RSS

Arquivo da tag: Adoração

10 Distractions Regarding Worship Music

Worship doesn’t have to be perfect, but it shouldn’t be unnecessarily distracting.

Worship doesn’t have to be perfect, but it shouldn’t be unnecessarily distracting.

A few weeks ago, I posted findings on common worship distractions. Since that time, some readers have questioned me more specifically about our findings regarding the musical component of worship. So, the goal in this post is to respond to that request.

Let me be honest about my qualifications up front, though: I am not a musician or singer; I am a church consultant only reporting what our teams have found in more than 15 years of consulting. It is not my intent to be judgmental or offensive. I have utmost respect for those who lead us in worship. With those caveats in mind, here are 10 distractions we’ve encountered in the music element of worship.

  1. Incomprehensible choir or praise team words—I start with this distraction (a repeat from the previous post) simply because we face this issue so often. The sound system may be poor, the singers may not enunciate well or the music may drown out the lyrics—but in any case, we miss the message while straining to understand the words.
  2. Unsmiling faces leading worship—Some solemn hymns may not necessitate smiles, but something is lacking in singing about the joy of the Lord when the singer’s facial expression suggests something different. We have seen entire praise teams show little expression as they lead worship.
  3. Poor musicians or singers—I hesitate to include this distraction because I realize the level of talent varies by congregation. Nor do I want to suggest that only the most talented musicians or singers should be permitted to lead worship. I’m simply stating what we’ve experienced: sometimes the musical component of worship lacks quality.
  4. Unprepared singers—Here, level of talent is not the issue; lack of preparation instead appears to be the problem. Sometimes it seems—right or wrong—as if no one practiced this component of the worship service. In fact, we’ve occasionally heard it stated publicly: “Please pray for me before I sing today because I really didn’t have time to get ready for singing.”
  5. “Preachy” music directors—Some folks leading worship do a great job of succinctly and effectively speaking between songs. Others, though, seem to use interludes to preach a sermon in preparation for the sermon still to come. Too much talking may actually disrupt the worship more than facilitate it.
  6. Songs disconnected from the sermon topic—It seems strange, for example, when the sermon series is about family but none of the song selections moves in that direction. On the other hand, worship is often facilitated—and the teachings of that service’s content are easier to recall—when the musical selections and the sermon content focus in a single direction.
  7. Difficult songs to sing—Again, I am not a singer, but I do know when I’m struggling to sing a particular song. Some of our more gifted consulting team members are singers, and they at times question song selections on the “singability” of the song. What works for the gifted singer doesn’t always work for the typical person in the pew.
  8. Weak use of media for lyrics—This distraction is a corollary to the previous one. Lyrics on the screen are most often helpful. If, though, the phrase and sentence breaks on the screen don’t match the breaks in the singing, the worshipper may still struggle with knowing how to sing the song. Lyrics on the screen do not generally help worship participants learn the melody.
  9. Poorly done blended style—Anecdotally, we are seeing more churches move to a blended style of worship rather than offer multiple distinct styles of worship. That approach is not bad, but it becomes problematic when the worship leaders are strong in one style but weak in the other. Often, that difference is noticeable.
  10. Introducing new songs without teaching them—Numerous good songwriters are producing strong worship music today. Introducing new songs to a church, however, requires intentionality that often seems lacking. Many of us welcome a worship leader’s taking the time to help us actually learn the song as a congregation.

What other distractions regarding worship music have you seen?

Chuck Lawless currently serves as Professor of Evangelism and Missions and Dean of Graduate Studies at Southeastern Seminary. You can connect with Dr. Lawless on Twitter @Clawlessjr and on at facebook.com/CLawless.
Anúncios
 
Comentários desativados em 10 Distractions Regarding Worship Music

Publicado por em 29/05/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , ,

10 Common Worship Distractions

DEL - BUSY

Too busy church, too many distractions

By Chuck Lawless

Worship is frequently a controversial topic, and it’s not my goal with this post to add to those debates. I also realize that the focus of worship is God. Any attention we give to the human component of worship might send us in the wrong direction, but that’s not my intent, either. I simply want us to think about aspects of worship over which we have some control – and that we might improve for God’s glory.

Based on my work as a church consultant, reports from our consultation “secret shoppers,” interviews with church members, and my own experiences, here are ten far-too-common distractions during worship services.

  1. Starting late. Our secret shoppers know to be present in the worship center prior to the publicized starting time and to record what time the service actually begins. A late start may be unavoidable, but too often the tardiness is seemingly due to disorganization and apathy. A late start seldom strengthens an attitude of worship.
  2. Poor sound and/or video quality. Occasionally this problem unexpectedly happens when the system malfunctions. At other times, it seems clear that either (a) rehearsal never occurred to detect and correct any problems or (b) leaders chose to ignore problems. Either one is unacceptable.
  3. Excessively loud music. I suspect my age is apparent here, but even some of our young secret shoppers have commented negatively on this issue. Increased volume may be appropriate in some settings, but it does not automatically strengthen worship. Sometimes, worship occurs best in the quiet.
  4. Incomprehensible choir or praise team words. The lyrics are probably great, but we cannot tell. The sound system may be poor, the singers may not enunciate well, or the music may drown out the words – but we miss the message while straining to understand the words. Simply including the lyrics on a Powerpoint would help.
  5. Grammatical and/or spelling errors on the screen. Granted, this error should perhaps not be a distraction. Surely, we can overlook an omitted apostrophe or misspelled homonym. On the other hand, God – and worshipers who are often well educated – deserve our best in presentation.
  6. Poor synchronization of presentation slides. The operator gets caught up in the worship and fails to progress to the next slide. Or, activity in the sound booth becomes itself a distraction for the operator. Nevertheless, it’s difficult to worship in song when the lyrics on the screen are measures behind the worship leader.
  7. Unclear directions. Worshippers – especially guests or unchurched attenders – do not readily follow everything that takes place in a worship service. Even our best secret shoppers sometimes feel awkward over such questions as: Who is the person speaking (no one introduced him)? Will they recognize guests (and will I be put on the spot)? Am I permitted to partake of the Lord’s Supper (no one explained it)? If the church does not take an offering, how do I give (again, no one guided us)?
  8. Poor lighting. The problem may simply be weak lighting; that is, uneven lighting in the worship center creates dim sections where reading the Bible is difficult. In some cases, delayed maintenance results in burned out bulbs. In others, a darkened room intentionally creates worship ambience – but also reflects a wrong assumption that all worshipers will be reading the Bible only on the screen.
  9. Bad preaching. This conclusion is subjective, but nonetheless truthful: worship is challenging when the preaching is boring or disorganized. It’s even more taxing when the sermon covers everything but the Bible.
  10. Crowd movement. To be fair, I admit that worship should so focus on God that crowd movement is not distracting. In addition, many folks we interview sit toward the back of a worship center, where the movement is likely more noticeable. Nevertheless, folks coming and going from the worship center – especially during times of prayer, reflection, preaching, and response – can be disruptive.

What other worship distractions have you noticed?


Chuck Lawless currently serves as Professor of Evangelism and Missions and Dean of Graduate Studies at Southeastern Seminary. You can connect with Dr. Lawless on both Twitter and Facebook.

Source: THOM RAINERDEL - BUSY

 
Comentários desativados em 10 Common Worship Distractions

Publicado por em 30/04/2015 em POIMENIA

 

Tags: , , ,

A Natureza da Verdadeira Adoração – Geoffrey Thomas

por: Geoffrey Thomas

A verdadeira adoração é prestada a Deus somente por aqueles que nasceram do Espírito de Deus. “Aquele que é nascido da carne, é carne”, disse Jesus e portanto, toda assim chamada adoração feita por pecadores não regenerados é carnal. Somente um coração regenerado pode cantar a nova canção (Salmos 40:3).

A verdadeira adoração só pode ser realizada através do Espírito Santo. “Os verdadeiros adoradores adoram o Pai em espírito” disse Jesus e, portanto, unicamente através da iluminação que o Espírito Santo concede a nossas mentes, e os sentimentos dela produzidos em nossos corações é que nossa adoração pode ser edificante para nós e agradável a Deus. Os dons de liderança concedidos pelo Espírito a pastores e mestres são uma parte essencial de adoração pública.

A verdadeira adoração é estruturada pelas Escrituras. “Os verdadeiros adoradores adoram… em verdade”, disse Jesus. A Bíblia nos revela a Deus a Quem devemos adorar e como devemos fazê-lo: “com reverência e santo temor”. As Escrituras porduzem a atmosfera e fornecem os temas, as orações, os louvores e a pregação. Dessa forma, possuímos um padrão para conhecer o que é certo e o que é errado em tudo o que é falado e cantado. Desfrutamos, também, uma maravilhosa liberdade de todas as tradições e artefatos que são introduzidos por homens não espirituais, na inútil tentativa de “tornar” a adoração mais “importante” e “significativa”. A verdadeira adoração é essencialmente simples.

A verdadeira adoração é centralizada em Deus. Não é centralizada na “inspiração”, tampouco nos sentimentos; nem mesmo é centralizada em Jesus (ou no Espírito Santo) – não somos adoradores só de Jesus (ou só do Espírito Santo). Ela se centraliza no Pai. Disse Jesus: “os verdadeiros adoradores adoram o Pai”. Naturalmente, o Pai só pode ser adorado através do Filho e o objeto de nossa adoração é a Divindade como um todo: Pai, Filho e Espírito Santo. Certamente nós adoramos a Jesus, mas é errado adorarmos somente a Jesus e torná-lo o centro de nossa adoração, negligenciando ao Pai.

A verdadeira adoração surge a partir de um contínuo andar com Deus. Um homem que dificilmente pensa em Deus durante seis dias da semana, não está apto a adorá-lo corretamente no sétimo dia. Se tal pessoa fala o quanto está se “regozijando” na adoração, alguma coisa está errada com ele! Ele está se entretendo ou está recebendo aquela vaga sensação de desafio que o homem natural desfruta. Por outro lado, em meio à verdadeira adoração, tal pessoa deveria sentir o quanto está afastada de Deus e sentir uma tristeza santa por sua negligência com a glória do Senhor.

A verdadeira adoração requer preparação. Um homem não pode simplesmente achegar-se à presença de Deus sem qualquer preparação de coração e alma e esperar, então , por uma “adoração instantânea”. Davi disse: “Ao meu coração me ocorre: buscai a minha presença; buscarei, pois, Senhor, a Tua presença” (Salmos 27:8). A verdadeira adoração, no dia do Senhor, surge de uma mente preparada para Deus, encorajada por uma oração ardorosa pela bênção do Senhor sobre a noite do Sábado e a manhã do dia do Senhor.

A verdadeira adoração deveria ser acompanhada pela meditação. Eis por que exortamos as pessoas a cuidarem da maneira pela qual empregam o seu tempo após o término do culto. Todo o proveito advindo da exposição e aplicação da Palavra de Deus pode ser destruído. A graça é uma planta delicada, pode ser facilmente danificada. Se queremos aproveitar da adoração prestada, isso deve ser feito por meio de uma tentativa verdadeira de reter a principal lição da pregação.

A verdadeira adoração é sempre produto de uma perspectiva da grandeza de Deus e da nossa pequenez. O profeta Isaías vê a grandeza de Deus e clama: “Ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros, e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos! (Isaías 6:5). João, na ilha de Patmos, vê o Senhor e diz: “Quando O vi, caí a seus pés, como morto” (Apocalipse 1:17). Qualquer coisa de novo que introduzimos na adoração, que não tenha como objetivo exaltar a Deus, é simplesmente uma concessão ao desejo por novidade que, caracteriza todos os homens naturais.

A verdadeira adoração sempre é aceita por Deus. Devemos ser muito cuidadosos para não abrigar pensamentos que inferiorizam a nossa adoração! Expressões depreciativas, tais como aquelas que descrevem a adoração como um “sanduiche de hinos”, somente encorajam a atitude que revela que nossa adoração é formal, exterior e sem liberdade e que , se nós estivéssemos realmente adorando, então deveríamos ter barulho, liderança espontânea e excitação. Na realidade, na verdadeira adoração, as pessoas não ficam sempre sentadas na ponta dos bancos imaginando quem será o próximo a dizer ou fazer algo inesperado. Não, eles não devem concentrar-se muito nos meios de adoração; seus pensamentos devem estar centralizados em Deus. A verdadeira adoração é caracterizada pelo esquecimento de si mesmo e a ausência de qualquer concentração no homem. O publicano permaneceu em pé, distante, abaixou sua cabeça e orou: “‘O Deus, sê misericordioso comigo, pecador”. Em nossos cultos, dirigidos pelas Escrituras e dependentes de Cristo, estamos verdadeiramente adorando a Deus; não deixamos simplesmente que as coisas caminham, mas unicamente queremos adorar; nós adoramos o Deus vivo em espírito e em verdade, sabendo que o Pai está buscando ativamente tais pessoas que O adorem! Nós não cremos que todas essas novas ênfases na espontaneidade e na condução da adoração por homens, mulheres e jovens nos esteja levando a uma conscientização maior sobre Deus e à verdadeira adoração. Pelo contrário, existem abundantes evidências de que a adoração se encontra em declínio. Consideremos, por exemplo, a mudança em nosso modo de nos endereçarmos a Deus, o que tem ocorrido nos últimos vinte anos. Será que isso representa um progresso e um amadurecimento no culto e oração públicos? O que será que significa essa nova linguagem utilizada para orarmos: “Nós só queremos Te adorar, Te louvar”, “Somente a Ti, Jesus, queremos adorar”? As frases truncadas e curtas podem ser comparadas desfavoravelmente com os argumentos bem construídos e confiantes, acoplados com a reverência constante observados nas orações das gerações anteriores.

A verdadeira adoração tem o seu clímax no dia do Senhor. A liberdade que o povo de Deus desfruta sob a nova aliança não lhes dá o direito de se reunirem somente quando se sentirem conduzidos ou dirigidos a fazê-lo. Na igreja apostólica, a adoração tinha períodos pré-determinados para ocorrer. No primeiro dia da semana eles se reuniam para partir o pão, ouvir a Palavra de Deus e recolher as ofertas (Atos 20:7; I Coríntios 16:2). Mesmo que eles não sentissem o mesmo ânimo para realizar essas coisas naquele dia e se sentissem mais inclinados às coisas religiosas no terceiro dia, por exemplo, era no primeiro dia que eles deviam reunir-se para adorar. O mesmo pode ser dito hoje. Nós não somos “Adventistas do quinto dia”, daqueles que se reúnem na quinta feira, à noite e nos orgulhamos das bênçãos maravilhosas e da fantástica comunhão quando o Senhor “realmente” se reúne com dez de nós. Não, nós devemos reunir-nos no Espírito no dia designado, o dia do Senhor e com todo o povo de Deus.


Tradução: Dr. Eurico Correia

Nota sobre o Autor: Geoffrey Thomas é pastor da Alfred Place Baptist Church em Aberystwyth, País de Gales e também trabalha como Editor Assistente da Banner os Truth (Nº.153, Junho/76) e do Evangelical Times.

Transcrição do jornal “Os Puritanos” Ano II Nº. 5 de Setembro/Outubro – 1994.

Fonte: http://www.monergismo.net.br

 
Comentários desativados em A Natureza da Verdadeira Adoração – Geoffrey Thomas

Publicado por em 20/08/2013 em POIMENIA

 

Tags: , , ,