolos. Elas amam os primeiros lugares, querem representatividade no governo, querem aparecer na mídia e brigam pelo seu espaço onde anseiam em dar o seu show. Elas se dizem protestantes, mas são piores que aquela igreja condenada pelos reformadores, eles teriam vergonha em saber que as indulgências continuam, ou um novo tipo de indulgência. Agora a troca é pela cura, pelo milagre e pela prosperidade terrena. Sim, a igreja vista pelos homens está corrompida!
O sistema evangélico está falido! Não há nada de assustador em ouvirmos acerca de pastores que dizem não ser mais evangélicos, pois se ser evangélico é isso que vemos ai, eu também não quero ser. Assustador é o que presenciamos de práticas e novidades anti-bíblicas produzidas no meio evangélico. Sem contar o falso crescimento que não acrescenta nada ao Reino dos céus, só não enxerga quem não quer. Se houvesse um avivamento legítimo a sociedade seria impactada, coisa que não acontece.
Os líderes são os piores exemplos não só de cristãos, mas de homens! Pregam riquezas e ficam cada vez mais ricos, enquanto o povo continua pobre. Amam tanto o status que de pastores entenderam que bispo é um cargo maior, os que querem ser mais do que bispo usam o título de apóstolos e alguns querem ainda mais e acharam um novo status, o de “patriarca”, aguardemos qual será o próximo! Dizem-se super-ungidos, acreditam que tem poder superior aos crentes normais, acham que podem transferir unção, pensam que tem poder de amaldiçoar e usam isso para ameaçar suas ovelhas. Querem obediência incondicional e agem como que se tivessem o monopólio da revelação e da verdade. Porém esses mesmos líderes são corruptos, adúlteros e charlatães. Negociam suas ovelhas com políticos, roubam os dízimos e ofertas que em tese seria para a obra de Deus, tramam assassinatos contra seus desafetos, fazem lavagem de dinheiro, são capazes de mudar sua visão doutrinária e teológica em favor do lucro, fazem alianças com seitas secretas e até organizações criminosas para alcançarem seus objetivos. Infelizmente vemos da instituição igreja um reduto de ladrões.
O povo é a matéria prima desses líderes. Eles não erram sozinhos! Apenas se aproveitam da ignorância e ingenuidade das pessoas. Eles são o que as pessoas querem e alimentam as esperanças dos homens. Se aproveitam do desespero, da necessidade e dos conflitos emocionais do ser humano. Infelizmente o povo quer alguém para admirar, alguém para aplaudir, alguém para chamar de seu herói. As pessoas são atraídas por sensacionalismo, são vulneráveis a propagandas sedutoras, são presa fácil nas mãos desses líderes carismáticos e enganadores.
Não acredito que isso mudará, acho que a doença da igreja instituição é incurável, mas também creio que é o tempo de muitos abrirem os olhos e se voltarem verdadeiramente para o Senhor Jesus Cristo. O primeiro passo é não se deixar levar por nenhum desses líderes por mais ungidos que pareçam, e se firmar nas Escrituras, pois nela podemos ter o verdadeiro conhecimento de Deus e não o de um deus adaptado por esses falsos mestres. Outro passo seria assumir personalidade de cristão genuíno não cedendo a ameaças e acusações de que está se rebelando contra autoridades constituídas, pois esse é o grande argumento que eles usam para segurar pessoas debaixo de suas asas. Então é de suma importância entendermos que a maior autoridade constituída por Deus a igreja é sua própria palavra através da Bíblia.
Não estou estimulando o leitor a se rebelar contra sua liderança, pois devemos honra aqueles que nos assistem com sinceridade, os que verdadeiramente zelam pelas nossas almas. Porém se tal líder for como um dos mencionados acima, fuja dele o mais distante possível e não tenha medo de suas ameaças ou maldições. Defenda tua fé, ela é preciosa! Ninguém tem o direito de pensar por você, Deus te deu capacidade e pensar, refletir e julgar. Use as Sagradas Escrituras e faça isso para decidir onde congregar, cultuar e aprender acerca do evangelho.
Ainda há homens de Deus e a maior virtude deles é a humildade. Reconhecem que não são maiores nem mais merecedores que suas ovelhas. Eles não cobiçam os bens alheios, não prostituem a Bíblia, não são obcecados por crescimento da igreja pois estão focados na saúde espiritual das pessoas. Eles entendem que os dons e talentos de Deus são distribuídos para toda a igreja e não se acham os donos da revelação e do poder. Eles não agem como senhores feudais, nem como coronéis, eles respeitam seu direito de pensar. Lideram primeiramente pelo exemplo e te conduzem a verdade através ensino. Eles não precisam usar de engano ou ameaça para atrair seguidores, pois eles influenciam pelas suas atitudes e caráter.
Não esqueça, a igreja verdadeira existe! Não é a denominação A ou B, mas um povo conhecido por Deus, povo sábio que não se vende por nada, pois já foi comprado pelo precioso sangue de Cristo. Faça parte desse povo.
Pr. Edson Cabral
 
Comentários desativados em Uma reflexão acerca da igreja dos dias de hoje – Edson Cabral

Publicado por em 12/11/2013 em POIMENIA

 

Tags: , , ,

Pesquisa mostra o porquê “ninguém quer mais ir à igreja”

Os autores Thom e Joani Schultz dedicam-se a fazer estudos constantes sobre como ajudar as igrejas a se fortalecerem. Afirmam serem consultores e já escreveram um livro polêmico anos atrás chamado “Why Nobody Learns Much of Anything in Church Anymore” (Por que ninguém mais aprende muita coisa na igreja). Eles afirmam terem ficado muito preocupados após uma pesquisa conduzida por eles indicar que:

– 12% dos presentes afirmam lembrar o conteúdo do sermão no dia seguinte.
– 90% afirmam que pensam em outras coisas durante o sermão.
– 33% acham os sermões “longos demais”.
– 11% dos homens e 5% das mulheres afirmam que o sermão dominical é a principal maneira como eles aprendem sobre Deus.

Seu novo livro, “Why Nobody Wants to Go to Church Anymore” (Por que Ninguém mais quer ir à Igreja) promete ser igualmente polêmico. Assim como no primeiro, lideranças cristãs afirmam que a Igreja não é um esforço puramente humano e, por isso, as conclusões não podem ser aceitas sem questionamentos.

O fato é que em muitos países historicamente cristãos, principalmente na Europa e nos EUA, a frequência aos cultos diminui a cada ano. Cada vez mais, os bancos vazios aos domingos refletem-se no número recorde de igrejas fechadas ou vendidas para a abertura de templos para muçulmanos ou lojas.

No livro lançado este mês, os autores procuram fornecer algumas respostas, com destaque para as “quatro soluções possíveis” para o problema. Thom Schultz e sua esposa dizem que algumas das causas estão relacionadas com tendências sociais e culturais, mas para ele o problema pode ser identificado no mundo todo, especialmente entre os mais jovens.

Schultz disse que é uma questão complexa, pois a cultura atual questiona como nunca as crenças e o estilo de vida dos cristãos. Afirma ainda que as pessoas não querem simplesmente ser ministradas em um sistema de comunicação unidirecional, pois estão acostumadas a fazer parte de um debate constante nas redes sociais.

Os quatro aspectos principais de seu estudo, considerado por ele os “motivos” são:

1) As pessoas sentem-se julgadas na igreja. Como solução, ele propõe a “hospitalidade radical”. Isso significa aceitar a pessoa como ela é, mas sem concordar com o que ela faz. “Essa nada mais é que uma abordagem semelhante à que Cristo usava”, garante.

2) Falta de diálogo no que se refere ao ensino. Para Schultz é necessário existir uma “conversa sem medo”, que significa considerar os vários pontos de vista, ao invés de simplesmente oferecer palestras com o assunto já decidido. “As pessoas querem ser envolvidas na conversa sobre a fé”, por isso incentiva que as igrejas estejam mais abertas para ouvir opiniões.

3) Para a maioria dos não-crentes, “os cristãos são hipócritas” e essa percepção só aumenta com os casos de escândalo financeiros e sexuais em alguns meios. Por isso, o autor está pedindo “humildade genuína”. Defende que as igrejas não devem querer estar acima desses problemas sem oferecer soluções e mostrar na prática que isso é uma generalização.

4) É enorme o número de críticos argumentando que Deus está distante ou morto e por isso o mundo está nesse estado atual. Schultz acredita que as igrejas precisam voltar a sintonizar suas mensagens na pessoa de Deus. “Muitas igrejas já se esqueceram de falar sobre Deus, falam apenas sobre o que ele fazia nos tempos bíblicos”, afirma. A ênfase exagerada nos benefícios materiais que a fé pode trazer também contribui para que as pessoas percam a noção de elementos como graça e pecado, vendo sua relação com Deus como apenas uma troca de ofertas por bênçãos.

O Centro Pew de Pesquisa sobre Religião e Vida Pública, realizou um estudo demográfico abrangente em grande parte dos países do mundo. A pesquisa incluía estatísticas e análise de tendências para as próximas décadas. Uma de suas principais conclusões é o rápido crescimentos dos “sem religião”, especialmente em países tradicionalmente cristãos. Eles já são o terceiro maior grupo “religioso” do mundo, atrás de cristãos e muçulmanos. Cerca de uma em cada seis pessoas do mundo (16,3%) afirma ser “sem religião”. A maioria deles afirma que, embora tenha suas crenças particulares, não se identifica com nenhuma religião “oficial”.

Schultz acredita que essa tendência pode ser revertida caso as igrejas sejam mais relevantes em suas mensagens, especialmente se posicionando biblicamente sobre questões como desigualdade social, cuidado com o meio-ambiente, e tantas outras “perguntas que todos estão se fazendo”.

O autor mencionou a homossexualidade como um exemplo de assunto que rapidamente é abordado pelos pastores, que se esquecem que existem muitos outros tipos de imoralidades que eles parecem não ver.
“Eu acredito que a igreja pode prosperar de novo”, disse ele, observando que para isso é necessário mudar a metodologia, não a mensagem.

Com informações The Blaze

Fonte: ADIBERJ

 
Comentários desativados em Pesquisa mostra o porquê “ninguém quer mais ir à igreja”

Publicado por em 27/10/2013 em POIMENIA

 

Tags: , , , ,