RSS

Arquivo da tag: graça

O discipulado e a questão do “senhorio”

Por Marcondes Soares:

Será que o discipulado é mais do que prestação de contas, submissão, confissão de pecados, orientação, etc.? Por que o movimento de discipulado, que já deu um grande passo adiante desse modelo de classe bíblica dominical, sempre cai em abuso de autoridade e legalismo? O que falta nesse conceito de discipulado argentino que o movimento de células, comunidades e muitas igrejas domésticas adotaram?

Afinal, o que é discipulado? Este é um ponto bem especifico que vale a pena focar. Discipulado, no movimento de discipulado argentino, é estar sob o “senhorio” de Cristo. Entretanto, a compreensão do que é estar sob o “senhorio” está, muitas vezes, atrelada a regras legalista de usos e costumes tais como não beber, não fumar, não ouvir música secular, etc. Os discipuladores estão atentos à vida particular de seus discípulos nestes pontos, o que resulta em um controle rígido – às vezes sobre coisas que realmente são questões bíblicas – mas sem a devida graça para cuidar destes problemas.

Eu tinha uma amiga na faculdade ligada ao único movimento de igrejas domésticas aqui no Recife que bebe muito de Jorge Himitian. Ela se orgulhava do fato que a sua igreja não admitia pessoas que não estavam submissas ao “senhorio” de Cristo. Um exemplo disso era indivíduos que não podiam perdoar outra pessoa. De tanto o discipulador insistir que se ela não queria perdoar, não estava sob o “senhorio” de Cristo, logo, tão pessoa não estaria salva – visto que a salvação está totalmente condicionada à submissão a Cristo.

O teólogo Reformado Alister McGrath já havia chamado a atenção para um problema no livro de John McArthur – O Evangelho Segundo Jesus – onde há uma aparente confusão entre a proclamação da lei para convicção de pecados com a imposição de condições para a salvação, anulando a graça de Deus. Segundo McGrath, a “lordship salvation” (salvação pelo senhorio) simplesmente enfatiza a necessidade de provarmos que somos cristãos por meio de um teste empírico de discipulado, mas nos deixa desamparados quando descobrimos que não somos capazes, levando em conta o pecado.1

Nesta obra, McGrath também critica a “livre graça” – uma forma de antinomianismo que exalta as virtudes da graça, mas não reconhece seu caráter de transformação e mudança na vida do discípulo. Entretanto, a solução que o movimento de discipulado oferece para a “livre graça” é simplesmente trágica em termos pastorais.

É difícil crer que os líderes mais sinceros do movimento de discipulado não enxerguem o problema do legalismo que vem embutido no conceito de “senhorio” de Cristo. Trata-se de um ciclo vicioso que se reproduz em outros movimentos que tentam aplicar princípios de submissão mútua sem relacionamentos profundos. Ao observar a história mais recente da igreja, vemos o conflito entre Juan Carlos Ortiz da Argentina e outros integrantes do movimento de discipulado daquele país por causa de posturas legalistas. Anos depois, o mesmo ocorreu no movimento americano de discipulado, liderado por Derek Prince.

Derek Prince também tinha influencia direta e pessoal sobre César Castellanos da Colômbia, o que pode ser comprovado pelas contínuas referências a Prince nas obras de Castellanos. No livro “Liderança de Sucesso Através dos 12”, no endosso da contra-capa, Derek Prince diz: “Vi em primeira mão a obra que César Castellanos tem levantado em Bogotá. É uma inspiração e um desafio para todos os servos de Cristo ao redor do mundo”. Infelizmente, tanto o movimento de discipulado americano quanto o G12 implodiram por questões de controle abusivo sobre a vida de seus membros.

JOCUM, Opus Dei e outras comunidades independentes, sejam católicas ou evangélicas, somam-se à lista de sucessivos escândalos por abusos. Diante disso, podemos fingir que estes são casos isolados e não um problema sistêmico no movimento de discipulado?

Marcondes Soares vive em Recife-PE. É professor de Sociologia graduado pela Universidade Federal de Pernambuco.

BIBLIOGRAFIA

[1] Cristo, o Senhor – a Reforma e o Senhorio na Salvação, editado por Michael Horton, ed. Cultura Cristã.

Anúncios
 
Comentários desativados em O discipulado e a questão do “senhorio”

Publicado por em 06/03/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

A utilidade do Twitter e do Facebook, segundo John Piper


  • Chicco SalCollapse
    Me perdoem, mas não concordo em absoluto com o que o John Piper falou… Continuo amparado na graça do Senhor Jesus Cristo, na PRESENÇA do Espírito Santo que Ele nos outorgou e que habita em nós, que intercede por nós com gemidos inexprimíveis, além do próprio Cristo que agora vive nos céus para interceder por cada um dos que crêem.  Eu não sei orar como convém, mas conto com a intercessão deles dois em meu favor. Querer colocar o uso do twitter, facebook, jogar futebol, ir ao cinema, sair para jantar com amigos, ou qualquer outra coisa como ‘documento legal’ comprobatório a ser utilizado no Dia do Julgamento é puro legalismo religioso, pura tentativa de manipular o rebanho.

Fonte: PAVABLOG

 
1 comentário

Publicado por em 08/02/2012 em POIMENIA

 

Tags: , , , , , ,